sexta-feira, 31 de julho de 2009

1. Introdução I: O livro da consumação

Aproximação ao Apocalipse (1)
INTRODUÇÃO I:

O LIVRO DA CONSUMAÇÃO

VISÃO PANORÂMICA


Antes de entrar nos detalhes do tema desta introdução, olhemos tudo sob a perspectiva de uma introdução panorâmica, porque há vezes em que alguém olha um motor, mas o motor está desmontado, desarmado, todas as peças estão soltas, amontoadas no chão, e nessas condições, é difícil saber do que se trata o motor. É necessário, pois, que todo o motor esteja armado, que cada porca vá com seu correspondente parafuso, que cada peça esteja em seu lugar, que cada molinha deste modo esteja em seu lugar, que todas as coisas estejam relacionadas umas com as outras de uma maneira coerente.

Antes de entrar nos detalhes necessitamos inicialmente ter uma visão panorâmica introdutória que nos ajude a nos localizar no assunto central. O mesmo ocorre quando vai se construir, por exemplo, um edifício; primeiro se busca o lugar e os elementos apropriados, colocam-se os principais fundamentos, as colunas principais, as vigas principais, as pranchas principais; logo se fazem as principais divisões, e logo depois vem o cenário.

Mas alguém não pode colocar-se no cenário, com os pequenos detalhes, sem ver primeiro o plano geral, as linhas mestras e diretrizes, ou o esquema fundamental. Assim necessitamos também entender precisamente que ao livro de Apocalipse é necessário vê-lo primeiro em relação com o programa divino, em relação com toda a Bíblia, e em particular com todo o Novo Testamento, e particularísimamente com os escritos do apóstolo João, e ver o que é o que Deus quer nos dar através deste livro; primeiro de uma maneira geral, e logo sim entrando nos detalhes.

Em primeiro lugar nos fixemos na localização providencial que o livro do Apocalipse tem no canon das Sagradas Escrituras; aparece nada menos que no final de toda a Bíblia, e o mesmo título do livro, Apocalipse, que é uma palavra grega que significa revelação ou desvelação, mostra-nos como se fora e é a culminação de todo um programa, de todo um processo. Devemos entender que essa é a razão da localização do livro providencialmente no final do canon, não só dos escritos de João e do Novo Testamento, mas sim de toda a Bíblia.

Apocalipse significa tirar o véu. É como um artista que esteve fazendo durante muito tempo uma obra mestra e minuciosa; mas enquanto se fazia, essa obra estava oculta ao público em geral. Ao passar perto da casa do artista, poderia ser um escultor ou um pintor, o público talvez escute alguns ruídos, algumas marteladas, mas não compreenderia aquilo, tanto para a escultura como para a pintura; talvez sairia um pouco de pó pela janela, e o público sem saber o que estava fazendo o artista. Mas quando se chega o dia da inauguração, como quando vai se tirar um véu para mostrar o busto de algum personagem importante, pois se chega a esse dia final e se corre o véu e se mostra ao público a obra mestra. O Apocalipse cumpre esse mesmo papel.

O livro de Gênesis é o livro das orígens; é o livro onde se semeiam as primeiras sementes do programa de Deus, onde se estabelecem as primeiras pistas do propósito eterno de Deus, e onde se mostram também as primeiras linhas de conduta, tanto da descendência da Semente da Mulher, como da descendência da semente da serpente. No livro de Gênesis se semeiam essas sementes. A primeira profecia onde nos resume o que seria a história está primeiro em Gênesis. Mas depois de haver se desenvolvido ao longo de toda a Bíblia e de toda a história, consuma-se no Apocalipse.

O COMBATE HISTÓRICO ENTRE AS DUAS SEMENTES

Diz a Palavra de Deus em Gênesis 3:15:

"E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre sua semente e a semente dela; esta te ferirá na cabeça, e você lhe ferirá no calcanhar".

Deus fala aqui antecipando-se ao programa da história, e fala com a serpente, aquela serpente antiga, que é o diabo, Satanás, e vemos que o Senhor está identificando a um personagem e a uma linha de conduta que segue a esse personagem. Como o Senhor Jesus disse depois: "Vós sois de seu pai o diabo, e os desejos de seu pai querem fazer" (João 8:44a), o Senhor já identificou a um personagem rebelde e profetizou uma descendência espiritual desse mesmo personagem, e de uma vez uma conduta e também um final. Deus pôs inimizade entre a semente da serpente e a Semente da Mulher. Claro que a mulher por si só não pode ter semente, a menos que seja a virgem Maria que deu a luz sem intervenção do homem; portanto realmente o Senhor Jesus Cristo é a Semente da Mulher porque nasceu da mulher sem intervenção do varão.

Daí que isto se trate de uma luta entre o Senhor e o diabo, na qual o Senhor fere na cabeça a Satanás; aí está anunciado o final; e o diabo fere o Senhor no calcanhar. O Senhor lhe esmagará a cabeça ao diabo, e ao esmagar-lhe Ele será ferido, mas de todas as maneiras a esmagará. A primeira profecia, que poderíamos chamar o proto-evangelho, mostra-nos um combate entre Deus e o diabo; entre a descendência de um e a do outro, e um final vitorioso para o Senhor, revelado através da Semente da Mulher. Para obter essa vitória teve que haver uma ferida, um sofrimento nessa Semente da Mulher. Gênesis aqui apresenta de uma maneira resumida o programa de Deus ao longo de toda a história, e a história mesma tem seu final.

Esta mesma mulher e esta mesma serpente aparecem também em Apocalipse; somente que em Apocalipse já não nos revela algo tão simples, a não ser um pouco mais complexo. Para ilustrar melhor leiamos, por exemplo, em Apocalipse 12:1-4:

"1 Apareceu no céu um grande sinal: uma mulher vestida do sol, com a lua debaixo de seus pés, e sobre sua cabeça uma coroa de doze estrelas. 2 E estando grávida, clamava com dores de parto, na angústia para dar a luz. 3 Também apareceu outro sinal no céu: eis aqui um grande dragão escarlate, que tinha sete cabeças e dez chifres, e em suas cabeças sete diademas; 4 e sua cauda arrastava a terceira parte das estrelas do céu, e as jogou sobre a terra. E o dragão parou frente à mulher que estava para dar a luz, a fim de devorar a seu filho logo que nascesse".

Aquela mulher que era muito simples quando mencionada em Gênesis, já teve um desenvolvimento no Apocalipse. Também vemos aqui a Semente da Mulher. O primeiro sinal que aparece é que a mulher dá a luz um filho varão; o segundo sinal é a aparição no céu de um dragão escarlate, que é a mesma serpente, como explica o versículo 9, quando diz:

"E foi arrojado fora o dragão, a serpente antiga, que se chama diabo e Satanás, o qual engana ao mundo inteiro; foi arrojado à terra, e seus anjos foram jogados com ele".

Aí nos explica que este dragão é a mesma serpente, somente que ao princípio aparece de uma maneira muito simples; quer dizer, simplesmente a mulher, a Semente da Mulher, a serpente e a semente da serpente. Mas ao transcorrer o tempo da história, vemos a mulher já vestida de sol, com a lua debaixo de seus pés, com doze estrelas. Deste modo vemos a serpente muito desenvolvida, convertida em um dragão com sete cabeças e dez chifres. Outros acontecimentos finais vemos nos versos 15-17, que dizem:
"15 a serpente lançou de sua boca, atrás da mulher, água como um rio, para que fosse arrastada pelo rio. 16 Mas a terra ajudou à mulher, pois a terra abriu sua boca e tragou o rio que o dragão tinha lançado de sua boca. 17 Então o dragão se encheu de ira contra a mulher; e foi fazer guerra contra o resto da descendência dela, os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus Cristo".

Aquilo que começou no livro de Gênesis de uma maneira simples, profética, teve um desenvolvimento ao longo de toda a história, e precisamente aparece um final no livro de Apocalipse. Até agora só viemos fazendo um esboço deste histórico drama, pois somente vimos a primeira vista, e a final; como quando vai se disparar a um alvo, terá que ter em conta a primeira e a última vista. Se só olharmos com a primeira vista, ou só com a segunda, não acertamos no alvo; por isso devemos olhar Gênesis com Apocalipse, para descobrir qual é a linha reta para acertar no alvo.

Quando olhamos o livro de Apocalipse vemos que essas cabeças do dragão depois aparecem identificadas com as cabeças da besta; assim como o dragão tem sete cabeças, também a besta tem sete cabeças; então nos damos conta de que as cabeças da besta são as mesmas cabeças do dragão. Somente que o dragão representa a parte espiritual do reino das trevas, e em troca, a besta representa a parte política e terrestre desse reino; e existe, além disso, uma sincronia entre esse mundo espiritual e esse mundo natural. Por exemplo, no capítulo 10 do livro do profeta Daniel, aparece uma luta nos ares e se diz que aquele anjo que esteve lutando para poder vir dar a Daniel a revelação de Deus, teve que ser ajudado pelo arcanjo Miguel, quem lutou contra o príncipe da Pérsia; mas a Palavra narra que depois que o príncipe da Pérsia caísse, viria o príncipe da Grécia; e isso significa que nos ares existiu um principado que se chamou príncipe da Pérsia. Enquanto esse principado demoníaco estava reinando, na terra governava o império persa. Quando o príncipe espiritual das trevas da Persia caiu, o império persa também caiu. E ante quem caiu o império persa? precisamente ante o império grego, que era liderado pelo príncipe das trevas chamado o príncipe da Grécia. Vemos, pois, que a Palavra de Deus nos revela que existe uma sincronia entre o mundo espiritual e o mundo natural, entre o dragão e a besta, as cabeças do dragão ou seus príncipes e as cabeças da besta e os grandes líderes, ou grandes impérios que estão representados por essas cabeças.

Está profetizado desde Gênesis o que entre a Semente da Mulher e a semente da serpente se desenvolveu em toda a história universal; e a Palavra de Deus nos revela o transfundo da história universal. O que é o que está detrás de todos os acontecimentos? Qual é o significado último detrás de tudo o que aconteceu na história? Um combate entre a semente da serpente e a Semente da Mulher. A linha de Deus contra a linha de Satanás; ao fim disso conta é o que está detrás. Mas a Bíblia nos ensina que tanto Deus como o diabo têm um objetivo, têm um propósito.

A GRANDE MENTIRA DO DIABO

A Bíblia nos fala do propósito de Deus e também nos fala das intenções ou desejos do chamado pai o diabo; não é chamado assim por nós, obviamente. Como citamos acima, o Senhor disse a certos personagens: "Vós sois de seu pai o diabo, e os desejos de seu pai querem fazer"; aí vemos que Jesus falou dos desejos do diabo, dos objetivos que ele tem; há algo que ele quis. Nos capítulos 14 de Isaías e 28 de Ezequiel, a Palavra de Deus nos esclarece que o diabo teve uns objetivos; mas esses objetivos não são de Deus nem são eternos. Antes de que o diabo tivesse esses objetivos, e antes de que o diabo existisse, e antes de que existisse coisa alguma, Deus existia desde a eternidade e Deus tinha Seus próprios objetivos, Seus próprios propósitos, até sabendo que uma das criaturas angélicas, um querubim protetor que Ele criaria como o selo da formosura, rebelaria-se contra Deus e teria também seus propósitos, que estão revelados claramente em Isaías 14 e Ezequiel 28. Esses propósitos satânicos consistem em que o diabo quer ocupar o lugar de Deus. O diabo dizia:

"13 Subirei ao céu; no alto, junto às estrelas de Deus, levantarei meu trono, e no monte do testemunho me sentarei, aos lados do norte; 14 sobre as alturas das nuvens subirei, e serei semelhante ao altíssimo" (Isaías 14:13-14).

Esses tem sido os desejos do diabo desde o começo da rebelião no céu; quer dizer, que o diabo tem um objetivo. O quer substituir, substituir a Deus; ele quer que a criatura ocupe o lugar de Deus.

Esse princípio está detrás de muitas filosofias, de muitas mitologias, de muitas religiões e de muitas rebeliões; mas esse mesmo princípio, "serão semelhantes a Deus", é o mesmo com que o diabo tentou ao homem desde o começo: Vós sereis como deuses, conhecendo o bem e o mal; e isso é precisamente o que está detrás da filosofia evolucionista, do homem autodesenvolver-se por si mesmo até chegar a ser a expressão final da divindade.

Mas a divindade já não chama a Deus, a não ser à natureza, como no panteísmo; filosofia que diz que a natureza tem umas forças intrínsecas evolutivas que vão desenvolvendo-se, e que essa divindade vai aparecendo no homem, e que o homem é o estado mais evoluído do fio primitivo da substância divina, que é o tudo da natureza, segundo eles; e isso está detrás das religiões, detrás das mitologias e das filosofias seculares. Essa é a filosofia de Hegel, de Teilhard de Chardin; essa é a pseudofilosofía do evolucionismo; deste modo essa é a filosofia do esoterismo, do gnosticismo, do cabalismo, do hermetismo, da maçonaria, da nova era.

Todo esse princípio é o mesmo da serpente: Sereis como Deus, sabendo o bem e o mal; quer dizer, vós ocupareis o lugar central. Essa foi a sensação que o diabo difundiu, que não nasceu de ninguém mas sim de si mesmo, e quis ocupar o lugar central. Em Romanos 1:21-23, Paulo o expressa formosa e magistralmente assim:

"21 Pois havendo conhecido a Deus, não lhe glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, mas sim se envaideceram em seus raciocínios, e seu néscio coração se obscureceu. 22 Professando ser sábios, fizeram-se néscios, 23 E trocaram a glória do Deus incorruptível em semelhança de imagem de homem corruptivel, de aves, de quadrúpedes e de répteis".

Os homens adoraram a natureza, incluído o homem mesmo, em lugar de Deus. É o mesmo problema do diabo; ele disse: serei semelhante ao altíssimo. Esses são os desejos do diabo. Mas assim como o diabo tem seus próprios desejos, antes de que o mesmo diabo existisse e tivesse a oportunidade de rebelar-se, Deus já tinha um propósito eterno. Na Palavra de Deus são muitas as passagens que nos falam do propósito eterno de Deus, e que quando Deus criou as coisas, criou-as em função de Seu propósito eterno.

Quando Deus deu permissão para que existisse a rebelião, fez-o em função de Seu propósito eterno; e a providência de Deus, que profetizou o que seria a história, esteve detrás de todos os acontecimentos, levando adiante todo o propósito de Deus, até com a existência de um mundo rebelde que tem outro propósito. E Deus permitiu essa rebelião porque queria fazer notório o que ele reprova, e também Seu poder e Sua ira contra a rebelião; e também Sua graça e Sua misericórdia para com aqueles de quem se compadeça e salve e introduza em Seu Reino, em Sua economia final.

UM SUBSTRATO DO PROPÓSITO DE DEUS

Nos demos conta de que o livro de Apocalipse está situado em um lugar onde conflui a consumação dessas duas linhas. Não é qualquer livro; isso supõe um livro tremendo; um livro onde tudo o que se semeou em Gênesis e se desenvolveu ao longo da história, na Bíblia, e também depois de que a Bíblia fechou seu canon, tudo isso que estava já profetizado, consuma-se no livro de Apocalipse. Esse livro contém o destino final daquela semente de rebelião, e contém também a consumação do plano eterno de Deus. Na epístola aos Efésios 1:8-12, a Palavra é tão clara, que nos ajuda a analisar as coisas, para saber o que é o que deveríamos encontrar em Apocalipse, porque às vezes, quando vamos a este livro, fixamo-nos nas porquinhas, nos parafusinhos, nas molinhas, no motor desmontado, mas precisamos ver tudo isso armado e consumado. Leiamos a passagem:

"(Sua graça) 8 que fez superabundar para conosco em toda sabedoria e inteligência, 9 dando-nos a conhecer o mistério de sua vontade, segundo seu beneplácito, o qual havia proposto em si mesmo, 10 de reunir todas as coisas em Cristo, na dispensação do cumprimento dos tempos, assim as que estão nos céus, como as que estão na terra. 11 Nele deste modo fomos feitos herança, tendo sido predestinados conforme o propósito daquele que faz todas as coisas segundo o intuito de sua vontade, 12 A fim de que sejamos para louvor de sua glória, nós os que primeiro esperamos em Cristo".

Esta graça superabundante já não se refere somente à redenção, ao perdão dos pecados, que por si só, é uma graça muito abundante. "Onde abundou o pecado superabundou a graça"; mas tanto superabundou, que a graça não se limitou somente à redenção, porque a redenção é para recuperar ao homem caído, a fim de poder Deus continuar com Seu propósito eterno. O propósito final de Deus não é a salvação, pois a salvação é o meio que Deus utiliza para recuperar ao homem, para alcançar seu propósito final. O propósito final de Deus vai mais além da redenção e a salvação, e por isso diz aqui que à graça a fez superabundar além da redenção, em toda sabedoria e inteligência espiritual, ou seja, sabedoria e inteligência que provêm da graça e em relação com o propósito eterno de Deus; e isso se estende nos dando a conhecer o mistério de Sua vontade, porque Deus tem uma vontade. Ainda muitos dizem: Como é que viemos para cá? para que vivemos? será que o mundo por aqui tem algum sentido? Isso é o que alguns estão concluindo. Entretanto, à Igreja, não à universidade, não à ciência secular, à Igreja, não por meio de seus próprios esforços, mas sim pela revelação divina, à Igreja é dado a conhecer o mistério da vontade divina; qual é o objetivo que Deus propôs em Si mesmo; para que criou; para que permitiu a rebelião; para que salvou, e onde terminará todo o desenvolvimento da história. Isto Deus revela à Igreja. O que a Deus agradou desde a eternidade, o propôs como um objetivo, e não haverá diabo que possa estorvar a Deus em Seu propósito eterno, Seus objetivos. No verso dez diz que se propôs em Si mesmo reunir todas as coisas em Cristo, na dispensação do cumprimento dos tempos, nos dando em forma resumida o substrato do Apocalipse, porque Apocalipse é a consumação do plano de Deus, e aqui em Efésios nos está dizendo qual é esse plano.

Quer dizer, que através da chave deste versículo, vemos o substrato fundamental ou esquemático de Apocalipse. Reunir significa tomar o que estava disperso, o que sem estar neste lugar, aos pés de Cristo e em função de Cristo, não teria razão de ser. Tenha-se em conta que o diabo também quer reunir. Se entendermos esta primeira consideração panorâmica, depois vamos entender outras muitas coisas com relação à religião, à política, à economia; mas aqui se fala de reunir todas as coisas em Cristo, em troca o diabo quer reunir todas as coisas mas não em Cristo, senão ao redor de si mesmo. O diabo em seus desejos quer sentar-se no monte do testemunho, pôr seu trono sobre as estrelas do norte e fazer-se semelhante a Deus, e para isso necessita também reunir, mas reunir ao redor de si mesmo; em contrapartida o Senhor quer reunir ao redor de Cristo. A quem ama o Pai por sobre todas as coisas é ao Filho, porque antes de que existisse a criação, só existia a Trindade, e o Pai amava ao Filho, e o Pai quer a preeminência do Filho sobre todas as coisas. A criação foi feita para o Filho; a redenção é para dar ao Filho um Reino; o Filho está no centro do coração do Pai, mas o diabo quer ocupar esse centro.

Se entendermos isto, nos vai afinar o discernimento a respeito dos acontecimentos atuais; porque sabemos que existem duas forças em combate, no qual prevalecerá a do Senhor, embora seja muito aparente a do diabo. É mais aparente um dragão com sete cabeças que uma mulher com um menino, mas entretanto é o menino dessa mulher, a Semente da mulher, quem prevalecerá contra o dragão, suas cabeças e seus chifres.

Quando em Efésios nos diz "de reunir... na dispensação do cumprimento...", no grego diz: "na economia da plenitude dos tempos". Esta palavra economia, que nesta passagem se traduz dispensação, em outras passagens se traduz administração, em outros se traduz mordomia, comissão, edificação. A palavra economia vem de umas palavras gregas, oikos , de onde vem a palavra espanhola hogar, que quer dizer casa, e nomos, de onde vem a palavra espanhola norma, que significa lei; de onde oikonomía significa a lei da casa, a norma da casa; quer dizer, a administração do Reino. Então diz que Deus quer reunir todas as coisas em Cristo na economia da plenitude do cumprimento do tempo.

Quando fala dos tempos, no plural, significa que a história percorreu várias etapas; mas ao contrário do que pensam os gregos, que o tempo é uma questão cíclica que se repete cegamente, ou do que pensam alguns que acreditam no azar, que não há nenhum sentido na história, mas sim as coisas surgem na história de uma maneira desbocada, que não têm nenhum sentido, a Palavra de Deus revela que a sucessão dos tempos, das etapas, dos períodos da história, tem um sentido, que detrás da história há uma mão providente e governante, que é a de Deus, e que Deus está dirigindo o sentido de cada período da história; que quando um período da história se deu, conseguiu uma primeira plataforma, uma primeira escala ou elo de um programa definido que Deus tem, de reunir em Cristo todas as coisas. Deus governa a história em função de Cristo. Quando depois ou através de certo tempo Deus estabelece uma base, então se entra em um segundo período, depois em um terceiro, logo em um quarto, e essas sucessões de períodos vêm para o cumprimento e finalização ou consumação da economia divina, na qual o Filho de Deus tem a preeminência, pois todas as coisas estão ordenadas ao redor de Seu Filho, tendo em conta que Seu Filho dá sentido à realização de todas as coisas. O Filho está no centro do coração do Pai, e o Pai lhe entregou a criação, e por fim a história. A história discorre em função do Filho, porque a criação é em função do Filho; o Filho é quem ocupa o lugar central. Por isso quando entramos em Apocalipse, encontramos o trono de Deus. A parte sobressalente de Apocalipse não são os chifres da besta senão o trono de Deus, o qual é a parte central; a Jerusalém de Deus. Deus em Sua cúpula, em Seu Lugar altíssimo, e o Cordeiro é Seu luzeiro, e a glória de Deus através do Cordeiro e de Sua Esposa, sendo a capital do universo.

Todas as coisas reunidas ao redor de Cristo, expressando a excelência de Cristo. Deus o Pai ama tanto ao Filho, que quis dar a ele todas as coisas para que delas disponha e as administre, e seja o mordomo da plenitude. Por isso lhe chama economia do cumprimento dos tempos, ou dispensação do cumprimento, ou plenitude dos tempos, das eras, dos tempos.

A IGREJA NO PROPÓSITO DE DEUS

Um fato muito importante é que neste propósito eterno de Deus no que o lugar central o ocupa o Filho de Deus, o Cristo, o Senhor Jesus, a Igreja junto com Cristo ocupa também um lugar central, como esposa do que é, como co-herdeiros que somos os filhos de Deus com Ele; por isso no verso 11 de Efésios 1 diz que nele, ou seja neste Cristo ao redor do qual Deus quer reunir tudo, nele do mesmo modo, assim como Deus quer reunir tudo ao redor de Cristo, Deus quis que este Cristo fosse um Cristo corporativo, um Cristo que se incorpora em Seu Corpo que é a Igreja, e que faz aos membros de Seu Corpo, herdeiros com Ele de todas as coisas, que é uma verdade que queremos ressaltar por sua importância. De maneira que a Igreja ocupa com Ele um lugar central no plano eterno de Deus.

Essa é a razão pela qual o último livro da Bíblia, o Apocalipse, termina com a Nova Jerusalém, com a esposa do Cordeiro, que deste modo se identifica com a Igreja. Assim como a Jerusalém terrestre tinha nos subúrbios um lixeiro onde paravam todas as coisas imprestáveis, para serem queimadas com fogo, localizado no Vale do Hinom, de onde vem a palavra Gehena, da mesma maneira a Jerusalém de Deus tem nas trevas exteriores seu lixeiro, o lago de fogo que arde com fogo e enxofre, onde estará Satanás e seus anjos, e os perdidos que lhe seguiram; quer dizer, tudo o que era imprestável à causa e propósito de Deus vai parar no lixeiro que estará nos subúrbios. Por isso é que o Apocalipse termina com um julgamento dessa linha maligna no lago de fogo, mas com a consumação do objetivo de Deus na Nova Jerusalém.

"Nele deste modo tivemos herança, tendo sido predestinados conforme o propósito de quem faz todas as coisas...". Deus tem um propósito, e Ele escolheu pessoas e as predestinou para que alcancem esse propósito, e precisamente para isso fez a redenção, para recuperar essas pessoas de sua queda e poder alcançar o que Ele se propôs nele, em Cristo, nesse Cristo central, no Cristo preeminente ao redor do qual Deus o Pai reúne tudo. Deste modo como Cristo, a Cabeça, também o Corpo tem herança; fomos feitos co-herdeiros conforme o propósito de quem faz todas as coisas segundo o desígnio de Sua vontade, a fim de que sejamos para louvor de Sua glória, nós os que primeiro esperamos em Cristo. Nestes versos de Efésios que viemos recortando está o substrato básico, a essência de Apocalipse, porque esta é a revelação do que é o objetivo de Deus, e Apocalipse é a expressão, a revelação já mais detalhada dessa culminação do programa de Deus. Se entendermos esta visão panorâmica, vamos entender depois muito melhor os detalhes.

VISÃO PANORÂMICA DA ECONOMIA DIVINA

Deste modo é importante nos deter um pouco nesta visão panorâmica no relacionado com a teologia e a economia divina. A teologia que se ocupa do estudo e aprofundação da Palavra de Deus em geral, tem também uma ordem formal, sistemática, que é a Teologia Sistemática, a qual não se engasga com um montão de temas desconexos. Por isso se chama sistemática; em contrapartida a exegese faz o exame de cada texto para tirar seu sentido. A Teologia Dogmática é a que relaciona as verdades trazidas pela exegese. A dogmática não estuda por textos, por autores, por passagens em ordem, por livros, por versos, por raízes, mas sim seu estudo o faz por temas.

A Teologia Exegética estuda por autores, como a coleção das epístolas paulinas, e inclusive fazendo as subdivisões como as epístolas primeiras, as epístolas da prisão, as epístolas pastorais; o passo seguinte seria começar com Romanos, suas principais seções, logo todo o primeiro capítulo, passagem por passagem, verso por verso, frase por frase, e se for necessário, palavra por palavra, e até raiz por raiz dessa palavra; tudo isso o faz a exegese. A exegese se encarrega do estudo do livro, localiza-o, e pode começar por estudar a raiz da palavra, o sentido do versículo, o contexto do capítulo, o lugar que ocupa em toda a epístola, e o que Deus quer nos dizer através de Paulo nessa epístola, inclusive da contribuição paulina em todas suas epístolas. Já temos a teologia paulina.

Depois se faz o mesmo com o Pedro, obtendo a teologia petrina; depois fazemos o mesmo com João, e temos a teologia joanina.

Logo tomamos toda a teologia dos autores do Novo Testamento e temos a teologia neotestamentaria. Dessa maneira fazemos o mesmo com a teologia do Antigo Testamento, e temos a Teologia Bíblica que surge da exegese.

A Teologia Dogmática é a antesala da Sistemática; como havemos dito, a dogmática não estuda por livros, por autores, por passagens, mas sim por temas. À dogmática o que lhe interessa é Deus, o plano de Deus, a criação de Deus, os anjos, o diabo, os demônios, o homem, a queda, o pecado, a salvação, Cristo, o Espírito Santo, a Igreja, as últimas coisas; ou seja que estuda os grandes temas e as verdades reveladas e proclamadas. A isso é ao que na Bíblia, em sua versão original lhe chama dogmática. Quando lemos a Bíblia em espanhol, ali não encontramos a palavra dogma, mas no original grego sim está. Quando se reuniu o Concílio de Jerusalém, e chegaram a uma conclusão e a escreveram, depois que chegaram às Igrejas, diz aqui na tradução Reina Valera de 1960, que enviaram a carta com as ordenanças dos apóstolos. Mas no original grego, a palavra que aqui se traduz ordenança, como em outras partes que se traduz edito, decreto, acordo, ordem, é a palavra grega dogma apostólico, surgido do concílio apostólico da Igreja em Jerusalém; ou seja, o primeiro concílio. Dessa palavra bíblica, dogma, surge o que é a dogmática. A Teologia Dogmática é o estudo dos grandes temas; já não é o estudo dos grandes textos, pois disso se encarrega a exegese para que surja a Teologia Bíblica. Quando estes temas ficam em ordem em uma seqüência lógica e coerente, então se arma um sistema completo. A Igreja não somente tem que ter mensagens soltas de uma quantidade de coisas, como se nós estivéssemos tomando uma sopa, mas sim a Igreja tem que ordenar esses temas em uma grande cosmovisão que demonstre qual é o conselho de Deus. Por essa razão Paulo falava que não tinha fugido de anunciar à Igreja todo o conselho de Deus.

O conselho de Deus é a cosmovisão coerente, o que o salmista no Salmo 119:160 diz: "A soma de sua palavra é verdade"; e desse versículo é de onde surgiram os nomes dos grandes sistemas teológicos, e que por isso na Idade Média lhes chamava “a Soma Teológica”, que se deriva da palavra latina summa, que significa totalidade, como as que escreveram Tomás de Aquino e Alberto Magno.

A de Tomás de Aquino é uma obra monumental onde não está tratando um tema ou outro, mas sim se mete com os grandes temas e os ordena em um sistema. Por isso se diz que Tomás de Aquino foi um teólogo que no século XIII sistematizou todo o dogma católico de seu tempo. Ao unir esses grandes temas em um sistema, surge a Teologia Sistemática. Assim como da exegese surge a Teologia Bíblica, da dogmática, a qual se encarrega de realizar os estudos por temas, ao relacioná-los em sistema, surge a Teologia Sistemática.

A Teologia Sistemática é a apresentação ordenada e coerente do corpo da verdade ou da soma da Palavra. Dentro da Teologia Sistemática, e precisamente em honra de seu nome, existe uma seqüência de vários temas, e o último justamente tem que ver com Apocalipse, dentro do contexto da Escatologia. O primeiro que Deus revelou na Bíblia é a respeito de Si mesmo; portanto o primeiro grande tema da Teologia Sistemática é Deus mesmo. A teologia propriamente dita, o que se chama Teologia Própria, é a matéria que se ocupa do ser de Deus, dos atributos de Deus, dos nomes de Deus, de Sua eternidade, de Sua espiritualidade, de Sua personalidade, de Sua infinitude, de Seu amor, de Sua unidade em Trindade, etc. Somente é Deus o conteúdo desta grande matéria, ou seção, ou disciplina da Teologia Sistemática, que é a teologia propriamente dita, ou Teologia Própria.

Mas Deus não somente revelou algo a respeito de Si mesmo, mas sim revelou algo a respeito de Seus planos, porque uma coisa é o que O é em Si mesmo e para Si mesmo, e outra é o que planeja para com Sua criação. Antes de chegar à criação mesma havia uns planos, e Deus revelou nas Sagradas Escrituras o conteúdo de Seus planos: Qual é Seu beneplácito, qual é Sua vontade, qual é Seu propósito, qual é o plano, o programa para levar adiante esse propósito no futuro; a presciencia de Deus ou o conhecimento antecipado de todas as coisas que Deus tem para escolher segundo essa presciencia, e para predestinar a esses escolhidos, e para abençoar com Sua graça com um decreto antes da fundação do mundo, de maneira que Seus escolhidos, predestinados, alcancem o propósito; e ordenou as coisas, e tem o que a Bíblia chama um conselho determinado, uma mão providente que dirige todas as coisas a esse propósito. Todos esses capítulos formam parte de uma espécie de segunda grande matéria da Teologia Sistemática, que é a Divina Teleología; quer dizer, tratado sobre o telos, ou a vontade , o propósito; essa palavra, telos, não significa fim no sentido de terminação, mas sim de objetivo, meta, propósito. depois da teologia propriamente dita, vem a Divina Teleología.

Logo depois de Deus ter falado de Si mesmo e de Seus planos, também falou a respeito da criação. Deus se revelou ali. O que é a criação? Como se originou? Como está? O que lhe passou? Que sentido tem? Como há uma criação invisível? Como há uma providência de Deus que sustenta essa criação? Como há uma concorrência de Deus como causa primária, com as causas secundárias do que se produz na natureza? Ou seja que Deus revelou algo a respeito da criação, e isso constitui a matéria chamada Cosmologia Bíblica.

Mas depois de Deus revelar a respeito de Si mesmo, de Seus propósitos, de Sua criação, e começa a recortar um pouco mais sobre a criação, entra no mundo invisível, nas principais criaturas desse mundo, nos anjos, e então surge essa grande matéria que se chama a Angeología. Entre esses anjos houve um querubim, Lúcifer, que se rebelou, e surge a Satanología; mas como não se rebelou ele sozinho mas sim levou a terceira parte dos anjos, então surge a Demonologia, sendo essas duas matérias derivações da Angeología. De tudo isto falou Deus na Bíblia.
Mas vêm as criaturas do mundo visível, das quais a principal é o homem. Deus falou na Bíblia sobre o homem; da missão do homem conforme o propósito de Deus; do desenho do homem conforme à missão que Deus lhe encomendou; da constituição do homem, de seu espírito, de sua alma e de seu corpo; de como caiu o homem, e como afetou a queda o ser do homem, tanto no individual como no familiar e no cultural, e como foi restaurado. Todo esse tema e o que se relaciona com ele, é o conteúdo dessa grande matéria que se chama Antropologia Bíblica. Assim como existe uma antropologia secular, que trata de interpretar ao homem em sua origem e seu sentido do ponto de vista humano, existe uma antropologia revelada, a bíblica, que nos ensina o que Deus diz sobre o homem, de sua origem, de sua missão, de seu estado, de seus fins, etc.

Vemos que, igual a aquele querubim, o homem também caiu, e surge outro grande tema dos que Deus falou muito claro em Sua Palavra. Deus revelou com muita clareza na Bíblia sobre o pecado, sobre o mal, tudo o relativo ao por que Deus permitiu o pecado; que efeitos teve o pecado, como tem que ser tratado o pecado, etc.Tudo isto pertence a uma matéria da Teologia Sistemática chamada Hamartiología, porque a palavra pecado no grego se diz hamartía; é por isso que o tratado a respeito da hamartía ou o pecado, a doutrina do mal, é a Hamartiología.

Agora, como trata Deus com essa condição caída? Então vem a Cristología, que, como seu nome o indica, fala-nos de Cristo.

Quem era Cristo antes da fundação do mundo? Que parte teve Cristo não só com o Pai na eternidade, mas também no propósito de Deus, na criação de Deus, na redenção da parte de Deus, no julgamento e no Reino da parte de Deus? E nos fala também sobre tudo relativo à pessoa de Cristo antes da encarnação, seu kenosis , ou despojamento, Sua concepção no ventre da virgem Maria, Sua gestação e nascimento, Seu crescimento em estatura, em graça e sabedoria, as provas que teve, Sua morte, Sua ressurreição, Sua ascensão, Seu ministério celestial, Sua segunda vinda; tudo o referente a Cristo é o que trata a Cristologia. Do mesmo modo, tudo o referente ao Espírito Santo o registra a Pneumatología, do grego pneuma, vento, espírito.
A Cristología e a Pneumatología são as bases da Soteriología, que é a matéria que se ocupa da salvação, porque Cristo e o Espírito Santo vieram para sanar e salvar. Tudo o que a Bíblia fala da salvação, todo esse grande conteúdo de revelação bíblica, chama-se Soteriología, que vem da palavra grega sotería, que significa salvação. De modo que já temos a Cristo, ao Espírito Santo e a salvação, e surge a Igreja, que é tão importante para Deus, porque a Igreja é a esposa de Seu Filho, todos os salvos. O Senhor diz frases muito profundas com palavras muito singelas, e em uma parábola muito singela, somente ao início dessa parábola diz: "O reino dos céus é semelhante a um rei que fez festa de bodas a seu filho..." (Mateus 22:2). Em uma frase muito simples narra de um rei que fez festa de bodas a seu filho. Aleluia. Que profundidade nessa frase! O rei está revelando ao Soberano Deus que promove estas bodas, e está revelando o propósito eterno de Deus; fazer bodas a Seu Filho.

Está mostrando a centralidade de Cristo e está revelando o sentido da Igreja, que é a esposa desse Filho para essas bodas; uma frase tão singela e de uma vez tão profunda; então surge essa grande matéria a respeito da esposa desse Filho, o Corpo de Cristo, a Igreja, que é a Eclesiologia; porque a Igreja é o veículo de vanguarda que usa a Cabeça do universo que é Cristo, o qual não só é Cabeça da Igreja. O é Cabeça sobre todas as coisas, dado à Igreja, e é Cabeça de todo principado e potestade, e Cabeça de toda a criação. Deste modo é Cabeça de todo varão, soberano de todos os reis da terra. E como Cabeça, O tem um Corpo; a ele foi dado uma esposa, e tudo o que a Bíblia fala a respeito da Igreja, o lugar da Igreja no propósito eterno de Deus, a origem da Igreja, a natureza da Igreja, as profecias e a tipología a respeito da Igreja, a administração da Igreja, o governo da Igreja, o funcionamento da Igreja, o ministério dos membros do Corpo de Cristo, que é muito o que a Palavra de Deus fala sobre este tema, tudo isso o trata essa grande matéria que se chama Eclesiología.

A última das grandes matérias da Teologia Sistemática e que precisamente encontra seu sentido no Apocalipse, é a Escatologia; é a matéria que se ocupa das últimas coisas, da consumação, porque o Deus eterno que tinha um propósito e que providentemente se moveu detrás da história e tem feito uma grande obra de salvação através de Seu Filho e por Seu Espírito, tem-no feito com um sentido final e esse sentido final é para cada criatura e para todas as criaturas em uma só história. Então aquela matéria que se ocupa das últimas coisas em relação a cada criatura, sobre tudo as criaturas humanas, o relativo a seu próprio fim, sua morte, pós-tumba, o céu ou o inferno, e também o fim da história e as etapas para esse fim, as profecias a respeito de Deus, de Cristo, da Igreja, do Israel, das nações, da criação, da grande tribulação, do arrebatamento, do milênio, da Nova Jerusalém, tudo isso é o conteúdo de uma final matéria da Teologia Sistemática, que é a Escatologia, de maneira que a Escatologia vai se colocar ao fim do estudo sistemático da teologia; e o Apocalipse, que é o livro da Bíblia que coroa todo o texto sagrado e todo o programa de Deus, é também o livro que lhe subministra o material fundamental à Escatologia.

O Apocalipse é um livro muito importante; não é um livro solto, nem profecia solta, mas sim é nada menos que a coroação de toda a Palavra de Deus, tal como foi revelada nas Escrituras, e tal como foi entendida e revelada pela teologia. O Apocalipse é também a culminação e coroação da mesma teologia; ou seja que não é qualquer livro; é um livro precioso, profundo. O Apocalipse mesmo atribui sua autoria ao apóstolo João, corroborado pelos escritos da Igreja primitiva em sua corrente tradicional. O apóstolo João é o último dos doze apóstolos do Cordeiro que ficou. O Senhor Jesus havia dito a Pedro: "Em verdade, em verdade te digo que, quando eras mais moço, te cingias a ti mesmo, e andavas por onde querias; mas, quando fores velho, estenderás as mãos e outro te cingirá, e te levará para onde tu não queres." (João 21:18).

Aí lhe estava revelando o Senhor com que morte teria que morrer; e a história diz que Pedro foi levado cativo e crucificado e disse que não era digno de morrer como nosso Senhor, que o pusessem de barriga para baixo, e assim foi como morreu o apóstolo Pedro, de barriga para baixo ou com as pernas para cima. Existem livros apócrifos e existe um Apocalipse de Pedro que é considerado apócrifo, que trata de umas supostas experiências de pós-tumba e visões sobre o céu e do inferno. Quando o Senhor Jesus estava dizendo as anteriores palavras a Pedro, o apóstolo viu que detrás vinha João e perguntou ao Senhor: "Senhor, e deste, que será?", referindo-se a João. Dizem os versículos 22 e 23 que: "22 Jesus lhe disse: Se eu quiser que ele fique até que eu venha, que tens tu com isso? Segue-me tu. 23 Este dito se estendeu então entre os irmãos, que aquele discípulo não morreria. Mas Jesus não lhe disse que não morreria, senão que: Se quiser que ele fique até que eu venha, que tens tu com isso?".

A esse discípulo, João, o Senhor apareceu para lhe revelar todos os acontecimentos do livro da consumação das coisas.

De maneira que os escritos de João são os que completam toda a Bíblia; seu evangelho completa aos sinópticos, suas epístolas foram as últimas a serem escritas, e o Apocalipse fecha toda a revelação bíblica.

5 comentários:

  1. Muito interessante... muito legal irmãos.

    A paz.

    ResponderExcluir
  2. D I V I N A C O N V O C A Ç Ã O
    (MC.12.10) AINDA NAO LESTES ESTA ESCRITURA:(SL.108.7) DISSE DEUS NA SUA SANTIDADE: (ÊX.4.22) ISRAEL É MEU FILHO, MEU PRIMOGÊNITO; (IS.49.3) POR QUEM HEI DE SER GLORIFICADO: (IS.30.12) PELO QUE ASSIM DIZ O SANTO DE ISRAEL:
    Todo Cristão desperto deve ingressar no ciclo da Nova Ordem Mundial, que chega com a criação do Reino de Deus na terra:
    (MT.25.34) VINDE, BENDITOS DE MEU PAI! ENTRAI NA POSSE DO REINO QUE VOS ESTÁ PREPARADO DESDE A FUNDAÇÃO DO MUNDO: (JB.6.27) TRABALHAI, NÃO PELA COMIDA QUE PERECE, MAS PELA QUE SUBSISTE PARA A VIDA ETERNA, A QUAL O FILHO DO HOMEM VOS DARÁ; PORQUE DEUS, O PAI, O CONFIRMOU COM O SEU AMOR: (IS.42.21) FOI DO AGRADO DO SENHOR, POR AMOR DA SUA PRÓPRIA JUSTIÇA, ENGRANDECER A LEI E FAZE-LA GLORIOSA; (LC.12.32) PORQUE O VOSSO PAI SE AGRADOU EM DAR-VOS O SEU REINO; (1CO.15.45) POIS ASSIM ESTÁ ESCRITO: (JB.14.17) O ESPIRITO DA VERDADE, QUE O MUNDO NÃO PODE RECEBER, PORQUE NAO NO VÊ, NEM O CONHECE; VÓS O CONHECEIS, PORQUE ELE HABITA CONVOSVO E ESTARÁ EM VÓS; (PV.1.4) PARA DAR AOS SIMPLES PRUDÊNCIA, E AOS JOVENS CONHECIMENTO E BOM SISO; (1PE.4.17) PORQUE A OCASIÃO DE COMEÇAR O JUIZO PELA CASA DE DEUS É CHEGADA:
    (RM.13.11) E DIGO ISTO A Vós OUTROS QUE CONHECEIS O TEMPO, QUE JÁ É HORA DE VOS DESPERTARDES DO SONO; (2PE.3.4) PORQUE, DESDE QUE OS PAIS DORMIRAM, TODAS AS COUSAS PERMANECIAM COMO DESDE O PRINCIPIO DA CRIAÇÃO: (HB.5.11) A ESSE RESPEITO TEMOS MUITAS COUSAS QUE DIZER E DIFICIL DE EXPLICAR; PORQUANTO VÓS TENDES TORNADO TARDIOS EM OUVIR: (LC.16.9) E EU VOS RECOMENDO: Estudai e praticai os fundamentos cristãos, que temos divulgado através da internet, em particular no blog de Arnaldo Ribeiro ou Israel e no Site: arnaldoouisrael: (TB.5.21) FAZEI BOA JORNADA, E DEUS SEJA CONVOSCO NO VOSSO CAMINHO, E O SEU ANJO VÁ EM VOSSA COMPANHIA:

    ResponderExcluir
  3. D I V I N A C O N V O C A Ç Ã O
    (MC.12.10) AINDA NAO LESTES ESTA ESCRITURA:(SL.108.7) DISSE DEUS NA SUA SANTIDADE: (ÊX.4.22) ISRAEL É MEU FILHO, MEU PRIMOGÊNITO; (IS.49.3) POR QUEM HEI DE SER GLORIFICADO: (IS.30.12) PELO QUE ASSIM DIZ O SANTO DE ISRAEL:
    Todo Cristão desperto deve ingressar no ciclo da Nova Ordem Mundial, que chega com a criação do Reino de Deus na terra:
    (MT.25.34) VINDE, BENDITOS DE MEU PAI! ENTRAI NA POSSE DO REINO QUE VOS ESTÁ PREPARADO DESDE A FUNDAÇÃO DO MUNDO: (JB.6.27) TRABALHAI, NÃO PELA COMIDA QUE PERECE, MAS PELA QUE SUBSISTE PARA A VIDA ETERNA, A QUAL O FILHO DO HOMEM VOS DARÁ; PORQUE DEUS, O PAI, O CONFIRMOU COM O SEU AMOR: (IS.42.21) FOI DO AGRADO DO SENHOR, POR AMOR DA SUA PRÓPRIA JUSTIÇA, ENGRANDECER A LEI E FAZE-LA GLORIOSA; (LC.12.32) PORQUE O VOSSO PAI SE AGRADOU EM DAR-VOS O SEU REINO; (1CO.15.45) POIS ASSIM ESTÁ ESCRITO: (JB.14.17) O ESPIRITO DA VERDADE, QUE O MUNDO NÃO PODE RECEBER, PORQUE NAO NO VÊ, NEM O CONHECE; VÓS O CONHECEIS, PORQUE ELE HABITA CONVOSVO E ESTARÁ EM VÓS; (PV.1.4) PARA DAR AOS SIMPLES PRUDÊNCIA, E AOS JOVENS CONHECIMENTO E BOM SISO; (1PE.4.17) PORQUE A OCASIÃO DE COMEÇAR O JUIZO PELA CASA DE DEUS É CHEGADA:
    (RM.13.11) E DIGO ISTO A Vós OUTROS QUE CONHECEIS O TEMPO, QUE JÁ É HORA DE VOS DESPERTARDES DO SONO; (2PE.3.4) PORQUE, DESDE QUE OS PAIS DORMIRAM, TODAS AS COUSAS PERMANECIAM COMO DESDE O PRINCIPIO DA CRIAÇÃO: (HB.5.11) A ESSE RESPEITO TEMOS MUITAS COUSAS QUE DIZER E DIFICIL DE EXPLICAR; PORQUANTO VÓS TENDES TORNADO TARDIOS EM OUVIR: (LC.16.9) E EU VOS RECOMENDO: Estudai e praticai os fundamentos cristãos, que temos divulgado através da internet, em particular no blog de Arnaldo Ribeiro ou Israel e no Site: arnaldoouisrael: (TB.5.21) FAZEI BOA JORNADA, E DEUS SEJA CONVOSCO NO VOSSO CAMINHO, E O SEU ANJO VÁ EM VOSSA COMPANHIA:

    ResponderExcluir
  4. O SABER LER A SI:
    (ES.12.1)
    (AP.13.18) – AQUI ESTÁ A SABEDORIA: AQUELE QUE TEM ENTENDIMENTO CALCULE O NUMERO DA BESTA, POIS É NÚMERO DE HOMEM: ORA ESSE NÚMERO É SEISCENTOS E SESSENTA E SEIS: (AR.119.9)

    (ISRAEL é o nome do Homem que sabe LER A SI no Espírito Bíblico: Aqui o saber acaba com as cogitações infundadas que existiam acerca do número 666 do Apocalipse, pois o que está escondido nas 131 letras e 10 sinais que compõem o texto acima, é isto):

    ARNALDO RIBEIRO É ISRAEL: É O HOMEM QUE NASCEU NO CÉU, QUE AMA E SABE TESTAR AS ALMAS NO SEU NOME: E ELE ENTENDE QUE CRISTO TESTA DEUSES E DIABOS NESSE MESMO ESPÍRITO. (IL.131.7)



    O SÉTIMO DIA
    (DN.4.2) Pareceu-me bem fazer conhecidos os sinais e maravilhas que Deus, o Altíssimo, tem feito para comigo,; (EF.2.7) para mostrar nos séculos vindouros a suprema riqueza da sua graça em bondade para conosco em Cristo Jesus; (1CO.15.45) pois assim está escrito:

    (GN.2.3) – E ABENÇOOU DEUS O DIA SÉTIMO, E O SANTIFICOU; PORQUE NELE DESCANSOU DE TODA A OBRA QUE, COMO CRIADOR, FIZERA: (AR.85.6)

    E o que o Senhor quer dizer com as 85 letras e 6 sinais acima é isto:

    SOU O ESPÍRITO QUE DESCEU DO CÉU, CRIANDO A SUA FÉ; E FAÇO SANTO O QUE É BATIZADO COM NOME DE ARNALDO RIBEIRO: (IL.85.6)

    (Lc.12.50 – Tenho, porém, um batismo com o qual hei de ser batizado; e quanto me angustio até que o mesmo se realize; (IS.21.16) porque assim me disse o Senhor: (1RS.18.31) Israel será o teu nome, (LS..9.6) porque ainda que algum seja consumado entre os filhos dos homens, se estiver ausente dele a tua sabedoria, será reputado como nada.(LC.4.21) Hoje se cumpriu a escritura que acabais de ouvir: (LC.6.5) O Filho do Homem é Senhor do sábado:
    E agora José? Ou melhor, Chico?...

    ResponderExcluir
  5. O SABER LER A SI:
    (ES.12.1)
    (AP.13.18) – AQUI ESTÁ A SABEDORIA: AQUELE QUE TEM ENTENDIMENTO CALCULE O NUMERO DA BESTA, POIS É NÚMERO DE HOMEM: ORA ESSE NÚMERO É SEISCENTOS E SESSENTA E SEIS: (AR.119.9)

    (ISRAEL é o nome do Homem que sabe LER A SI no Espírito Bíblico: Aqui o saber acaba com as cogitações infundadas que existiam acerca do número 666 do Apocalipse, pois o que está escondido nas 131 letras e 10 sinais que compõem o texto acima, é isto):

    ARNALDO RIBEIRO É ISRAEL: É O HOMEM QUE NASCEU NO CÉU, QUE AMA E SABE TESTAR AS ALMAS NO SEU NOME: E ELE ENTENDE QUE CRISTO TESTA DEUSES E DIABOS NESSE MESMO ESPÍRITO. (IL.131.7)



    O SÉTIMO DIA
    (DN.4.2) Pareceu-me bem fazer conhecidos os sinais e maravilhas que Deus, o Altíssimo, tem feito para comigo,; (EF.2.7) para mostrar nos séculos vindouros a suprema riqueza da sua graça em bondade para conosco em Cristo Jesus; (1CO.15.45) pois assim está escrito:

    (GN.2.3) – E ABENÇOOU DEUS O DIA SÉTIMO, E O SANTIFICOU; PORQUE NELE DESCANSOU DE TODA A OBRA QUE, COMO CRIADOR, FIZERA: (AR.85.6)

    E o que o Senhor quer dizer com as 85 letras e 6 sinais acima é isto:

    SOU O ESPÍRITO QUE DESCEU DO CÉU, CRIANDO A SUA FÉ; E FAÇO SANTO O QUE É BATIZADO COM NOME DE ARNALDO RIBEIRO: (IL.85.6)

    (Lc.12.50 – Tenho, porém, um batismo com o qual hei de ser batizado; e quanto me angustio até que o mesmo se realize; (IS.21.16) porque assim me disse o Senhor: (1RS.18.31) Israel será o teu nome, (LS..9.6) porque ainda que algum seja consumado entre os filhos dos homens, se estiver ausente dele a tua sabedoria, será reputado como nada.(LC.4.21) Hoje se cumpriu a escritura que acabais de ouvir: (LC.6.5) O Filho do Homem é Senhor do sábado:
    E agora José? Ou melhor, Chico?...

    ResponderExcluir