terça-feira, 8 de setembro de 2009

15. Mensagem à Igreja em Esmirna

Aproximação ao Apocalipse (15)
MENSAGEM À IGREJA EM ESMIRNA


“E escreve ao anjo da igreja em Esmirna: O primeiro e o último, o que esteve morto e tornou a viver, diz isto”. Apocalipse 2:8.
CONHEÇO TUA TRIBULAÇÃO, MAS TU ÉS RICO
Vamos, irmãos, ao livro do Apocalipse 2: 8 a 11. É a porção correspondente à mensagem do Senhor Jesus pelo apóstolo João, dirigido ao anjo da igreja em Esmirna. O Senhor nos concede esta nova oportunidade de voltar a refrescar nossos corações com esta palavra; voltar a considerar. Confiamos que o Espírito possa aumentar nossa luz a respeito desta palavra que lemos; às vezes pensamos que vimos tudo e de repente o Senhor nos alumia mais; assim que tenhamos alguém coração aberto ao Senhor; que o Senhor realmente nos fale. Irmãos, se o Senhor não nos falar, não nos tocar quando lemos Sua Palavra, somos daqueles que não têm ouvido para ouvir. Ter ouvido para ouvir é ser tocado quando a Palavra do Senhor nos chega. É triste quando a palavra do Senhor passa longe e não nos toca; somente quando a palavra do Senhor nos toca é que ela tem efeito positivo, efeito espiritual, efeito transformador. A Palavra ouvida sem nos tocar não nos transforma, mas o espírito da Palavra nos transforma. Para que a Palavra do Senhor nos toque, devemos tomá-la como do Senhor, nos abrir a ela e pedir ao Senhor que nos toque hoje, agora, com Sua Palavra; aí o Senhor nos tocará. Vocês se deram conta de que às vezes, na televisão, fazem propagandas onde o boneco toca a tela para que as pessoas se apercebam e não siga sem perceber; porque as vezes alguém segue como inerte e quando tocam o sino, alguém diz: bom, aí vem é alguma propaganda; prestem atenção à propaganda que vou mostrar; e assim também nós lemos a Palavra da mesma forma como quando vemos televisão; temos que ter nossa tela tocada para que não sigamos de longo, mas para que sejamos tocados. Estes dois capítulos, o 2 e o 3 de Apocalipse, são a Palavra do mesmo Senhor à igreja. O Senhor em dois capítulos diz à igreja o que tem que dizer, o que é suficiente para que a igreja avance, para que a igreja caminhe. Aqui nesta passagem, o Senhor diz algo para a igreja que sofre. A igreja às vezes não sofre, às vezes está rica, não tem necessidade de nada, como é o caso de Laodicéia, e não sabe que é pobre. De outra forma, aqui se passa ao contrário; ela vive pobreza, ela vive tribulação, ela vive blasfêmia de outros, ela vive ataques do diabo, e no entanto o Senhor diz que ela é rica. Então, irmãos, vamos ler direto a Apocalipse 2:8 a 11, e depois voltaremos sobre nossos passos para mastigar, para digerir o que lemos. Diz o Senhor Jesus: “8E escreve ao anjo da igreja em Esmirna: O primeiro e o último, o que esteve morto e viveu, diz isto”. O verso 9 eu vou ler conforme aos manuscritos mais antigos, então vou saltar a parte que diz: “tuas obras”, que só aparece em manuscritos tardios; certos escribas quiseram uniformizar todas as saudações, então as uniformizaram; mas os manuscritos mais antigos dizem assim: “9Eu conheço tua tribulação, e tua pobreza (mas tu és rico)”; e isso quem o diz é o Senhor Jesus, que consolador é! Irmãos em tribulação e irmãos em pobreza e o que o Senhor lhes diz: “tu és rico”, como quem diz, não sabes o que tens e o que tenho preparado para ti; “teu és rico” e já, considera-o já; não, serás, “(és rico), e a blasfêmia...”. “9 Eu conheço tua tribulação, e tua pobreza e a blasfêmia dos que se dizem ser judeus, e não o são, senão sinagoga de Satanás.” Esta expressão forte é da boca do Senhor Jesus; quem fala aqui é o Senhor Jesus. “10 Não temas em nada (no grego diz: “nada temas”) o que vais padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vocês no cárcere, para que sejais provados, e tereis tribulação por dez dias. Se fiel até a morte, e eu te darei a coroa da vida. 11O que tem ouvido ouça o que o Espírito diz às igrejas. O que vencer, não sofrerá dano da segunda morte”. É até aqui a mensagem direta do Senhor Jesus à igreja em Esmirna.
LOCALIZAÇÃO E APANHADO HISTÓRICO DE ESMIRNA
Esmirna era uma cidade que ficava quase a 100 quilômetros, ou alguém pouco menos, ao norte de Éfeso; também era próxima à costa da península Anatólia, o que é hoje Turquia sobre o mar Egeu; 58, 60, 70 quilômetros para o norte, estava Esmirna, entre Éfeso e Pérgamo. Pérgamo ficava mais ou menos à mesma distância de Esmirna do que Éfeso, mas para o norte; Éfeso para o sul; Esmirna também era alguém porto; ou seja, estava também cerca de alguém vale onde outro rio desembocava da mesma maneira como Éfeso, a cidade para o sul; uma cidade bastante antiga e misteriosa, porque várias vezes se levantou das cinzas, muitas vezes foi arrasada e, no entanto, não ficou arrasada como ficou Éfeso, como ficou Laodicéia. Inclusive Alexandre Magno, quando morreu, seu reino foi dividido em quatro, quatro generais; a alguém deles, a Lisímaco correspondeu essa porção do império de Alexandre Magno, o que hoje é Turquia; de maneira que Lisímaco levantou das cinzas outra vez à cidade de Esmirna que tinha sido destruída. É curioso que quando olhamos estas cidades das sete igrejas do Ásia Menor: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia, somente aquelas duas cidades onde estava a igreja à qual o Senhor não reprovou nada, somente essas duas cidades sobrevivem até o dia de hoje; nenhuma das outras cidades existe hoje, nem Éfeso, nem Pérgamo, nem Tiatira, nem Sardes, nem Laodicéia. Laodicéia foi varrida totalmente por alguém grande terremoto e nunca mais voltou a ser levantada; a todas aquelas igrejas às quais o Senhor as repreendeu, como não se arrependeram, não só desapareceram, senão que as cidades desapareceram; essas cidades não existem hoje. Mas Esmirna é uma das principais cidades que existe hoje em Turquia; chama-se Izmir; Izmir é o nome dessa grande cidade cerca de Istambul, além pouco mais para o sul, e existe hoje como uma grande cidade; o Senhor conservou essa cidade. Várias vezes foi perseguida; essa cidade também foi presenteada por Atalo, que foi alguém dos reis que reinou em Pérgamo e que doou uma porção de terra da península Anatólia, o que hoje é Turquia, e que era a Ásia Menor; a doou a Roma; de maneira que Esmirna passou a ser de Roma; e então, como Esmirna ficava na terminação de alguém caminho que vinha desde o Oriente, que chegava até aí para depois passar para Europa, então, quando se vinha da Europa, a primeira cidade grande em importância à que se chegava, e desde onde saía influência ao resto da Ásia Menor, era Esmirna.
PERSEGUIÇÃO EM ESMIRNA
Este rei, pois, outorgou o governo desta região e especialmente como cidade mais importante a Esmirna; depois este lugar foi transferido a Pérgamo, mas num determinado tempo foi Esmirna; sucedeu uma coisa: o Estado romano pedia que a lealdade deles fosse demonstrada adorando ao imperador; de maneira que por ser Esmirna algum lugar importante, justamente, em Esmirna, não nas outras cidades, mas sim em Esmirna, estabeleceu-se o templo ao imperador e se estabeleceu a adoração do imperador. Imaginem que coisa tremendamente difícil tocou à igreja na cidade de Esmirna, porque lá, se tu não adoravas ao César, se não sacrificavas adiante do César, dizendo: ¡Ave César! César é o kirios, é o Senhor, então eras considerado traidor do Estado, traidor da pátria; então ali em Esmirna começou uma perseguição terrível porque, ainda que os irmãos davam ao César o que era do César, o César estava pedindo mais do que lhe correspondia, estava pedindo o que correspondia a Deus, estava pedindo a primeira lealdade e adoração.Os cristãos sempre são leais à autoridade, e a reconhecem como posta por Deus, mas não podem ir além do que Deus diz, não podem adorar ídolos e muito menos a homens que apodrecem e se tornam vermes, como se fossem Deus. Então, os cristãos não adoraram ao César, e justamente lá em Esmirna se desatou uma perseguição onde muitíssimos irmãos morreram; os cristãos eram considerados como se fossem ateus, porque não acreditavam nos deuses do politeísmo romano. Policarpo era líder da igreja em Esmirna, no tempo quando o apóstolo João escreveu esta carta de parte do Senhor Jesus. João estava na ilha de Patmos e o Senhor lhe disse que escrevesse essa carta e a enviasse às sete igrejas; de maneira que quando João em vida enviou a carta a Esmirna, quem estava à frente da igreja em Esmirna, era algum discípulo de João, era Policarpo; Policarpo recebeu essa carta de maneira direta; e aos pés de Policarpo estava Irineu, que é também algum personagem importante da igreja em Esmirna. Depois que morreu Policarpo que foi martirizado, então teve outro homem de Deus chamado Pionio de Esmirna, que esteve assumindo a direção por parte do Senhor da igreja em Esmirna e também foi terrivelmente martirizado; em Esmirna muitos cristãos morreram. Os irmãos de Esmirna escreveram um documento que, se tivermos tempo, vou ler sobre o martírio de Policarpo, mas ao final quando terminemos, pelo menos 10 minutos ou 15, se tivermos tempo.
A DEIDADE EM SERVIÇO PARA A MORTE
Não devemos interpretar a mensagem a Esmirna somente no sentido histórico. Esta mensagem foi primeiramente, historicamente, de João a Esmirna, em mãos de Policarpo; no primeiro sentido gramático-histórico, esta carta foi dirigida à Esmirna da Ásia Menor; e nesse primeiro sentido histórico, os dez dias da perseguição foram 10 dias de vinte e quatro horas que se cumpriram na história da igreja em Esmirna, a Esmirna local; mas também devemos entender que este livro não é somente uma carta a uma igreja histórica, senão que é uma profecia; ou seja, que essa igreja histórica, as condições em que ela vivia, serviam de profecia, de modelo, projetava uma profecia para aquele período dos mártires na história da igreja. A palavra Esmirna etimologicamente quer dizer: “amargura”, o mesmo que a palavra “Mara”. Quando estivemos vendo as jornadas, vimos à palavra “Mara”. A palavra Mara é em grego, mas inclusive tem raízes parecidas. Mara também se traduz para: “Morra”, se traduz também para “Mirra”. Vocês recordam da mirra; eram umas plantinhas das quais se tirava uma essência, para fazer um perfume com o qual se embalsamava aos mortos, era um perfume que se usava para que o cheiro da morte fosse vencido pelo perfume; ou seja, a mirra é o perfume que vence a morte; essa é a mirra. Ao Senhor Jesus, quando era menino, os magos de Anatólia (porque no grego, o que se traduz Oriente, diz Anatólia), trouxeram-lhe três coisas: ouro, incenso e mirra; como dizendo: o ouro representando a divindade; o incenso representando o sacerdócio, o serviço, e a mirra representando a morte; como dizendo que eles reconheciam ao rei dos judeus como a deidade em serviço para morte. Essa foi a vinda do Senhor Jesus: Emanuel, Deus conosco. O Senhor se fez homem para salvar-nos morrendo; a deidade em serviço para morte. Ouro, incenso e mirra. Em Cantares vocês vêem que a esposa diz que seu amado é para ela como algum molho de mirra que repousa entre seus seios; ou seja, que Cristo é mirra no coração da amada. Aquela que é a igreja, que ama ao Senhor, tem o Senhor em seu coração como uma cruz vivente. Quando alguém vive no Espírito, negando-se a si mesmo, esse alguém vive com esse molhinho de mirra entre os peitos. Se alguém anda na carne, no eu, sem negar-se a si mesmo, esse alguém não é como uma esposa amada; o Senhor anda por Seu lado e esse alguém anda por outro; mas a amada não anda longe do Senhor, senão que segue ao Senhor na cruz, segue ao Senhor na negação de si mesmo. Constantemente o Senhor permite que à nossa vida cheguem assuntos, às vezes pequenos, as vezes grandes, as vezes médios, as vezes inesperados, as vezes bem esperados, dificilmente esperados; as vezes sem que nos demos conta pela direita, as vezes pela esquerda, as vezes por detrás, as vezes de frente; todos esses casos são permissão do Senhor para conduzir-nos à cruz; Ele quer dar-nos uma nova oportunidade de negar-nos a nós mesmos; não devemos considerar as moléstias como moléstias, senão como oportunidades que o Senhor nos está dando nesse dia para negar-nos a nós mesmos; isto é, para carregar a nosso amado como alguém molhinho de mirra entre nossos peitos. Diz a palavra do Senhor em Cantares: “Meu amado é para mim como alguém molhinho de mirra, que repousa entre meus peitos” (Ct. 1:13); ou seja, a morte a si mesmo, a morte sacrificial, mas não a morte, senão o cheiro do perfume, a fragrância que vence a morte. A mirra é a fragrância que vence a morte; aí está a morte, mas a mirra vence a morte; ou seja, a vida de ressurreição no Espírito é a fragrância da mirra que vence a morte. Então, a igreja em Esmirna, é a igreja na fragrância que vence a morte. A palavra Esmirna vem também de Mirna, também de mirra, morra, Mara, também a palavra Marta e Mirta; todas essas palavras estão relacionadas: Marta, morra, Mirta, mirra, Mara, mirna e Esmirna; todas essas palavras estão relacionadas e significam isso: a amargura, o sofrimento, mas não alguém sofrimento sem sentido, senão o sofrimento que desprende a fragrância que vence a morte. Esmirna é mirra, é o perfume que vence a morte; é por isso que os mortos eram embalsamados com mirra; foi por isso que quando as mulheres foram embalsamar ao Senhor Jesus, entre as espécies que levavam, levavam mirra; claro que o Senhor se lhes adiantou e não o puderam ungir; só Maria Madalena, quando Ele estava ainda vivo, pôde O ungir; Jesus disse: antecipou-se a ungir meu corpo para a sepultura.
O PERÍODO DOS MÁRTIRES
Então, Esmirna, além de ser essa igreja histórica, representa, na história da Igreja, o período específico dos mártires; vocês sabem que a história cristã teve o período apostólico, que está representado e continuado por Éfeso; então depois vieram aquelas perseguições que teve no século I, no século II e no século III e até começos do século IV; todo esse período foi de grandes perseguições; teve muitas perseguições pequenas, mas comandadas, como dizê-lo assim, desde o Estado romano, desde o César, em dez grandes perseguições; a pior foi a última, a de Diocleciano que durou dez anos; ou seja que o que ali (em Esmirna) foi dez dias, no período histórico foram dez anos e dez perseguições; ou seja que o Senhor está falando em forma profética quando líamos ali dos dez dias. Então, depois desse período apostólico, vem o período dos mártires, a era dos mártires, depois seguida pelos outros períodos da igreja, de Constantino, depois o edital de tolerância; teve a mistura do cristianismo com o paganismo, com o Estado; depois vem o absolutismo medieval, depois a época da Reforma, a época dos irmãos e das missões e a época contemporânea; esses períodos da história cristã, da Igreja cristã, estão profetizados pelo Senhor Jesus, e cada período se corresponde com a situação que vivia cada uma destas igrejas, a qual projetava profecia de parte do Senhor. Tinha muitas outras igrejas. Perto de Laodicéia estava Colossos; aí perto estava também Hierápolis, estava Filomélia, estava Magnésia, estava Nicéia, estava Calcedônia; todas essas eram igrejas que tinha, mas o Senhor escolheu sete, e cada uma dessas sete vivia uma situação por meio da qual o Senhor estava profetizando e estava falando, não só a essa igreja, senão pelo Espírito a todas as igrejas e profetizando o que viria. A segunda igreja mencionada foi Esmirna e o segundo período da história da igreja foi a era dos mártires; e há uma perfeita concordância entre a era dos mártires e a mensagem a Esmirna.Voltemos a ler um pouquinho a mensagem a Esmirna. O Senhor sabe como se apresenta a cada igreja, já o dissemos; o Senhor se apresenta a cada igreja segundo o que a igreja precisa. Se tu precisas ser pastoreado, Ele se apresenta como o Pastor; se estás perdido e precisas ser salvo, ele se apresenta como o Salvador; mas as vezes se apresenta como o Senhor; as vezes como o Mestre, segundo o que se precise. Aqui a igreja está passando por uma situação terrível e vai passar mais ainda; então o Senhor se apresenta como o primeiro e o último, o que esteve morto e viveu; isso é o que precisa a igreja que está em perseguição, reconhecer do Senhor Jesus. A igreja deve vê-lo como o Primeiro; Ele é a fonte de todas as coisas, nada existe sem Sua vontade, nem sequer uma folha de uma árvore se move sem que Deus o queira, e o Primeiro, aquele por quem Deus criou todas as coisas, aquele que tem que dar inclusive permissão ao diabo, porque o diabo não atuaria sem permissão; o diabo queria provar a Pedro e o Senhor lhe disse: Simão, Simão, Satanás te pediu para ser joeirado; não podia joeirá-lo sem permissão; então o Senhor, numa situação tão terrível, quando parece que tudo está na nossa contramão, porque não só tinha tortura, tinha também despojo, tinha também fome, tinha divisão das famílias, destruição; a perseguição é algo terrível: fogo, espada, despojo e cativeiro; é terrível a perseguição; então o Senhor se apresenta à igreja como o Primeiro, o Senhor fala à igreja como o que tem o controle de todas as coisas; e não só como o Primeiro, porque na história humana há alguns que subiram, mas foram abaixados; o Senhor não só é o Primeiro, Ele também é o Último; Ele é o Último, Ele é o que tem a última palavra; a Ele não se escapa nada, Ele é o Primeiro e Ele é o Último; o Princípio e o Fim; o Alfa e a Ômega; então, a igreja em perseguição tem que ver isto. Sempre que estamos numa situação difícil, não é porque Deus não o tenha permitido, ou porque o diabo se desprendeu da mão de Deus e nos agarrou d surpresa em algum descuido; Deus dormiu, então o diabo nos pôs uma armadilha; não é assim; devemos saber isto, que há alguém Soberano que é o que permite, o que põe reis, o que tira reis, o que faz o dia bom e também o dia da adversidade; o que diz: Eu firo e Eu saro; e como diz em Lamentações: “Por que se lamenta o homem vivente? Lamente-se o homem em seu pecado” (Lm. 3:39). Terá algum mal na cidade, o qual Jeová não tenha feito?” (Am. 3:6). Ou seja que Deus se apresenta como o Soberano, como o que dirige tudo, o que permite inclusive aos demônios fazer até certo ponto algo, mas só até certo ponto.Ao Senhor não se escapam as coisas; as coisas podem escapar a algum chefe guerrilheiro ou paramilitar que parece que governa, mas as frentes militares fazem o que querem por seu lado; com o Senhor não sucede isso, ao Senhor nenhuma frente se lhe escapa o controle. Mas o Senhor diz: dez dias e são dez dias. Tenho aqui que o diabo fará isto; o Senhor poderia dizer: diabo, não o faças; mas o Senhor diz: fará isto e diz porquê, para que sejais provados. Deus explica para que permite os problemas, para que sejais provados. Deus não nos evita o ser provados, Deus nos prova, Deus quer que nosso amor, nossa fidelidade seja provada e por isso as vezes permite dias de adversidade; a igreja deve saber isto, e quando o estiver vivendo deve lembrar-se, Senhor, tu és o Primeiro e o Último, mas adiciona mais: eu estive morto; o que esteve morto e viveu diz isto; o que fala é alguém que tem autoridade para pedir-nos que sejamos fiéis até a morte porque Ele foi fiel até a morte; parecia que tinha sido abandonado.
ESTEVE MORTO E REVIVEU
Hoje dizem, se você se envolver com Cristo, vai ser crucificado, como que dizendo para não se meter com Cristo; mas o Senhor sim, Ele se deu, porque se não, ninguém se salvaria, e Ele disse: ninguém me tira a vida, senão que eu de mim mesmo a dou; tenho poder para dá-la e tenho poder para voltar a tomá-la; e a deu; por isso diz: eu estive morto; como quem diz, eu não peço a vocês que façam algo que eu não fiz; eu passei primeiro, eu sei o que é isso e eu estou em vocês para lhes ajudar a passar por isto; eu passei primeiro, eu estive morto, mas estou aqui e vivo pelos séculos dos séculos. Eu tenho as chaves do Hades e da morte. Ele é o que tem o controle; portanto, Ele pode colocar-nos numa situação que não agrada a carne, mas que agrada ao espírito. É necessário que através de muitas tribulações entremos no reino de Deus; e essa palavra “muitas” e “necessário”, é delicada, mas é palavra de Deus. “É necessário que através de muitas tribulações entremos no reino de Deus” (Atos. 14:22). Como diz: “Porque é justo para com Deus que ele dê em paga tribulação aos que vos atribulam” (2 Ts. 1:6); e também diz que nós estamos demonstrando que somos dignos do reino pelo qual padecemos; “se padecemos com Ele, também reinaremos com Ele”. Eu penso que quando estivermos na glória, o que mais vai nos alegrar é ter estado dispostos a caminhar com o Senhor pelo caminho mais difícil e mais estreito; quando estivermos no mais difícil, lembrar que essa é a base para desfrutarmos com Cristo do mais glorioso. Se não nos lembramos de que Ele é o Primeiro, que Ele é o Último, que estamos sendo provados e que temos que sair gracioso em união com Ele dessa prova; podemos fraquejar, mas Ele fala isto para que não fraquejemos; há que ter em conta tudo isto para não fraquejar nos momentos difíceis. Ele tem o controle, Ele me está provando, mas Ele viveu para ajudar-me, Ele vive e porque Ele vive, eu vivo, e eu sei que isto que é tão difícil vai produzir fruto de glória. Como diz Paulo: “Porque esta leve e momentânea tribulação, produz em nós um eterno peso de glória” (2 Co. 4:17). Isso é o que procura o Senhor e Ele quer impressionar-nos profundamente com suas mensagens, porque Ele sabe o que nos espera; o tempo final não é tempo fácil, é tempo de dificuldades, e se nos enganamos, irmãos, vamos ser surpresos; mas Deus não quer que sejamos surpresos. “Lembrai-vos que já vo-lo tinha dito antes”, diz o Senhor. “Vem a hora quando qualquer que vos matar, pensará que rende serviço a Deus”. “Todos os que quiserem viver piedosamente em Cristo Jesus padecerão perseguição” (2 Tm. 3:12). “Bem aventurados os que padecem perseguição por causa da justiça (e todas as classes de coisas que faça a chamada “justiça” contra nós, diz o Senhor), porque deles é o reino dos céus” (Mt. 5:10). Grande é vosso galardão nos céus; por isso é que diz à igreja: tu és rico, porque grande é teu galardão.
O SENHOR CONHECE NOSSA TRIBULAÇÃO
Diz no verso 9: “eu conheço tua tribulação”; que bom que o Senhor diga isso: “conheço tua tribulação”. Irmãos, os manuscritos mais antigos dizem: “eu conheço tua tribulação”; não diz: “eu conheço tuas obras”. Claro, o escriba disse: Bom, mas aqui disse: eu conheço tuas obras, ali também, ali também; bom, claro que foi algum erro de João, do Espírito Santo, então vamos homogeneizar as coisas e colocou: “conheço tuas obras”. Isso dizem os manuscritos recentes, mas o Senhor não se põe a falar-nos de obras quando estamos em perseguição; não, Ele não. Porque é que quando estamos em problemas, estamos em aperto, pensamos que Ele não sabe, pensamos que Ele não ouve, mas Ele diz: “Eu conheço tua tribulação e tua pobreza”. Alguém pensa: Senhor, mas não me atingiu; Senhor, está tudo tão apertado. “Eu conheço”; ah! Então algo o Senhor está fazendo; se Ele conhece e ainda não o tira é porque é necessário e é para o bem. Quando o Senhor diz. “eu conheço”, é para que não tenhamos esse sentimento de abandono. Senhor, mas estou em tribulação, estou em pobreza. Eu conheço. Um irmão, como ele o disse publicamente, eu vou dizer publicamente. O irmão Ariel, vocês o conhecem. Uma vez ele nos contou que ele pedia a Deus e pedia e pedia; parecia que o Senhor não lhe ouvia. Senhor, mas tu não me ouves, Senhor, mas tu não me ouves; e o Senhor falou com voz audível: “Eu não sou surdo”. O ele olhou e não tinha ninguém por perto; isso passou a Ariel, ele nos contou essa experiência. O Senhor não é surdo e o Senhor nos ama. Fixem-se no que estava pensando e dizendo Jó; e, no entanto, que era o que Deus dizia de Jó? Satanás, viste a meu servo Jó, que não há outro como ele na terra? Isso era o que Deus pensava e sentia de Jó, mas Jó, como estava em problemas, se lhe morreram os filhos, perdeu os bens, perdeu a saúde, os amigos, a esposa, quiseram que se suicidasse, que amaldiçoasse a Deus, terrível caso! Ele não sabia o que lhe passava, e ele calculava segundo o que vivia subjetivamente e pensava que Deus tinha sido injusto com ele; dizia um montão de coisas e, no entanto depois disse: Eu falava o que não entendia; depois entendeu; para que o Senhor inspirou o livro de Jó? Para dar-nos ânimo; Ele sabe, como diz a Escritura: “O homem nasce para a aflição” (Jó 5:7); isso está escrito: O homem nasce para a aflição. Não viemos a esta terra a passar férias, viemos para vencer e conhecer a glória de Deus; para isso viemos; não somente para passar férias; então há que saber isso: que o homem nasce para a aflição. Jesus disse: “No mundo tereis aflição; mas confiai, eu venci ao mundo” (Jo. 16:33); isso é o que diz aqui: Confiai em mim, eu venci o mundo. Então Ele diz: Conheço tua tribulação; não penses que Deus não sabe onde te aperta o sapato, não sabe quanto te falta; Ele sabe. “Conheço teu tribulação e tua pobreza, (mas tu és rico)”; ainda em tribulação tu és rico, ainda em pobreza és rico; e Deus diz que ele sim sabe de verdadeira riqueza. E diz: “e conheço a blasfêmia...”. Alguém diz: Senhor, não te dás conta do que me estão fazendo? Sim me dou conta. As vezes nos fazem coisas: Conheço. “Conheço a blasfêmia dos que se dizem ser judeus, e não o são”; ou seja, tinha pessoas que para fazerem-se grandes sobre os demais, diziam alguém pouco de si mesmos que não era; somente para merecer preeminência, merecer honra, para manipular, para controlar; então diziam ser judeus e não o eram. O que era o que eles verdade eram? Sinagoga de Satanás. É terrível! Porque as sinagogas eram de Deus; nas sinagogas se reuniam os judeus para adorar a Deus; mas estas pessoas chegaram a aborrecer tanto aos cristãos que em suas próprias sinagogas se fizeram instrumentos de Satanás e blasfemavam contra o Senhor, contra a verdade e contra os santos; mas o Senhor diz: “eu conheço”. O permites? Sim, o Senhor o permite, mas o conhece. Esta mensagem é para que saibamos: Ele é o Primeiro, é o Último, esteve morto, mas vive, e conhece a tribulação e a pobreza e nos considera ricos. Conhece a blasfêmia e depois diz: “Não temas em nada”, nada temas; “não temas em nada” traduz aqui bem a versão Reina e Valera. Não temas em nada. Ai Senhor! porque quando alguém está frente à tribulação, frente à morte, frente ao despojo, frente à pobreza, frente à tortura, frente à perseguição, frente à desagregação da família, frente à clandestinidade, nas catacumbas como os cristãos dessa época, tu não temas; o Senhor no meio dessa situação diz: “não temas”. Alguém diz: Senhor, mas tira-me o problema e não temo; não, no meio de tudo, não temas. Alguém diz: Ui! Por fim já tenho o salário seguro, a conta corrente segura; mataram a Tirofijo, mataram ao Macaco Jojoy, mataram ao das AUC; não, não é isso; o Senhor diz: não temas, no meio dos problemas. Diz: “Em nada temas o que vais padecer”. Vais padecer; não temas o que vais padecer; ou seja que o temor aumenta o padecimento. O temor as vezes é pior que o padecimento; alguém vê que vão aplicar-lhe alguma injeção e grita, e desmaia, e depois e um furinho de nada, mas o susto era terrível, verdade? O temor. A amídala do cérebro segregando nosso temor, mas sim o Senhor nos diz que não devemos temer, Ele sabe, Ele nos ajuda.
DEVEMOS SER PROVADOS
Há irmãos que passaram terríveis perseguições. O irmão Richard Walguémbrant esteve quatorze anos preso na Romênia sob o governo comunista; sofreu muito; ele chegou a um ponto quando se esqueceu de tudo e do único que se lembrava era do Senhor Jesus; punham-no frente a alguma parede, levantado um giz entre o nariz e a parede e não podia deixar cair o giz da parede, porque se não, golpeavam-no e sem dormir; quando estava dormindo, acordavam-no. Terrível! Ele diz que esqueceu de tudo e do único que se lembrava era: Senhor Jesus! Tudo se esqueceu, menos o nome do Senhor Jesus; terrível sofrimento; só se lembrava do nome do Senhor Jesus; e ele diz: Centrem-se no Senhor Jesus, respire devagar, calmo, concentre-se no Senhor Jesus, não esteja temendo que vão fazer-me algo, concentrem-se no Senhor Jesus. O Senhor diz: “10 Não temas o que vais padecer. Eis que o diabo lançará (o Senhor já o sabia e o deixou, se dão conta a alguns de vocês no cárcere, para que sejais provados, e tereis tribulação por dez dias”. Alguns, não são todos, mas o Senhor atribuiu que alguns vão a prisão; o Senhor anuncia cativeiro para alguns, não todos, mas alguns. Sempre há a possibilidade de que alguns vão, por alguma armadilha de Satanás, a parar no cárcere; há essa possibilidade; porque estamos falando não só da histórica Esmirna, nem só da era dos mártires, senão que o Espírito fala isto a todas as igrejas. Em qualquer momento pode suceder, mas então que diz ali? “Para que sejais provados”; essa é a explicação; o Senhor já explicou; devemos saber que qualquer pequena ou grande moléstia, qualquer surpresinha ou grande surpresa, é para que sejamos provados; não nos deve surpreender a situação; é para que sejamos provados; e o desejo dele e de todos os anjos, é que vençamos a prova; e Ele venceu, e vive, para que nós vivamos; Oxalá confiemos, oxalá creiamos. O Senhor não nos deixa enganar; neste mundo isso é o normal; o caminho é estreito.
AS DEZ PERSEGIÇÕES
1. Nero Cláudio César. “E tereis tribulação por dez dias”. Aparte desses dez dias da Esmirna histórica, a era dos mártires constou de dez grandes perseguições que estão profetizadas ali, projetadas nesses dez dias. Cada dia uma perseguição. A primeira, a de Nero, onde morreu Paulo que foi decapitado e Pedro que foi crucificado, e para não se sentir morrendo como o Senhor pediu que o pusesse cabeça abaixo, que o crucificassem cabeça para baixo. André morreu crucificado num madeiro em forma de alguém xis; por isso ao xis lhe chamam a cruz de Santo Andrés. São Lorenzo foi queimado, assado vivo; muitas outras coisas; podem-se contar multidões de mártires. Nero incendiou a cidade de Roma e jogou a culpa nos cristãos, e Satanás meteu uns preconceitos terríveis contra os cristãos. Diziam que os cristãos eram ateus, diziam que se reuniam em segredo e que punham um menino embaixo da farinha, e aos que os iniciavam, faziam-lhes fincar na farinha com uma faca e apagavam as luzes; não tinha luzes destas que temos, senão que tinham uns candelabros e que o candelabro estava amarrado a um cachorro e moviam o cachorro e o cachorro tombava o candelabro, e aí se começava a ter incesto e toda classe de orgias e comiam esses meninos. Isso cria a gente romana, porque isso era o que dizia as pessoas; e o mais triste era que principalmente eram os judeus que tinham recusado a Cristo os que soltavam esses contos para que as pessoas imaginassem o pior; pensavam que adoravam a cabeça de alguém asno e das coisas piores; o diabo fez crer às pessoas e as pessoas crêem no primeiro que lhes contam; diziam que eles estavam acostumados às lutas de gladiadores e das feras; agora queriam aos cristãos no circo; e quando Nero queimou a cidade de Roma, porque cria ser um grande arquiteto e queria fazer uma nova Roma feita por Nero, então jogou a culpa nos cristãos e começou a primeira grande perseguição em que morreram os apóstolos principais ali.
2. Domiciano Tito Flavio. Depois, quando o apóstolo João, que foi da época do Apocalipse, veio Domiciano, que foi chamado de um segundo Nero, foi dito que Nero reviveu; ele mandou fazer uma imagem de si mesmo e mandava que lhe adorassem; por isso, quando os cristãos da igreja primitiva falavam da besta revivida, eles aplicavam primeiramente a Domiciano e à adoração de sua estátua, o qual era uma projeção antecipada de alguém tipo da perseguição final, da besta final; porque a besta era, mas não é e será; isto é, teve um cumprimento, mas só típico, porque o final está no futuro; ou seja que a linguagem de João servia para projetar a situação no futuro. Então este Domiciano foi o segundo grande perseguidor e foi o que mandou a João à ilha de Patmos. Quando ele morreu, então João foi liberto de Patmos; regressou a Éfeso, escreveu seu evangelho e escreveu mais três cartas que estão na Bíblia.
3. Trajano Marco Ulpio. O terceiro foi Trajano; Plinio o jovem que servia como legado imperial em Bitínia, escreveu uma carta a Trajano dizendo-lhe: Eu não sei se vamos matar a todos os cristãos, sem que tenham cometido nenhum erro; não sei o que devo fazer, porque são quantidades e não são pessoas más; que faremos? Então Trajano lhe respondeu: Bom, se ninguém os denunciar, deixe-os calmos, mas se os denunciarem castiga-os. Que terrível justiça! Então Tertuliano, que era um advogado, escreveu uma apologia, uma defesa, defendendo dos cristãos; se dirigiu ao imperador mostrando-lhe como estavam sendo injustos; que não tinham por que persegui-los, porque eram pessoas boas, normais, por que então se alguém os denunciasse é que ele seriam castigados, mas se não os denunciavam, eles eram então deixados; se verdadeiramente são perigosos, tinha que os matar ou tinha que os encontrar e castigá-los, mas se os deixavam sem procurá-los, é porque realmente tinham consciência que eram inocentes; então, o que se perseguia era o nome cristão, não era porque tivesse matado, ou roubado; é cristão, então adore ao César: não, então diretamente para a morte. Ali na biblioteca temos as atas dos mártires; terrível é conhecer isto, mas é bom conhecê-lo, ainda que é terrível. Mas isso foi assim, e em toda a história da igreja teve perseguição em algum momento. Aqui mesmo na Colômbia, há irmãos de nossa geração que estão morrendo, que estão sendo assassinados; há irmãos nos Planos Orientais que têm sido serrados com moto serras; a um irmão lhe rancaram um olho com uma colher; a outros lhes obrigaram a cavar suas próprias sepulturas e depois os mataram; a outros queimam com gasolina. Coisas terríveis! Não estou falando só daquela época, também há perigo nesta época.
4. Marco Aurélio. Foram dez perseguições: Nero, Domiciano, Trajano; depois veio Marco Aurélio, o famoso imperador filósofo, escritor de Meditações. Hoje os grandes estadistas lêem a Marco Aurélio, porque no papel, na filosofia, era muito bom; mas se vocês vissem as crueldades que se fizeram contra os cristãos; este grande imperador filósofo. Sêneca era um grande filósofo, foi o preceptor de Nero, mas que fez Nero? De que servia uma filosofia e uma ética sem Deus? Isso é o que demonstrou a ética sem Deus; melhore os homens, melhore os governantes; veja que os filósofos e os mais retos, foram os piores perseguidores do Cristianismo; nenhuma outra religião era perseguida. O império romano se jactava de ser civilizado. Quando iam açoitar a Paulo, Paulo disse: Se permite açoitar a algum cidadão romano? Imediatamente se assustaram, porque os romanos eram civilizados, aprovavam todas as religiões, ainda os judeus estavam aprovados, menos os cristãos; os cristãos eram os únicos perseguidos, porque era delito ser cristão; aquele que se confessava cristão, merecia a morte, nada mais; e imperadores como Marco Aurélio, fizeram as perseguições mais terríveis; essa é a contradição da filosofia e da ética humana; eles não conhecem a Deus.
5. Sétimo Severo Lucio. Veio o quinto que se chamou Sétimo Severo, foi a quinta perseguição.
6. Maximino Trácio Caio Julio Vero. Depois veio um que, bom, nosso irmão Maximino vai querer mudar seu nome. O sexto imperador que fez uma perseguição terrível, chamou-se Maximino.
7. Décio Caio Mesio Quinto Trajano. O sétimo imperador que foi também terrível foi Décio; a sétima perseguição geral contra os cristãos foi a do imperador romano Décio.
8. Valeriano Públio Licíinio. O oitavo se chamou Valeriano, foi terrível.
9. Galério. O nono foi Galério.
10. Diocleciano Caio Aurélio Valério
. O décimo, que foi o mais terrível, ele se propôs sistematicamente varrer o cristianismo, matar a todos os cristãos, destruir os escritos cristãos, queimá-los; dez anos durou essa perseguição; foi a mais sistemática, a mais terrível. Diocleciano, essa foi a última daquelas perseguições, e só fez com que os cristãos se multiplicassem. Como dizia Tertuliano: o sangue dos cristãos é semente. A pessoas viam gente correta morrendo feliz com o Senhor, glorificando a Cristo, perdoando aos verdugos, e muitos se convertiam, inclusive alguns juízes; alguns soldados que os levavam aos tribunais, ao ver a inteireza, a alegria com que os cristãos iam à morte, viam seus rostos cheios de luz, de confiança, se maravilhavam. Uma vez um cristão débil negou ao Senhor, e um dos soldados viu que se tirava uma coroa, e disse o soldado: Eu quero essa coroa; e foi e morreu com o outro. Que coisa tremenda! Ninguém tire tua coroa. Sucederam histórias tremendas. Então diz: “Tereis tribulação por dez dias.” Aí está, dez grandes perseguições gerais do império romano na era dos mártires: Nero, Domiciano, Trajano, Marco Aurélio, Sétimo Severo, Maximino, Décio, Valeriano, Galério e Diocleciano, terríveis personagens que perseguiram ao Cristianismo; mas o Senhor diz: “Sê fiel até a morte”. Essa frase é importante, porque alguém diz: Até aqui, já não consigo mais. Não, até a morte. Eu estive morto, mas veja que estou vivo. Eu te darei a coroa da vida. “Sê fiel até a morte, e eu te darei a coroa da vida”. E diz: “11O que tem ouvido, ouça o que o Espírito diz às igrejas.” Ou seja, Deus quer falar-nos a todos, e quer estar falando hoje. O número 10 das perseguições também representa a rejeição do mundo em geral, pois com o 10 se representa também à humanidade. E depois a recompensa é conforme a prova. Qual era a prova? A morte, a tribulação, o fogo, a espada, o cativeiro, o cárcere, o despojo, tiram-te as coisas, perdes tudo. “Até a morte, e eu te darei a coroa da vida”. Então, a recompensa tem haver com aquele tipo de luta.
A RECOMPENSA
Qual é a recompensa? “O que vencer”. O Senhor sempre apela aos vencedores; terá vencedores. “O que vencer, não sofrerá dano da segunda morte”. Como venceu a primeira morte, o Senhor o exime de passar pela segunda morte. Qual é a segunda morte? A segunda morte é o lago de fogo e enxofre, o lago que arde com fogo e enxofre. Em Apocalipse 20, você vê isso e o texto diz assim, no verso 15: “E o que não se achou inscrito no livro da vida foi lançado ao lago de fogo”; e no verso 14: “E a morte e o Hades foram lançados ao lago de fogo. Esta é a segunda morte”. Ser jogado no lago de fogo; o Hades não é ainda a Geena, que é o lago de fogo. As pessoas morrem; se morre em Cristo vai ao Paraíso; se morre sem Cristo vai ao Seol, e depois, depois do reino, do milênio, dos mil anos, virá o juízo do trono branco; e todos os seres humanos, todos os que morreram, vão ser apresentados no trono branco; o que a pessoa pensou, atuou, suas intenções, seus fatos, suas obras, estão escritas em livros; abriram-se os livros. Somente daqueles que reconheceram seus pecados e foram perdoados pelo sangue de Cristo, foram apagados dos livros os seus pecados. Como diz o Senhor: nunca mais me lembrarei de teus pecados; quando os reconheceu e pediu perdão; se não, tudo está exposto. Com que motivo fizeste as coisas? Que fizeste? Que disseste? Tudo está registrado; vem o juízo e o que não se achou inscrito será jogado no lago de fogo, e essa é a segunda morte; ou seja, que a segunda morte é a Geena, a perdição eterna. No geral é a perdição eterna, mas há algo que se chama o dano da segunda morte.
DANO DA SEGUNDA MORTE
Há a possibilidade de que algum cristão não vencedor conheça o dano da segunda morte de maneira temporária, diz a Escritura. É necessário entender isto; ou seja que se é alguém cristão, o Senhor lhe é fiel; mas se sendo cristão viveu como alguém mundano, tem que conhecer, pelo menos em parte, o que merece sua conduta. Por isso o Senhor diz: “O que vencer, não sofrerá dano da segunda morte”; mas não fala do que não vencer. Mas o que fala o Senhor do que não vencer? Vamos ler isso em Mateus; vamos ao evangelho de Mateus; palavras do Senhor Jesus para que nós temamos corretamente e não vivamos como cristãos uma vida irresponsável. Olhem o que diz o capítulo 5; primeiro lhes chamo a atenção ao início da conversa: “1Vendo a multidão, subiu ao morro; e sentando-se, vieram a ele seus discípulos. 2E abrindo sua boca lhes ensinava, dizendo...”. A quem lhe está falando o Senhor Jesus? Aos discípulos, aos seus; não ao mundo. Diz: Bem aventurados vocês, os que chorais, porque sereis consolados. Vocês os pobres de espírito, porque vosso é o reino. O está falando a seus discípulos é todo o Sermão no Monte, desde as bem-aventuranças, é tudo falando o Senhor Jesus aos discípulos. Vocês sois o sal da terra. Vocês sois a luz do mundo. Não penseis, vocês, discípulos, e então, chega o verso 21, no contexto do Sermão no Monte; Jesus falando aos discípulos, não aos incrédulos: “21Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e qualquer que matar será culpado de juízo. 22Mas eu vos digo que qualquer que se enojar contra seu irmão, será culpado de juízo; (está falando aos irmãos) e qualquer que diga: Néscio, (quanto mais algo pior) a seu irmão, será culpado ante o concílio; (será juízo, inclusive por várias pessoas) e qualquer que lhe diga: Louco, (como será algo pior) ficará exposto ao inferno de fogo”. Se tu vês essa palavra no grego, não diz Hades, senão Geena; ou seja, que ficará exposto ao dano da segunda morte. Se não vencer, ficará exposto ao lago de fogo. Agora, será isso eternamente? Não, é temporário, porque o Senhor morreu pela pessoa que creu, mas porque creu, o Senhor é fiel, mas porque o outro foi infiel, conhecerá um pouco do que experimenta o perdido. Por isso a seguir diz: “23Por tanto”; fixem-se no que vai dizer a seguir, tem base no anterior; Ele acaba de dizer que se nós pecamos desta maneira contra os irmãos, ou pode ser por exemplo, com a pornografia, se alguém olha uma mulher para cobiçá-la, já adulterou com ela em seu coração; e se ela se veste de forma a fazer-se cobiçar, também é responsável. E diz: melhor é do que entres no céu sem um olho; o diz a seus discípulos; que com ambos olhos ser jogado à Geena de fogo; isso, uma passagem temporário pelo fogo da Geena, chama-se o dano da segunda morte. O que vencer, não sofrerá dano da segunda morte, mas e o que não vencer? é como este irmão aqui, que é um irmão, que é um discípulo, mas que trata mal, odeia, aborrece a seu irmão, ou vive uma vida libertina dizendo que é cristão, diz que é irmão, mas se embebeda, fornica, mente, é egoísta, etc. etc., não luta contra si mesmo, senão que se dá a liberdade de pecar; sim, fala do Senhor, menciona ao Senhor, mas não corrige sua vida. O que vencer, esse sim, não sofrerá dano da segunda morte, mas e o que não vencer? “23Por tanto, (fixem-se em que Ele vem falando em continuidade; o que vai dizer a seguir, é sobre a base do que disse, não é algo diferente do que Ele está falando; Ele está desenvolvendo a mesma idéia) se trazes tua oferta ao altar, e ali te lembras de que teu irmão tem algo contra ti, 24deixa ali tua oferenda adiante do altar, e anda, reconcilia-te primeiro com teu irmão, e então vêem e apresenta tua oferta. 25Põe-te de acordo com teu adversário logo, (não é para ser lerdos em isto, não há que pensar que vamos ter muito tempo. Que é esse logo enquanto estás com ele a caminho, (enquanto não morreu nenhum dos dois ou não veio o Senhor, temos que nos arrumar porque se se acabou o caminho, morreu um, morreu o outro ou veio o Senhor, então que vai passar? Se não nos pusemos de acordo, se não arrumamos nossos problemas, se não confessamos nossos pecados e nos arrependemos, então que vai passar não seja que o adversário te entregue ao juiz.” Para que não pensemos que isso é injusto, nem sempre se faz correções imediatas, porque então ninguém escaparia, todo mundo estaria aterrorizado; cada vez que alguém pecasse, ia morrer de medo, então todos iriam obedecer a Deus, mas ninguém iria amá-lo. Então, as vezes parece que Ele não faz nada, mas de vez em quando faz algo, antes do juízo, para que a gente tema. Então diz aqui: “Não seja que o adversário te entregue ao juiz, e o juiz ao verdugo, e sejas jogado no cárcere. 26Em verdade te digo que não sairás dali, até...” Graças a Deus que não disse: ponto; por isso estou dizendo que é temporário; este cárcere é aquele inferno de fogo. Se dão conta? O dano da segunda morte, não é a segunda morte definitiva, mas há o dano. Se a pessoa viveu como ímpio, conhecerá o que irá sofrer ímpio; mas como crente, quando tiver pago o último centavo, então sairá; mas até que não tenha pago o último centavo, não sairá dali: “Em verdade te digo que não sairá dali, (ali, o cárcere, e vem falando qual era esse cárcere: o inferno de fogo, ou seja, a Geena de fogo) até que pagues o último centavo”. Isso significa que o Senhor vai fazer justiça. O salmista diz que a afronta de cada pessoa se voltará sobre sua cabeça; como tu fizeste, se fará contigo; tudo o que saiu de ti, voltará sobre ti. Se sair ódio, receberás esse ódio; se julgaste com dureza, serás julgado com dureza. Se foste misericordioso, receberás misericórdia. Se não julgaste, não terás juízo, mas se julgaste, terás juízo com o mesmo juízo com que julgaste; ou seja que, irmãos, o dano da segunda morte quer dizer, algum castigo temporário; não diz que é eterno; diz: “até que pagues o último centavo”; é um castigo de servos.
SERVOS FIÉIS E INFIÉIS
Vamos ao evangelho de Lucas 12:41. Aqui se fala não dos incrédulos, senão dos servos, dos discípulos, dos irmãos, dos filhos de Deus, dos nascidos de novo. Diz: “41Então Pedro disse: Senhor, dizes esta parábola a nós, ou também a todos? (a parábola do servo que devia estar esperando que seu senhor viesse; viver com a expectativa de encontrar ao Senhor) 42E disse o Senhor: Quem é o mordomo fiel e prudente ao qual seu senhor o porá sobre sua casa, para que a tempo lhes dê sua porção?” Está falando dos servos, do ministério mesmo; não está falando do mundo inteiro. Quem é o mordomo ao qual seu senhor pôs sobre sua casa, para que lhes dê o alimento a tempo? Fala de servos que têm encomenda de Deus, e depois diz: “43Bem-aventurado aquele servo ao qual, quando seu senhor vier, o achar fazendo assim.” Oxalá nos ache o Senhor dando alimento a Sua casa sempre. Diz o Senhor: “44Em verdade vos digo, que lhe porá sobre todos seus bens. 45Mas se aquele servo (esse mesmo) disser em seu coração: Meu senhor demora em vir; (vou dar uma relaxada; é só por pouco tempo, pode ser que o Senhor não venha enquanto estou aqui dançando) e começar a golpear aos criados (tratar mal aos outros servos do Senhor) e às criadas, e a comer e beber e embriagar-se, (viver para a carne) 46virá o senhor daquele servo em dia que este não espera, e à hora que não sabe, e lhe castigará duramente, e lhe porá com os infiéis”. Qual é o lugar dos infiéis? O cárcere, a Geena; “e lhe porá com os infiéis”; aos servos infiéis; ou seja que há castigo também; não só recompensa para os que vencerem, senão castigo para os que não vencerem de entre os servos. “47Aquele servo que conhecendo a vontade de seu senhor, não se preparou, (há que se preparar para servir ao Senhor e ser achado fiel; as vezes não o servimos porque não nos preparamos; há que se preparar para o servir e o receber) nem fez conforme a sua vontade, receberá muitos açoites”. Aqui não fala de eternidade, fala de parte e de muitos, não fala de eternidade, mas sim fala de castigo e castigo forte: “48Mas o que sem saber fizer coisas dignas de açoites, será açoitado pouco; (nem todos terão o mesmo número de açoites, senão segundo o que tenha feito enquanto estava no corpo, seja bom ou seja mau; e o Senhor pagará a cada um segundo foram suas obras) porque a todo aquele a quem se deu muito, muito se lhe demandará; (Senhor Jesus! Vocês não vêem que o Senhor demandará muito a nós e ao que muito se lhe tenha confiado, mais se lhe pedirá”. Se lhe deu cinco, que fizeste com os cinco? Se lhe deu dois, não vai dizer que fizeste com os cinco, senão que fizeste com os dois? se lhe deu um, que fizeste com o um?
SALVO COMO POR FOGO
Vamos a I Coríntios 3. É somente para terminar de ilustrar um pouquinho isto ainda relativo à correção, o castigo, o dano que recebe o crente não vencedor. Em I Coríntios 3:12 e seguintes, diz: “12E se sobre este fundamento (Jesus Cristo, o Senhor) alguém edificar ouro, prata, pedras preciosas, (são coisas de valor, ou se não) madeira, feno, palha, (o que fizemos para o Senhor foi pura palha) 13a obra de cada alguém se fará manifesta; porque o dia a declarará, pois pelo fogo será revelada; e a obra de cada um, o fogo a provará”. O ouro passa mais puro ao outro lado do fogo, o fogo não lhe faz nada, porém o purifica; o mesmo com a prata e com as pedras preciosas, saem mais preciosas; mas a madeira, o feno e a palha não saem do outro lado; eles ainda aumentam o fogo. “14Se permanecer a obra de alguém que sobre edificou, (estes são crentes, estão no fundamento) receberá recompensa. 15Se a obra de alguém se queimar, ele sofrerá perda”. Fixem-se na palavra “sofrer” e fixem-se na palavra “perda”, mas não é da salvação, é sofrimento e é perda, mas não é perda da salvação, senão do galardão que é o reino no milênio; então se perde o galardão que é no milênio, onde estará durante o milênio? No cárcere, sofrendo o dano da segunda morte. Então diz aqui: “15Se permanecer a obra de alguém que sobre edificou, receberá recompensa. 16Se a obra de alguém se queimar, ele sofrerá perda, conquanto ele mesmo será salvo, (é sofrimento, é perda, mas não da salvação, senão do galardão) como que pelo fogo”. Salvo pelo fogo, é alguém salvo que tem que passar pelo fogo. Coisa terrível! Então, irmãos, eu penso que o Senhor nos ajudou a entender um pouquinho. O que vencer não sofrerá dano da segunda morte. O Senhor não diz do que não vencer, mas aqui diz o que acontece com o servo mau, negligente, o que peca e não se arrepende, o que não corrige seus assuntos a tempo, entretanto está no caminho; então, irmãos, penso que essas palavras são importantes. Penso que por causa da hora, já não vou ter o tempo de ler o que ia ler. De maneira que vamos dar por findo aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário