segunda-feira, 31 de agosto de 2009

5. Cabeçalho do Apocalipse

Aproximação ao Apocalipse (5)

CABEÇALHO DO APOCALIPSE




“1A revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu, para manifestar a seus servos as coisas, que devem acontecer logo; e a declarou enviando-a por meio de seu anjo a seu servo João, 2 que deu testemunho da palavra de Deus, e do testemunho de Jesus Cristo, e de todas as coisas que tem visto. 3Ben-aventurado o que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas nela escritas; porque o tempo está perto”. Apocalipse 1:1-3.

O FILHO, HERDEIRO DE TUDO

Vamos à palavra do Senhor no livro do Apocalipse, para começar com sua ajuda, a considerar este livro; o qual, como aqui diz ao começo, para todos nós os que lemos, ouvimos e guardamos, se o fizermos, é uma bem-aventurança. Em nenhum outro livro se promete esta bem-aventurança, como em Apocalipse. Na isagoge ou introdução preliminar a este livro, vimos primeiro o relativo à alta crítica; segundo, o relativo à baixa crítica; e terceiro o relativo à hermenêutica ou interpretação. Agora então, começamos, com a ajuda de Deus, a ler em forma exegética o livro; e vamos começar no capítulo 1 de Apocalipse. Inicialmente vamos ver os três primeiros versos; vamos lê-los de seguido, mas logo voltaremos sobre nossos passos, com a ajuda do Senhor, para considerar o que lemos.

Apocalipse 1:1-3; leio segundo a tradução Reina-valera de 1960:
“1A revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu, para manifestar a seus servos as coisas que devem acontecer logo; e a declarou enviando-a por meio de seu anjo a seu servo João, 2que deu testemunho da palavra de Deus, e do testemunho de Jesus Cristo, e de todas as coisas que viu. 3Ben-aventurado o que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas nela escritas; porque o tempo está perto”.

vamos meditar juntos, irmãos, nestes primeiros versos; são tremendos. Este é o título do livro, mas no título se resume o conteúdo do livro; sempre os títulos procuram dar-se para resumir o conteúdo. Então sendo este o título do Apocalipse, aqui nos resume o conteúdo; e notem como começa o livro: Apocalipse de Jesus Cristo; assim o diz aqui no grego, revelação de Jesus Cristo, Apocalipse de Jesus Cristo; o livro se chama assim: Apocalipse de Jesus Cristo; o principal que se revela neste livro, o central é Jesus Cristo mesmo; por isso se chama revelação de Jesus Cristo. Não somente que Deus revelou a Jesus Cristo; claro que sim, isto também é um primeiro assunto. Deus deu esta revelação a seu Filho. Por isso diz: a revelação de Jesus Cristo que Deus lhe deu; Deus o Pai deu esta revelação a seu Filho e seu Filho a enviou por meio de seu anjo a seu servo João; o apóstolo João, um dos mais íntimos Dele; então aqui vemos uma delegação desta revelação, passando do Pai ao Filho, passando do Filho a seu anjo, passando de seu anjo ao apóstolo João e passando do apóstolo João a seus servos, para que seus servos a leiam, ouçam-na e a guardem; essa é a ordem de dispensa de Deus.

Mas o livro se chama revelação de Jesus Cristo; ou seja que o tema principal do próprio Pai é o Filho. Ao Pai lhe agradou que seu Filho tivesse toda plenitude e lhe deu a preeminência sobre todas as coisas e todas as demais coisas só têm seu devido lugar em relação com o Filho, em relação com Jesus Cristo; por isso todas as questões do futuro não se entenderiam se não fosse em relação com o Jesus Cristo.

Quando Jesus Cristo ressuscitou e apareceu aos apóstolos, como diz ali em Mateus, vocês o recordam ao final do evangelho, em Mateus 28:18; são interessantes as palavras que o Senhor Jesus pronuncia a seus apóstolos. Ele lhes diz o seguinte: “E Jesus (já ressuscitado) aproximou-se e lhes falou dizendo: Toda potestade me é dada no céu e na terra”; assim começa. O Pai deu ao Filho toda potestade nos céus e na terra; o Filho é o objeto do amor do Pai, o objeto do trabalho do Pai; o Pai tudo o faz para o Filho; tudo o fez para o Filho. Criou para o Filho; ao Filho o constituiu herdeiro de tudo; portanto é algo que o Pai dá ao Filho; o Pai revela ao Filho quanto o ama e o que lhe deu e em que posição suprema o colocou; por isso é uma revelação a respeito de Jesus Cristo, dada a Jesus Cristo e também, como diz Jesus Cristo: “Pai, aqueles que me deste, quero que onde eu estou, também eles estejam comigo, para que vejam minha glória que me deste; porque me amaste desde antes da fundação do mundo”.

Nós somos chamados a ver o amor que o Pai tem ao Filho, e somos um presente que o Pai dá ao Filho; toda a criação é um presente do Pai ao Filho; tudo o que Deus quer fazer é envolto de Seu Filho; tudo o que Deus quer revelar, tudo o que Deus quer mostrar é quem é Seu Filho. antes de que existisse criação o Pai se bastava em seu Filho. O Pai se entretém em seu Filho, como o Filho se entretém no Pai e isto no Espírito, que é comunhão entre o Pai e o Filho. Por isso este livro que termina toda a Bíblia, que culmina todo o programa de Deus, centra-se em Jesus Cristo; neste livro-se completa a revelação de Jesus Cristo; notem-se em que se não houvesse Apocalipse, toda a Bíblia estaria incompleta; teria havido um princípio, mas não se saberia com que fim. houve sucessos e acontecimentos, mas onde vai terminar tudo? Mas este livro é o que nos diz no que termina tudo; tudo termina na glória de Deus em Jesus Cristo e a glória de Jesus Cristo em Seu povo, em Sua igreja, porque a igreja é a co-herdeira com Cristo, a igreja é o corpo de Cristo; por isso o Apocalipse começa com a cabeça e o corpo. No capítulo 1 nos revela a cabeça e nos capítulos 2 e 3 nos revela o corpo que é o central. O central é Deus revelado em Cristo que mora pelo Espírito em seu corpo; o Filho com Sua igreja são os herdeiros de todas as coisas.

TODA POTESTADE EM CRISTO

Já depois nos revela a cena celestial a partir da ascensão; como aquele Jesus Cristo ressuscita e diz: “Toda potestade me é dada no céu e na terra”, e ele ascende e ali aparece o capítulo 4: o trono e Deus adorado pela criação; logo o capítulo 5, onde é adorado pela redenção e tomando em suas mãos o cilindro do livro e abrindo o livro para revelar de que maneira Deus vai cumprir Seu objetivo e vai levar adiante Seu propósito eterno e vai dar conclusão; sem Apocalipse não há conclusão, não há sentido na vida, não há sentido na história, não há sentido em nada, nem na religião; se não houvesse Apocalipse; e Apocalipse é a revelação final, mas essa revelação final tem um centro e esse centro é o Filho de Deus; esse centro é o Pai revelado no Filho, amando ao Filho, dando todas as coisas ao Filho e o Filho correspondendo ao Pai em amor, devolvendo ao Pai todas as coisas; essa é a culminação, como vocês podem vê-lo aqui em 1 Coríntios 15, onde nos fala da culminação. O que fala Apocalipse, fala-o 1 Coríntios 15 em forma resumida. Leiamos os versículos 27-28: diz: “27Porque todas as coisas as sujeitou debaixo de seus pés.” Quando começa a acontecer isto? na ascensão; recordem o que dizia o Salmo: “Disse o Senhor a meu Senhor (ou seja o Pai ao Filho): Sente-se a minha mão direita, até que ponha a todos seus inimigos por estrado de seus pés”; ou seja, o Pai quer honrar ao Filho e toda a rebelião do universo a vai submeter ao Filho; então o que diz ao Filho? Sente-se à minha mão direita; ou seja, a partir da ascensão começa um trabalho no mundo invisível, em relação com este mundo visível, e seu mundo visível onde se expressa o invisível; o dos céus e da terra. Jesus ressuscitou e disse: “Toda potestade me é dada nos céus e na terra”; e por isso em Apocalipse 4 o primeiro que se descreve é o trono; e em Apocalipse 5, o Filho chegando ao trono e recebendo do Pai a herança e logo abrindo o livro e mostrando o desenvolvimento de Seu programa, de que maneira Ele vai tomar o reino e vai submeter a Seus inimigos debaixo de Seus pés e vai entregar ao Pai o reino; daí o que diz em 1 Coríntios 15:27: “27Porque todas as coisas as sujeitou debaixo de seus pés (toda potestade me é dada nos céus e na terra, todas as coisas). E quando diz que todas as coisas foram sujeitas a ele, claramente se excetua aquele que sujeitou a ele todas as coisas (ou seja o Pai). 28Mas logo que todas as coisas lhe estejam sujeitas”, isso é o processo que se revela no trabalho de Deus. Filho, sente-se a minha mão direita, até que ponha a seus inimigos por estrado de seus pés; agora o Filho como um Cordeiro imolado que vamos ver no capítulo 5, aparece e recebe o livro.

Quem é digno de abrir o livro e desatar seus selos? Aparece o Cordeiro, o Único, e começa a abrir o livro; e o que vemos quando esse livro é aberto? Vemos como o Senhor submete todas as coisas sob os pés de Seu Filho. Sente-se à minha mão direita, até que ponha todas as coisas sob seus pés.

A REVELAÇÃO DE JESUS CRISTO

Então a abertura do livro dos sete selos é a maneira como o Pai sujeita ao Filho todas as coisas, assim como o Filho sujeita ao Pai todas as coisas; isto está aqui resumido nestes dois versículos. “28 Mas logo que todas as coisas lhe estejam sujeitas (a maneira está revelada ali no livro dos sete selos), então também o Filho mesmo se sujeitará ao que sujeitou a ele todas as coisas, para que Deus seja tudo em todos”.Esse é o final, essa é a síntese de Apocalipse; todo Apocalipse está resumido nestes dois versículos. Vêem? Notem, aí começa o trabalho da Cabeça pelo Espírito; logo à Igreja como Seu primeiro veículo, e logo o Senhor, depois de usar à Igreja no cavalo branco, segue o vermelho, o negro e o amarelo, e vai pondo cinco, seis e sete selos e trombeteiros e taças, até que sujeita ao Filho todas as coisas, e quando todas as coisas forem sujeitas ao Filho, o Filho as sujeita ao Pai e há uma culminação, e nessa culminação Deus é tudo em todos; e ao fim, o que não tinha explicação, o que não tinha conclusão, não tinha explicação, tem conclusão; tem conclusão final e tem explicação final. Por isso esse livro começa assim: “A revelação de Jesus Cristo”. Claro que aqui fala do anticristo, da besta, de chifres, de gafanhotos, de cavalos, de um montão de coisas, mas aqui não diz: a revelação dos cavalos, ou a revelação dos chifres, ou a revelação das bestas, dos gafanhotos, do anticristo; não, todas essas coisas somente explicam quem é Jesus Cristo; por que permitiu a criaturas rebelar-se e o que revela agora a vitória do Senhor contra as criaturas que com liberdade se rebelaram; é para mostrar a Jesus Cristo. O Pai conhece o filho, mas o Pai quer dar a conhecer o filho e quando o Pai dá a conhecer o filho, o prórpio mistério de Deus é revelado, porque o Pai se revela pelo Filho.

Quando o Pai mostra quem é o Filho, Deus é plenamente conhecido; enquanto isso o diabo segue dizendo muitas mentiras a respeito de Deus e há muitas pessoas que estão confundidas a respeito de Deus. Desde que a humanidade apareceu na terra, o que disse primeiro a serpente foi: Com que Deus lhes há dito que não comam de toda árvore do Jardim? Deus Sabe que o dia que comerem da árvore da ciência do bem e do mal serão abertos seus olhos e serão como Deus; ou seja, o que está fazendo a antiga serpente, Satanás? Está tergiversando a Deus, está como diz no capítulo 4 da segunda carta aos Coríntios, cegando o entendimento dos incrédulos em Deus, para que não lhes resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo. O Cristo de Deus que revela a Deus é glorioso; o trabalho de Satanás é obscurecer o entendimento a respeito de Deus; o maior mal-entendido é Deus; mas Deus disse ao Filho: Filho, sente-se à minha mão direita, até que ponha a todos seus inimigos por estrado de seus pés. Para que ressuscitou e ascendeu e glorificou Deus a Seu Filho Jesus Cristo? Para pôr a Seu Filho todas as coisas debaixo de Seus pés; e neste livro de Apocalipse se revela a conclusão desse trabalho; o processo e a conclusão deste plano eterno do Pai para com Seu Filho, sabendo que seria Seu Filho o que revelaria o mistério de Deus e aí nesse mistério do Pai com o Filho, porque é um assunto do seio de Deus, ali é onde encontram as criaturas seu lugar definitivo; as criaturas não têm lugar nem explicação, sem relação a Deus, sem relação à Trindade, sem relação à revelação do Pai com o Filho no Espírito Santo. Somente é na Trindade onde se explica o universo visível e invisível; por isso esta revelação não é a respeito de outras coisas, embora fala de tudo; é a respeito de Jesus Cristo e é dada primeiro ao Filho; o Pai abre seu coração ao Filho e lhe diz: Filho, isto é para ti; tudo o fiz para ti e embora haja passado pela morte, eu te sentei sobre todas as coisas; este é o livro onde está a revelação; o Pai a dá ao Filho; como diz aqui: “A revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu”. Agora o Filho envia seu anjo para dar à igreja. Então esta revelação é de Jesus Cristo; ou seja, recebeu-a o Filho do Pai, mas o motivo central é sobre o Filho mesmo, quem é o Filho para o Pai; e como o Pai quer que Seu Filho tenha toda plenitude e o constitui herdeiro de todas as coisas, e a esse herdeiro deu uma co-herdeira, como a Adão tirou uma costela e lhe fez uma companheira; aparece uma co-herdeira: a igreja, um corpo, como o central do mistério de Cristo: a cabeça e o corpo, Cristo e a Igreja, e é o primeiro que aparece nesta revelação de Jesus Cristo. No capítulo 1, a cabeça; nos capítulos 2 e 3, o corpo; já depois aparecem os anjos, aparecem as nações, aparece o julgamento e aparece o céu e o inferno; mas o primeiro que aparece é a cabeça e o corpo: Apocalipse 1 e Apocalipse 2-3. O 1 relativo à cabeça e o 2 e 3 relativo ao corpo, que é a Igreja.

REVELAÇÃO AOS SERVOS

Agora passemos ao segundo nível da dispensa da revelação.

Primeiro é do Pai ao Filho que acabamos de ver; a revelação de Jesus Cristo que Deus lhe deu; mas agora diz: “para manifestar a seus servos as coisas que devem acontecer logo”; ou seja, os últimos destinatários desta revelação, são seus servos; e Deus revela a seus servos o que deve acontecer logo. Os servos podem estar confundidos ao estar vendo tudo o que faz Satanás, as perseguições que aconteceram nessa época e que aconteceriam depois; de maneira que o Senhor sabe o que tem que fazer com seus servos; o Senhor não deixa a seus servos na escuridão; precisamente no momento de maior tensão, de maior prova, o Senhor se revela; essa é uma característica do Senhor; Ele se revela a Seus servos. Diz aqui: “A revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu, para manifestar a seus servos as coisas que devem acontecer logo”; em tempos de tribulação, em tempos de perseguição, em tempos de dificuldade, quando Seus servos estão por atirar a toalha, o Senhor somente abre a boca e explica a Seus servos o sentido de tudo o que está acontecendo e no que vai terminar tudo, e Seus servos aceitam a revelação, fortalecem-se e se animam. Para isso é este livro, para fortalecer, não é para nos assustar, não é para nos confundir; este é um livro para os servos, para que os servos saibam no que vai terminar tudo e como têm que acontecer onde terá que acontecer envergonhar ao inimigo; mas todas as coisas estão nas mãos do Filho de Deus; a Ele deu toda autoridade nos céus e na terra. Nos evangelhos vêem ao Cordeiro; no Apocalipse esse Cordeiro se volta Leão. Logo nas epístolas nos explica a obra de Cristo, mas é em Apocalipse onde vemos o trono no céu, onde vemos o reino, onde vemos a culminação. Amém?
Agora, vejamos esta característica de Deus: Deus revela para manifestar. Vamos a duas passagens da Bíblia para captar como é Deus neste respeito. Vamos primeiro a Gênese capítulo 18. Vocês sabem que Abraão é chamado o pai dos crentes; portanto é uma figura dos crentes em geral; por isso em Romanos nos diz que nós os crentes seguemios as pisadas da fé de nosso pai Abraão; ou seja, os que acreditam no Deus de Abraão, que chegou a ser também o Deus de Isaque e de Jacó, o Deus de Israel, o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo; os que acreditam no Deus de Abraão somos os crentes e somos representados em Abraão; então quando Deus atua com Abraão está mostrando como atua Deus com os crentes, porque as pisadas de Abraão são a antecipação das pegadas dos crentes; então no trato de Deus com Abraão nos revela o trato de Deus com os crentes.

Notem que no capítulo 19 aparece a destruição de Sodoma e Gomorra com fogo; é como dizer: um primeiro Apocalipse, porque como foi nos dias de Sodoma, assim será na vinda do Filho do Homem; mas fixem-se que imediatamente antes de Gêneses 19 onde está a destruição do mundo, de Sodoma e Gomorra por fogo, como exemplo da destruição apocalíptica do mundo, então aparece Gêneses 18 como exemplo da revelação. Olhem o que diz Gêneses 18:16: “16 E os varões se levantaram dali, e olharam para Sodoma; e Abraão ia com eles acompanhando-os”. Isto foi quando Jeová desceu com dois anjos em figura de homem para aproximar-se para saber como estava o pulso de Sodoma e Gomorra, que é exemplo do mundo para destruí-lo. Então, justo antes da destruição do mundo por fogo, Jeová disse (Ah!, olhem o que disse Jeová): “17 E Jeová disse: Encobrirei eu a Abraão o que vou fazer, 18 havendo de ser Abraão uma nação grande e forte, e tendo que ser benditas nele todas as nações da terra? 19 Porque eu sei que mandara a seus filhos e a sua casa depois de si, que guardem o caminho de Jeová, fazendo justiça e julgamento, para que faça vir Jeová sobre Abraão o que falou a respeito dele”.

O que é que falou Jeová a respeito de Abraão? Abraão, “em sua semente serão benditas todas as nações da terra”. Quando se cumpre definitiva e completamente essa promessa? Em Apocalipse; mas fixem-se que antes da destruição de Sodoma e Gomorra, cuja destruição é um exemplo para a destruição por fogo do mundo, como o ensina Jesus nos evangelhos, Deus antes de fazer isso o revela aos seus. “Encobrirei eu a Abraão o que vou fazer?” A Abraão não, ao mundo sim; o mundo não vai entender; e como quando revelou a Daniel as coisas diz: Olhe, Daniel, dos ímpios ninguém vai entender isto, mas os entendidos o vão entender; Abraão vai entender; encobrirei eu a Abraão isto? “A revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu, para manifestar a seus servos as coisas que devem acontecer logo”. Encobrirei eu a Abraão o que vou fazer?

Outro verso onde se vê este mesmo princípio está no profeta Amós, capítulo 3. vamos ler também para enriquecer este entendimento bíblico do caráter de Deus. Amós 3:7: “7Porque não fará nada Jeová o Senhor, sem que revele seu segredo a seus servos os profetas. 8Se o leão ruge...”; isso o vamos ver em Apocalipse quando aquele Anjo do Pacto rugiu como um leão e veio com o livro aberto; antes o livro estava fechado, mas quando ele ruge, ele abre o livro; essa é a revelação. Fará algo Jeová sem que primeiro revele seu segredo? “Porque não fará nada”, não fará nada; esse é o caráter de Deus; Ele não quer tomar por surpresa aos seus. Deus quer que os seus estejam preparados; por isso antes desse final apocalíptico há uma revelação do que deve acontecer; mas para quem é essa revelação? Para seus servos. “Não fará nada Jeová o Senhor, sem que revele seu segredo a seus servos os profetas. Se o leão rugir, quem não temerá? Se fala Jeová o Senhor, quem não profetizará?” Se Ele quer revelar, Ele fala, e se Ele fala há profecia; antes de que as coisas aconteçam, o Senhor sendo fiel a Seu povo, as revela. “A revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu, para manifestar a seus servos as coisas que devem acontecer logo”. “Encobrirei eu a Abraão o que vou fazer?” “Porque não fará nada Jeová o Senhor, sem que revele seu segredo a seus servos os profetas”.

DECLARAÇÃO POR MEIO DE SINAIS

Voltemos ali para Apocalipse 1; diz: “...e a declarou enviando-a por meio de seu anjo a seu servo João”; a declarou enviando-a por meio de seu anjo a seu servo João. Já na vez passada lhes disse que essa palavra: “declarou”, vem de uma palavra cujas raízes no grego é: semeion; de onde vem a palavra “semântica”, “semiótica” que quer dizer: significado dos signos; significado, sentido dos signos, dos sinais; ou seja que esta revelação de Jesus Cristo, que Deus deu a Jesus Cristo, Jesus Cristo a envia por seu anjo e o anjo a declara por meio de sinais. Esta palavra a “declarou”, quer dizer, deu a entender com sinais, com signos, com figuras, com tipologia; mas agora olhem o seguinte: A quem enviou Jesus Cristo? A seu anjo; olhem em Apocalipse 22, porque este anjo que aparece no princípio, aparece no final e também lá por dentro. No capítulo 22 diz o verso 16, que se relaciona com o princípio e o final deste livro: O princípio diz: “declarou-a”, a revelação de Jesus Cristo, que Deus deu a Jesus Cristo para manifestar a seus servos as coisas que devem acontecer; ou seja, o cumprimento do propósito eterno de Deus, segundo a providência e soberania de Deus; declarou-a Jesus Cristo, enviando-a por meio de seu anjo. Diz aqui no 22:16: “Eu Jesus enviei meu anjo para lhes dar testemunho destas coisas nas Iglesias”; ou seja que os servos do Senhor estão nas Iglesias; “para lhes dar testemunho destas coisas nas Igrejas. Eu sou a raiz e a linhagem de Davi, a estrela resplandecente da manhã”. antes de que saia o sol, vem a estrela resplandecente e anuncia a vinda do sol; então o Senhor antes de que destrua Sodoma e Gomorra revela algo, antes de que faça algo, revela seu segredo a Seus servos os profetas; por isso envia seu anjo para declarar a seus servos nas Igrejas o que deve acontecer logo; então Ele se revela: Eu sou; quando Ele está atuando dessa maneira, quando o Senhor está revelando algo antes de que aconteça, quando o Senhor não te quer tomar por surpresa, Ele está se revelando como a estrela da manhã. Nesse contexto de revelar a Seus servos as coisas, antes que aconteçam, diz: “Eu sou a raiz e a linhagem do Davi, a estrela resplandecente da manhã”; Ele se revela como a estrela resplandecente da manhã querendo dizer: Eu sou o que antes de que o dia amanheça lhes anuncio as coisas quando ainda está escuro. Este mundo está em escuridão, mas Seus servos, Sua Igreja, têm uma revelação da estrela resplandecente da manhã; essa revelação é esta do Apocalipse.

Que livro precioso é este livro! O mundo não sabe que está passando, nem aonde vai terminar tudo, mas Seus servos, as Igrejas, sabem porque Jesus enviou seu anjo.

Se lêssemos somente o 1, não saberíamos que este, seu anjo, refere-se ao anjo de Yahveh o Pai, ou ao anjo do Filho; mas aqui no 22:16, sabemos que este anjo é o do Filho, por isso diz: “Eu Jesus enviei meu anjo”; então segundo Apocalipse 22:16, sabemos que ao que Jesus chama meu anjo é o mesmo que Apocalipse 1:1, diz: “seu anjo”. Que diferença há entre o anjo do Jeová e o anjo de Jesus? Há uma grande diferença, mais alta que o céu da terra; mas João não entendia a diferença; João tinha sido um judeu e tinha aprendido quem era Jesus Cristo. João escreveu seu evangelho para mostrar a divindade de Cristo, e João sabia que o Anjo de Jeová, o Anjo da face de Deus, o Jeová enviado, é o Filho, e sabia que o Filho era o próprio Deus; por isso disse: “No princípio era o Verbo, e o Verbo era com Deus, e o Verbo era Deus”; e agora resulta que Jesus Cristo lhe envia também o anjo de Jesus Cristo e João se prostrou a adorar aos pés deste anjo pensando que ao melhor, como Jesus é o Anjo do Pai e é Deus, João como que se confundiu um poquinho. Fixem-se na confusão de João aqui no capítulo 22; diz o verso 8: “Eu João sou o que ouviu e viu estas coisas”; ou seja, a revelação de Jesus Cristo declarada pelo anjo de Jesus Cristo; e ele sabia que Jesus Cristo é o Anjo de Jeová e é o Verbo que estava com Deus e era Deus; então João um poquinho meio confundido diz: “E depois que as tive ouvido e visto, prostrei-me para adorar aos pés do anjo que me mostrava estas coisas”; ou seja, revelava a Jesus Cristo e tudo o que tem que culminar... “9 Mas ele me disse: Olhe, não o faça”. Jesus Cristo não disse isso; quando os apóstolos adoraram a Jesus Cristo, Ele disse: “quem não honra ao Filho não honra ao Pai”; porque no caso do Anjo de Jeová que é o Verbo, Ele sim é Deus; Ele sim recebe adoração; mas este anjo enviado por Jesus Cristo não é o Anjo do Jeová, a não ser o anjo de Jesus Cristo; não só do Verbo mas também feito homem encarnado; e portanto é uma criatura, não é Deus; mas João estava confundido; pensa: Será que a mesma relação do anjo de Jesus Cristo é a mesma do Anjo do pacto com o Pai? e diz: “... prostrei-me para adorar”; um judeu, a adorar aos pés do anjo. “9 Mas ele me disse: Olhe, não o faça; porque eu sou conservo teu, de seus irmãos os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus”. Até aqui o anjo de Jesus Cristo é uma criatura e é um conservo e não recebe adoração, mas sim remete toda a adoração a Deus. Em troca, em relação ao Filho, o Pai diz em Hebreus 1, quando introduz o Primogênito no mundo, manda a todos os anjos: lhe adorem todos os anjos de Deus; e Deus fez ao Filho semelhante ao Pai; pô-lo no trono do Pai para que todos honrem ao Filho como honram ao Pai. “Crêem em Deus? Crêem também em mim”. A relação do Pai e o Filho é diferente à relação do Filho e seu anjo. A relação do Pai e o Filho é de igualdade; em troca a relação do Filho e o anjo é de Senhor a servo; o servo é o anjo; então este anjo não é o Anjo do Pacto, não é o Anjo do Pai, a não ser o anjo do Filho. “16 Eu Jesus enviei meu anjo para lhes dar testemunho destas coisas nas Igrejas. Eu sou a raiz e a linhagem de David, a estrela resplandecente da manhã”.

PORTADORES DO TESTEMUNHO DE DEUS

Agora, notem o seguinte conceito fundamental que aparece desde o começo, e que nós, irmãos, como igreja devemos entender. Às vezes nós não entendemos isto e é como quando um advogado não sabe que é advogado, então não atua como advogado.

Se o engenheiro não souber que é engenheiro não atua como engenheiro, e se nós não sabemos que somos portadores do testemunho de Deus, do testemunho da palavra de Deus e do testemunho de Jesus Cristo, não atuamos como testemunhas. Este livro nos revela para que nós sejamos portadores do testemunho. Deus vai julgar ao mundo, mas quando Deus for julgar ao mundo ele vai ter umas testemunhas que falaram com mundo, que assinalaram ao mundo o caminho e admoestaram ao mundo e o mundo não os teve em conta; por isso a condenação do mundo será justa, como Noé. Enquanto Noé estava construindo a arca, ele estava dando testemunho do julgamento de Deus que viria sobre o mundo; a preparação de Noé e da arca era o testemunho contra o mundo; o mundo não valorizou, não tomou a sério o testemunho de Deus que dava Noé, e quando veio o julgamento de Deus, destruiu o mundo, mas se salvou Noé com sua família. Irmãos, desde o começo de Apocalipse e até o final do mesmo aparece este conceito importante de testemunho. Irmão, te lembre de que aí onde você está, não está para estar calado; está para ser testemunho. Olhem o que diz aqui: “1 A revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu, para manifestar a seus servos as coisas que devem acontecer logo; e a declarou enviando-a por meio de seu anjo a seu servo João”. João não ficou calado, nem pôs ponto. Agora qual é a parte do João? E qual é a nossa parte, nós que estamos com o João e dos que devemos fazer o mesmo que João? É que João não pôs ponto em João, não; João assumiu a parte dele. “A seu servo João 2 que deu testemunho da palavra de Deus, e do testemunho de Jesus Cristo, e de todas as coisas que viu”. Então, o que é isto que está escrevendo João? É parte de seu testemunho, testemunho da palavra de Deus, testemunho de Jesus Cristo e testemunho das coisas que há visto. Nós também com o João devemos ser partícipes no testemunho. Olhem o que diz João em Apocalipse 1:9: “Eu João, seu irmão, e co-participante seu (quer dizer, não só eu, eu participo com vós no seguinte:) na tribulação, no reino e na paciência de Jesus Cristo, estava na ilha chamada Patmos, por causa da palavra de Deus e o testemunho de Jesus Cristo”; ou seja que João que está dando testemunho da palavra de Deus e testemunho de Jesus Cristo, declara-se co-participante conosco os servos, as Igrejas.

“Eu João... co-participante convosco”; não é só João, somos também os servos que recebemos o testemunho, co-participantes com João, são as Igrejas co-participantes com João, nós a Igreja somos testemunho ao mundo. Nós somos como Noé que estamos construindo o arca.

por que estamos reunidos aqui? Estamos nos preparando para o julgamento que vem. dão-se conta? Somos como Noé construindo a arca antes do dilúvio; somos testemunho.

Não 1:2 aparece esse conceito; no 1:9 aparece outra vez esse conceito. dão-se conta? Agora, também podemos vir a Apocalipse 12:11,17; vamos ver que ao princípio, no meio e ao final do Apocalipse está claramente definido o conceito de testemunho; já o vimos no princípio em 1:2 e em 1:9; agora vamos na metade, aos 12. Diz no 12:11 falando dos vencedores do diabo: “11 E eles lhe venceram por meio do sangue do Cordeiro (ou seja que limpou seus pecados; e que mais?) e da palavra do testemunho deles”; ou seja que temos que dar testemunho. Se você estiver ali em um bairro, em um trabalho, em um escritório, em um meio ambiente x ou y, está ali como testemunha; por isso o Senhor fala com seu povo: Como vão ser como cães mudos? Os cães têm que ladrar; nós temos que dar testemunho, o mundo tem que saber o que lhes sobrevém em cima se não receberem a Jesus Cristo; somos testemunhas e eles, os vencedores, no contexto do capítulo 12, venceram ao dragão, por meio do sangue do Cordeiro que limpou os pecados; segundo, pela palavra do testemunho deles; e logo o que diz? “E menosprezaram suas vidas até a morte”; quer dizer, por dar testemunho não se preocuparam nem de que os matassem; foram valentes e não valorizaram sua vida; deram testemunho até às custas de sua vida.

Logo vemos o 12 verso 17: “Então o dragão se encheu de ira contra a mulher; e foi se fazer guerra contra o resto (essa palavra o resto, poderia-se traduzir melhor, remanescente) da descendência dela, os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus Cristo”. Irmãos, o mundo não sabe quem é Jesus Cristo, mas nós sabemos quem é Jesus Cristo; por isso temos que dar testemunho de Jesus Cristo; embora seja um folhetinho; mas temos que dar testemunho mais que com folhetinhos; mas embora seja com isso. A gente tem que saber que houve profeta em Israel, que no dia do julgamento não podem dizer: eu não sabia; não, é que não sabia; te levante, e aí te levanta: lembra-te? Ah! e se lembra; ah! e se lembra ah! Irmãos, haverá um julgamento final, mas Deus está tendo testemunhas para esse julgamento e essas testemunhas têm que ladrar; amém? não só atuar mas também falar. Então diz, agora sim: “Guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus Cristo”.

Agora vamos para o final da Bíblia; a Apocalipse 19:10; outra vez diz João: “Eu prostrei a seus pés para lhe adorar. (João estava tremendo, ele não entendia bem) E ele me disse: Olhe, não o faça; eu sou conservo teu, e (notem esta palavra, conservo) de seus irmãos que retêm o testemunho de Jesus”; ou seja, o que se supõe dos irmãos? Que retenhamos o testemunho de Jesus Cristo. Jesus disse: “26 Porque o que se envergonhar de mim e de minhas palavras, deste se envergonhará o Filho do Homem quando vier em sua glória, e na do Pai, e dos Santos anjos. 8 Os digo que todo aquele que me confessar diante dos homens, também o Filho do Homem lhe confessará diante dos anjos de Deus”. De maneira que devemos confessar a Jesus Cristo, reter o testemunho de Jesus Cristo. Amém, irmãos? Às vezes até de nossos parentes nos assustamos, quanto mais do diabo? meu Deus!

Vamos agora a Apocalipse 20 onde aparece o milênio e a descrição do reino. Diz o versículo 4: “E vi tronos, e se sentaram sobre eles (quem se sentaram sobre os tronos?) os que receberam faculdade de julgar; (quais receberam faculdade de julgar em tronos com Cristo no milênio?) e vi as almas dos decapitados por causa do testemunho do Jesus e pela palavra de Deus, os que não tinham adorado à besta nem a sua imagem, e que não receberam a marca em suas frentes nem em suas mãos; e vieram e reinaram com Cristo mil anos”.Estes são os que reinarão com Cristo; os que estiveram dispostos a pôr a cabeça por causa de seu testemunho de Cristo e da palavra de Deus; estes receberam faculdade de julgar, os que menosprezaram até suas vidas até a morte e mantiveram o testemunho. Claro, todo o Apocalipse, no princípio, no meio e ao final, tem esse conceito de testemunho. Nós somos testemunhas, estamos aqui como testemunhas; nosso bairro deve saber quem somos, nossa nação tem que saber, nossos parentes, onde trabalhamos têm que saber. Amém? Diz: “João, que deu testemunho da palavra de Deus e do testemunho de Jesus Cristo, (ou seja, de toda a Bíblia e de Cristo) e de todas as coisas que viu”.

Deus lhe abriu os olhos para ver o propósito de Deus, as etapas para cumpri-lo e a culminação dele, sua centralidade em Cristo com uma co-herdeira que é Sua igreja, junto com Ele. Amém, irmãos?

PROMESSA DE BEM-AVENTURANÇA

Vamos ao último verso por esta noite: “3Ben-aventurado o que lê”.

Nenhum livro diz isto; somente o Apocalipse, o livro que menos a gente quer ler; é o único que promete uma bem-aventurança especial. A Gênese não diz assim, nem o Êxodo, nem nada do Pentateuco, nem o Antigo Testamento, nem os evangelhos, nem o do João, nem as epístolas, nem a dos Romanos, nada; só Apocalipse diz isso: “Bem-aventurado o que lê”. O Senhor sabia que muita gente ia como a escapulir-se deste livro. Irmãos, aqui não estamos para ser torturados psicologicamente, não; estamos para ser bem-aventurados; aventuramo-nos bem. “3Bem-aventurado o que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas nela escritas; (guardam-nas, porque o diabo as vai querer arrancar, as vai querer trocar, as vai querer distorcer, terá que guardá-las e por que terá que guardar?) porque o tempo está perto”.

Este livro é necessário no último tempo. Vou destruir Sodoma e Gomorra. Acaso vou encobrir ao Abraão o que vou fazer? Se necessário; não fará nada Jeová, o Senhor, sem revelar seu segredo a seus servos os profetas. “Eu Jesus enviei meu anjo para dar testemunho destas coisas nas Igrejas”, das coisas que terão que vir.

Agora, aqui quando diz: “Bem-aventurado o que lê”, não se refere somente à leitura privada e silenciosa, não; esta é uma leitura pública em meio da igreja. “Bem-aventurado o que lê e os que ouvem”; ou seja, naquele tempo não era tão comum saber ler como agora; nem sequer na idade média. Eram poucas as pessoas que sabiam ler na antigüidade; então Deus quer que a Palavra de Deus no ambiente da igreja seja lida, comentada e considerada; isso é um estabelecimento de Deus em meio de Seu povo, a leitura de Sua Palavra, lhe dando o sentido. Deus quer que isso seja assim: “Bem-aventurado o que lê, e os que ouvem”. Irmãos, isso o instituiu Deus do Antigo Testamento. Por exemplo, vamos ali aos livros de Esdras e Neemias e vocês se vão dar conta nos tempos da restauração como isto foi assim.

Vamos a Neemias capítulo 8 onde fala de que Esdras lê. Esta figura deve ser resgatada na igreja; o Apocalipse não é para ler em segredo; é para ler na igreja; e a leitura da Palavra de Deus na igreja, notem de onde começou no povo de Deus: Neemias capítulo 8: “1 Vindo o sétimo mês, (olhem este número) os filhos de Israel estavam em suas cidades; (ou seja, no 1, no 2, no 3, no 4, no 5, no 6 e até no 7 estavam em suas cidades, mas já para o ponto final do 7, sétimo mês) e se juntou todo o povo como um só homem na praça que está diante da porta das Águas, (perto da porta das águas, figura de Cristo, Ele é a porta de onde emanam águas; o outro era uma figura) e disseram a Esdras o escriba (disseram a Esdras; ou seja, não foi que Esdras os obrigou, mas sim eles queriam ouvir) que trouxesse o livro da lei de Moisés, a qual Jeová tinha dado aoIsrael. 2 E o sacerdote Esdras trouxe a lei diante da congregação, assim de homens como de mulheres e de todos os que podiam entender, o primeiro dia do sétimo mês. 3 E leu no livro diante da praça que está diante da porta das Águas, da alvorada até o meio-dia, (será que você se agüentaria uma leitura dessas? Às vezes nós temos lido das 9 da manhã até as 11 da noite, verdade? Isto o fazia o povo, da alvorada até o meio-dia, na praça) em presença de homens e mulheres e de todos os que podiam entender; e os ouvidos de todo o povo estavam atentos (o Espírito Santo lhes deu uma tremenda atenção) ao livro da lei. 4 E o escriba Esdras estava sobre um púlpito de madeira que tinham feito para isso, e junto a ele estavam Matatías, Sema, Anías, Urías, Hilcías e Maasías a sua mão direita; e a sua mão esquerda, Pedaías, Misael, Malquías, Hasum, Hasbadana, Zacarías e Mesulam. 5Abriu, pois, Esdras o livro a olhos de todo o povo, porque estava mais alto que todo o povo; e quando o abriu, todo o povo esteve atento. 6Bendisse, então, Esdras a Jeová, Deus grande. E todo o povo respondeu: Amém! Amém! elevando suas mãos; e se humilharam e adoraram a Jeová inclinados a terra.”

Agora fixem-se: “7 E os levitas “; ou seja, estes sete da direita e à esquerda eram os que ajudavam a Esdras na leitura, porque eram como seis horas lendo; mas além disso havia levita, porque a lei estava escrita em hebraico arcaico, antigo, mas na época de Esdras se falava em aramaico; então terei que fazer uma tradução do hebraico arcaico ao aramaico atual. Essa tradução se chamou: Targum. Os targumim foram as traduções ou dar o sentido do que essas palavras arcaicas em hebraico queriam dizer agora em aramaico; isso se chama um Targum; essa é a origem dos targumins.

“7 E os levitas Jesúa, Bani, Serebías, Jamín, Acub, Sabetai, Hodías, Maasías, Kelita, Azarías, Jozabed, Hanán e Pelaía, faziam entender ao povo a lei; (não era ler umas palavras estranhas no latim antigo, como quando a gente ia à missa em latim, sem entender nada, não; aqui se falava em hebraico arcaico mas se fazia entender ao povo a lei) o povo estava atento em seu lugar. 8 E liam no livro da lei de Deus claramente, e punham o sentido, de modo que entendessem a leitura”. Irmãos, isto aconteceu em um momento claro de restauração; terá que dar lugar à leitura com sentido da palavra de Deus. Essas era a trombeta, a leitura da palavra.

O SOM DA TROMBETA

Agora vamos a Atos capítulos 15 e 16. Em Atos 15 está o Sínodo de Jerusalém, o sínodo apostólico e presbiteriano; ou seja, os apóstolos e os anciões reunidos em Jerusalém, chegaram a uma conclusão, escreveram essa conclusão em um documento, em uma carta, e escolheram a pessoas dentre eles: a Silvano e a Judas Barsabás que fossem levar essa carta, a leram e a explicaram. Isso deve acontecer na igreja, que a igreja deve conhecer o som da trombeta com clareza de Deus, a palavra de Deus. Diz: “Se a trombeta der som incerto, quem se preparará para a batalha?” Terei que fazer soar a trombeta e entender a Deus, entender o sentido. Então diz o 15:30: “30 Assim, pois, os que foram enviados (deste Sínodo em Jerusalém) desceram a Antioquia, e reunindo à congregação, (que no original é à igreja) entregaram a carta; (a quem? à igreja) 31 havendo lido a qual, (a conclusão apostólica na igreja) regozijaram-se pela consolação. 32 E Judas e Silas, como eles também eram profetas, consolaram e confirmaram aos irmãos com abundância de palavras. (ou seja, não só se leu, mas também se explicou, lhe deu o sentido, como faziam Esdras e os levita) 33 E passando algum tempo ali, foram despedidos em paz pelos irmãos, para voltar para aqueles que os tinham enviado”. Logo diz o capítulo 16: “1 Depois (Paulo) chegou a Derbe e a Listra” e tal; logo diz o verso 4: “4 E ao passar pelas cidades, (já não só em Antioquia) entregavam-lhes os regulamentos (esta palavra no grego é, os dogmas; aqui aparece a palavra “dogmas”; as conclusões do sínodo apostólico se chamam na Bíblia dogmas; e aqui se traduz “regulamentos”, mas a palavra original em grego é “dogma”; entregavam os dogmas) que tinham acordado os apóstolos e os anciões que estavam em Jerusalém, para que as guardassem. (ou seja, estavam escritas) 5 Assim que as Igrejas eram confirmadas na fé, (ou seja, por meio da leitura da palavra) e aumentavam em número cada dia”.

Agora vamos a Colossenses capítulo 4, ali diz o verso 16: “Quando esta carta (ou seja, a carta aos Colossenses) tiver sido lida entre vós, (a carta tinha que ser lida na igreja) façam também que se leia na igreja dos laodicenses, e que a de Laodicéia a leiam também vós”. Embora uma carta tinha sido enviada a uma igreja, o Espírito estava falando com todas as Igrejas. Quando disse: João, envia a Éfeso; ao final diz: “quem tem ouvido, ouça o que o Espírito diz a (todas) as Igrejas”. As cartas devem ser lidas; ou seja, deve restabelecê-la figura da leitura da Palavra na igreja com sentido. Amém?

Passemos ao último testemunho do mesmo em 1 Tessalonicenses 5:27. Olhem, que segundo estas palavras, não é algo meramente opcional; se fosse algo meramente opcional não se falaria com estas palavras. Diz: “27 Os conjuro pelo Senhor, que esta carta se leia a todos os Santos irmãos”. Que esta carta se leia a todos os Santos irmãos.

Então, irmãos, dão-se conta, a palavra de Deus, as cartas e o Apocalipse, ou seja, o Antigo e o Novo Testamentos se têm que ler na igreja, ler e dar o sentido, e o povo tem que ouvir; não todo o povo sabe ler; agora se lê mais que antes; terá que ler, há irmãos que às vezes lêem travados, não lêem bem. Os irmãos que sabem ler bem, que podem dar o sentido, a entonação clara, devem fazer o de tanto em tanto na igreja; devem existir além de reuniões de outras coisas, reuniões de leitura.

Agora, se havia conjura para a igreja de ler a carta, ler aos irmãos na igreja, e entretanto ainda não havia promessa de bem-aventurança, quanto mais Apocalipse deve ser lido; por isso terminamos nesta noite lendo essa frase, já com esse contexto, com esse transfundo: “Bem-aventurado o que lê”; não é o que lê em privado, é o que lhe lê à igreja. “Bem-aventurado o que lê, e os que ouvem”, embora não saiba ler, que lhe leiam, irmão. Se você não sabe ler, peça que lhe leiam, e se sabe ler, leia aos que não sabem ler; se for cego, ou é analfabeto, ou lê mau, lhe leiam. Amém?

“Bem-aventurado o que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas nela escritas; porque o tempo está perto.” Já na vez passada dissemos o que era este livro: uma profecia; deve interpretar-se também em sentido profético. vamos parar por hoje, vamos orar e a dar graças ao Senhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário