segunda-feira, 19 de outubro de 2009

36. A Primeira Trombeta

Aproximação ao Apocalipse (36)

A PRIMEIRA TROMBETA




“O primeiro anjo tocou a trombeta, e houve saraiva e fogo de mistura com sangue, e foram atirados à terra. Foi, então, queimada a terça parte da terra, e das árvores, e também toda erva verde”. Apocalipse 8:7.

CRÍTICA TEXTUAL

Continuamos com o estudo do Livro do Apocalipse. Hoje chegamos ao capítulo 8 versículo 7. Vamos estudar com a ajuda do Senhor o relativo à primeira trombeta. A primeira trombeta é descrita aqui Apocalipse 7:8. Vamos ler este versículo com muito cuidado. Hoje quero chamar a atenção de maneira especial aos irmãos a respeito da crítica textual que estamos acostumados a fazer ao ler as passagens. Como acredito que a maioria dos que estão aqui têm a versão Reina Valera de 1960, que como vocês sabem provém do chamado “Textus Receptus”, que provém da edição de Erasmo do texto grego.

Erasmo para o Apocalipse só contou com o códice 1, que é um códice minúsculo tardio, e nesse texto que usou Erasmo falta nada menos que uma frase muito importante; então por isso lhes quero chamar a atenção a essa frase que falta no Códice que usou Erasmo e o Textus Receptus que usaram códices tardios. Houve um engano do copista quando aparece duas vezes a palavra terra; ele, quando terminou a primeira vez a palavra “terra”, saltou-se a seguinte frase que também termina em terra; certamente pensando que já a tinha copiado, omitiu-a. Outras traduções sim a contêm; se alguns tiverem essas traduções, a versão Internacional contém essa frase, a Madrepérola-Colunga contém essa frase; estive revisando também os textos originais, os textos gregos de Westcott e Hort; revisei-os no do Eberhard Nestle, revisei-os também na última edição, a 27ª, do texto crítico da Bárbara e Kurt Aland, de Martini, Karavidopoulus e Bruce Metzger, etc. que são os últimos que trabalharam na área textual, e realmente esse texto aparece no grego, mas não aparece nesta versão Reina-valera; então lhes vou ter que dizer qual é a frase que falta. Acredito que Arcadio tem a Bíblia Harper e aí tem notas desse versículo. Vou lendo como diz o texto grego lhe traduzindo para cá. Sigam por favor em suas Bíblias e ponham atenção à maneira como traduzo para que esteja mais ajustado ao texto grego; isto o revisamos muito cuidadosa e responsavelmente. Apocalipse 8:7: “O primeiro anjo tocou a trombeta, e houve saraiva e fogo de mistura com sangue, e foram atirados à terra. Foi, então, queimada a terça parte da terra, e das árvores, e também toda erva verde”. Vocês se deram conta de qual é a diferença desta tradução com o original grego. A palavra “e”, falta aqui. Aqui diz: “O primeiro anjo”; o grego diz: kai, “e o primeiro”; a palavra anjo não aparece em nenhum dos manuscritos mais antigos; só o códice unicial 052, que é do século X, que está no monte Atos, introduziu a palavra “anjo” como uma explicação de um dos sete anjos; ou seja, algo tácito o fez explícito; e depois apoiados possivelmente nele outros manuscritos tardios, poucos, adicionaram a palavra “anjo”, mas não é o normal, não aparece nos manuscritos mais antigos. Então diz: “E o primeiro tocou a trombeta”; aqui aparecem realmente três palavras; no original grego é uma só palavra: “trombeteou”; “e houve granizo e fogo mesclados em...”; a palavra aqui: “com”, realmente no grego é “em”, que é muito importante entender este “em” para compreender esta trombeta. “Houve granizo e fogo mesclados em sangue, e” não “que”, mas sim “e foram lançados sobre a terra”; a frase que falta na Reina-valera e na King James, que tanto a Reina Valera como a King James se apóiam no Textus Receptus, pois o Textus Receptus geralmente lhe adiciona as notas dos copistas, mas esta vez se saltou esta omissão, possivelmente involuntária; então o que falta é esta parte: “e o terço da terra se queimou”; é um versículo maior: “o terço da terra se queimou e a terceira parte das árvores se queimou, e se queimou toda a erva verde”. Bom, isso então quanto ao comentário de crítica textual para que estejamos mais perto do original grego, posto que no Apocalipse terá que ter muito cuidado, porque o que lhe adicionar lhe adicionarão as pragas e ao que lhe tirar lhe tirará sua parte da árvore da vida, não do livro, da árvore, diz o grego; esta tradução RVR diz do livro.

GRANIZO, FOGO E SANGUE

Bom, aqui o primeiro que aparece nesta primeira trombeta é granizo e fogo, diz, mesclados em sangue, mas a primeira palavra é granizo e fogo. Não é a única vez que aparecem relacionados granizo e fogo. Este fogo que aparece aqui associado com granizo, pelo contexto de outros versículos que vamos ler, vocês vão se dar conta de que de uma vez se refere aos relâmpagos; este fogo é o fogo dos relâmpagos; ou seja que aqui nesta primeira trombeta nos está mostrando uma desordem climática severa, de tal maneira que houve uma tormenta de granizo tremenda, não é uma tormenta leve, mas sim afeta a terceira parte da terra. Depois vamos ver qual é essa terceira parte, porque outros versículos o dizem; enquanto isso nos fixemos nas palavras granizo e fogo; este fogo no sentido de relâmpagos; o Senhor escolheu que a primeira trombeta seja como a sétima praga que caiu sobre o Egito, mas magnificada.

Vamos ler sobre essa praga no capítulo 9 de Êxodo; no livro de Êxodo vamos ao capítulo 9 e vamos ver a descrição desta praga, porque na primeira trombeta esta mesma praga é derramada sobre a terra, só que com uma magnitude maior; aquela vez somente afetou à terra do Egito, com exceção do Gosén; agora vai afetar a terça parte da terra; ou seja que é algo bastante grande. Então Êxodo 9, do versículo 13, vamos ver a descrição desta praga que na primeira trombeta será magnificada, mas é importante ler em Êxodo, porque nos damos conta de que é quase a mesma coisa com a diferença do tamanho ou a magnitude: “13 Disse o SENHOR a Moisés: Levanta-te pela manhã cedo, apresenta-te a Faraó e dize-lhe: Assim diz o SENHOR, o Deus dos hebreus: Deixa ir o meu povo, para que me sirva”. Esta é a sétima praga que caiu sobre o Egito. “14 Pois esta vez enviarei todas as minhas pragas sobre o teu coração, (notem, para onde foram dirigidas as pragas, para o coração) e sobre os teus oficiais, e sobre o teu povo, (para que?) para que saibas (olhem os objetivos disto) que não há quem me seja semelhante em toda a terra.15 Pois já eu poderia ter estendido a mão para te ferir a ti e o teu povo com pestilência, e terias sido cortado da terra; 16 mas, deveras, para isso te hei mantido, a fim de mostrar-te o meu poder, e para que seja o meu nome anunciado em toda a terra. 17 Ainda te levantas contra o meu povo, para não deixá-lo ir? 18 Eis que amanhã, por este tempo, farei cair mui grave chuva de pedras, (o granizo é algo normal, mas aqui é um pouco magnificado, é muito e muito pesado) como nunca houve no Egito, desde o dia em que foi fundado até hoje.” Olhem a misericórdia de Deus: “19 Agora, pois, manda recolher o teu gado e tudo o que tens no campo; todo homem e animal que se acharem no campo e não se recolherem a casa, em caindo sobre eles a chuva de pedras, morrerão”. Por isso é que em Apocalipse diz misturado em sangue; não diz que caiu sangue com o granizo, mas sim foi misturado em sangre ao golpear animais e seres humanos.

“20 Quem dos oficiais de Faraó temia a palavra do SENHOR fez fugir os seus servos e o seu gado para as casas;21 aquele, porém, que não se importava com a palavra do SENHOR deixou ficar no campo os seus servos e o seu gado. 22 Então, disse o SENHOR a Moisés: Estende a mão para o céu, (notem, Deus havia dito: eu estenderei minha mão, mas agora Deus diz a Moisés: estende você, sua mão, ou seja que quando Moisés estendeu sua mão, ele representou a mão elevada do Senhor) e cairá chuva de pedras em toda a terra do Egito, sobre homens, sobre animais e sobre toda planta do campo na terra do Egito.” Porque o granizo queima as plantas onde cai. “23E Moisés estendeu o seu bordão para o céu; o SENHOR deu trovões e chuva de pedras, e fogo (os relâmpagos, dão-se conta?) desceu sobre a terra; e fez o SENHOR cair chuva de pedras sobre a terra do Egito”. Então vocês notem como aparece o granizo relacionado com o fogo, ou seja, os relâmpagos. Quer dizer que esta é uma situação climática severa.

Diz o verso 23: “e fogo desceu sobre a terra”; o contexto dos trovões e do granizo; ou seja que este fogo relacionado com o granizo se refere aos relâmpagos; uma tormenta terrível de relâmpagos junto com o granizo. “24 De maneira que havia chuva de pedras e fogo misturado com a chuva de pedras tão grave, qual nunca houve em toda a terra do Egito, desde que veio a ser uma nação.25 Por toda a terra do Egito a chuva de pedras feriu tudo quanto havia no campo, tanto homens como animais; feriu também a chuva de pedras toda planta do campo e quebrou todas as árvores do campo”. Estamos vendo o que faz uma chuva de granizo destas. “26 Somente na terra de Gósen, onde estavam os filhos de Israel, não havia chuva de pedras.27 Então, Faraó mandou chamar a Moisés e a Arão e lhes disse: Esta vez pequei; o SENHOR é justo, porém eu e o meu povo somos ímpios.28 Orai ao SENHOR; pois já bastam estes grandes trovões e a chuva de pedras. Eu vos deixarei ir, e não ficareis mais aqui.
29 Respondeu-lhe Moisés: Em saindo eu da cidade, estenderei as mãos ao SENHOR; os trovões cessarão, e já não haverá chuva de pedras; para que saibas que a terra é do SENHOR.30 Quanto a ti, porém, e aos teus oficiais, eu sei que ainda não temeis ao SENHOR Deus”. Deus sabe que necessita muitas trombetas; a gente teme um pouquinho, mas tão logo se calma a coisa, a gente volta para o mesmo; então Deus tem que trovejar mais forte; Deus sabe como é o homem, que precisa ir apertando a porca um pouco mais. “31O linho e a cevada foram feridos, (é muito interessante ver este verso para compará-lo com Apocalipse) pois a cevada já estava na espiga, e o linho, em flor.32 Porém o trigo e o centeio não sofreram dano, porque ainda não haviam nascido”. Por isso é que mais adiante outra vez voltam a mencionar plantas, e alguém se pergunta: mas acaso não tinham sido destruídas? Como é que aparecem de novo? É que era outra época da colheita; o mesmo acontece em Apocalipse; a gente vê que em uma trombeta se queima toda a erva da terra, entretanto na quinta trombeta ainda lhe diz: não toque à erva verde, a não ser aos homens que não têm o selo de Deus; aos que não têm o selo, os toca; ou seja que há de novo erva; o mesmo que aconteceu para cá, dão-se conta? Ou seja que embora a erva foi queimada, isso não quer dizer que não ia nascer outra. Aqui este versículo nos ajuda a entender o outro assunto de Apocalipse.

A OBSTINAÇÃO DO HOMEM

“Saiu, pois, Moisés da presença de Faraó e da cidade e estendeu as mãos ao SENHOR; cessaram os trovões e a chuva de pedras, e não caiu mais chuva sobre a terra.34 Tendo visto Faraó que cessaram as chuvas, (aí está o homem) as pedras e os trovões, tornou a pecar, (parece que alguém pensa: agora sim, agora a coisa está tão pesada que hoje me arrependo; mas quando a mão voltar outra vez a se afrouxar, ah! então, necessitamos mais de uma praga, verdade? Deus tenha misericórdia de nós) e endureceu o coração, ele e os seus oficiais. 35 E assim Faraó, de coração endurecido, não deixou ir os filhos de Israel, como o SENHOR tinha dito a Moisés”. Porque Senhor conhece homem. Nos damos conta por esta passagem de que a praga do granizo e a sétima praga das dez que vieram ao Egito, é exatamente a mesma praga da primeira trombeta, somente que a da primeira trombeta é maior em magnitude; o fogo que aparece ali na sétima praga é o fogo dos relâmpagos, o fogo dos raios. Não somente aqui em Êxodo estão unidas estas duas coisas: o granizo e o fogo relativos aos relâmpagos, a não ser em outras passagens também. Vamos ver essas outras passagens para tê-los juntos.

O FOGO SE REFERE AOS RELÂMPAGOS

Vamos olhar por exemplo, algo dos Salmos; vamos ver três ou quatro passagens dos Salmos que nos falam destas coisas relativas ao granizo. Salmo 18:12-14: “12Do resplendor que diante dele havia, as densas nuvens se desfizeram; (a primeira vez que apareceram as nuvens foi para o dilúvio e depois para as pragas lá no Egito, mas também de novo, antes de cair granizo, pois vêm as nuvens) em granizo e brasas chamejantes.13 Trovejou, então, o SENHOR, nos céus; o Altíssimo levantou a voz, e houve granizo e brasas de fogo. 14 Despediu as suas setas e espalhou os meus inimigos, multiplicou os seus raios e os desbaratou”. Aqui vemos como o julgamento de Deus vem com granizo e fogo; este fogo se refere a relâmpagos. Vamos olhar agora o Salmo 78 do versículo 47: “47 Com chuvas de pedra lhes destruiu as vinhas e os seus sicômoros, com geada.48 Entregou à saraiva o gado deles e aos raios, os seus rebanhos.49 Lançou contra eles o furor da sua ira: cólera, indignação e calamidade, legião de anjos portadores de males”. Este primeiro anjo que tocou a trombeta anuncia destruição, e vemos aqui: destruição por meio de granizo e fogo, ou seja, relâmpagos, pedras brutas, etc. Passemos a outra passagem; continuamos no livro dos Salmos. Salmo 105:32. Este é um Salmo de Davi; não diz aqui ao início do Salmo, mas aparece em Crônicas como de Davi: “Por chuva deu-lhes saraiva, (em vez de chuva, granizo) e fogo chamejante, na sua terra”; ou seja, os relâmpagos que produzem incêndio, verdade? Aqui vemos outra vez o granizo e o fogo relacionados, mas no sentido de relâmpagos. Uma passagem mais, o Salmo 148:7,8: “9 Louvai ao SENHOR da terra, monstros marinhos e abismos todos; 8 fogo e saraiva, neve e vapor e ventos procelosos que lhe executam a palavra”. O fogo e o granizo aparecem outra vez relacionados; este fogo, pois, refere-se aos relâmpagos. Então vimos já várias passagens, desde Êxodo e várias passagens dos Salmos onde o fogo e o granizo se relacionam como na primeira trombeta, mas nos dão a entender pelos versículos que este fogo se refere ao fogo dos relâmpagos, amém?

Voltemos para Apocalipse 8:7 que diz: “houve saraiva e fogo de mistura com sangue”; esta palavra não diz: “com”, a não ser “em”. Se a tradução for “com” é como se do alto da atmosfera viesse sangue, mas quando diz: “em”, é quando têm caído; logicamente se caírem sobre animais, se caírem sobre pessoas, mesclam-se em sangue; embora claro que agora há homens por lá em aviões e satélites artificiais; que tal que venha o granizo e os raios com eles também? Aí sim não só seria em sangue, mas também com sangue também; mas bom, isso o deixamos assim, ao cumprimento de parte do Senhor.

Irmãos, isto que estamos lendo aqui na primeira trombeta, é a primeira grande chuva de granizo terrível; há chuvas de granizo normais, mas uma de tipo de julgamento que queima a terceira parta da terra não é uma coisa simples, é uma coisa grande. Na Bíblia aparecem três menções destas chuvas de granizo terríveis; a primeira é esta do capítulo 8 versículo 7, ou seja, a primeira trombeta. A segunda grande chuva de granizo aparece na sétima trombeta (11:19), isso é no contexto da sétima trombeta; a sexta trombeta é tocada durante o capítulo 9 e segue o 10 com o anjo do Senhor abrindo o livro, e a 11 com as duas testemunhas, e quando mata às duas testemunhas, a besta, e que Deus os ressuscita e os levanta, aí vem a segunda menção de grande chuva de granizo; lemo-lo em Apocalipse 11:19: “Abriu-se, então, o santuário de Deus, que se acha no céu, e foi vista a arca da Aliança no seu santuário, e sobrevieram relâmpagos, vozes, trovões, terremoto (este é o segundo, verdade?) e grande saraivada”. Aqui aparece grande saraivada, ou seja, granizo grosso em quantidade; é na sétima trombeta; na primeira há granizo, na sétima há granizo, mas também na sétima trombeta se abrem as taças da ira; porque olhem o que diz a sétima trombeta, o verso 18: “Na verdade, as nações se enfureceram; chegou, porém, a tua ira”; ou seja, quando a sétima trombeta se toca, é o momento de iniciar a ira, mas a ira se consuma com as taças; olhem no capítulo 15, versículo 1: “Vi no céu outro sinal grande e admirável: sete anjos tendo os sete últimos flagelos, pois com estes se consumou a cólera de Deus”. A ira de Deus que chega com a sétima trombeta, consuma-se com as sete taças da ira.

GRANIZOS DE GRANDE PESO

A chuva de granizo mencionada pela terceira vez, a das taças da ira, a da grande batalha na que Deus briga, que temos que estudá-la com detalhe, está aí no capítulo 16, verso 21, que corresponde precisamente à sétima taça; a terceira mencionada grande chuva de granizo, que é a pior, a que consuma; diz assim: “também desabou do céu sobre os homens grande saraivada, com pedras que pesavam cerca de um talento; (até aqui tinha sido granizo muito pesado, verdade? Mas agora diz, como do peso de um talento; isso equivale a quase 34 quilogramas; então imaginem um granizo de 34 quilogramas; são pedras assim como a das caudas dos cometas; são muitas gotinhas congeladas e pegas umas com outras que formam pedras de um talento) e, por causa do flagelo da chuva de pedras, os homens blasfemaram de Deus; (aqui lhe chama “flagelo da chuva de pedras”; lá no Egito foi uma só praga de granizo; só o Egito; aqui são três tremendas chuvas de granizo: uma na primeira trombeta, outra na sétima trombeta e outra, ao final, na sétima taça, onde se consuma a ira) porquanto o seu flagelo era sobremodo grande”.

Então vemos que aqui fala de três tremendas chuvas de granizo; não são granizos pequenos; cada vez se vão fazendo maiores. Aqui em Remará já caíram como bolas de ping pong, inclusive de tênis, que romperam inclusive vidros de carros, etc. Já Remará conhece um pouquinho o que é o granizo, mas isto de granizo como um talento é imensamente grande; são como grandes pedras que diz no livro de Josué referindo-se a grande batalha que temos que estudar.

GRANIZO RESERVADO PARA O TEMPO DE ANGÚSTIA

Vamos ao livro do Jó, ao capítulo 38, a ver ali estas tremendas chuvas de granizo; vemo-las de uma vez, posto que a primeira trombeta é granizo; vamos ver isso no livro de Jó 38:22-23. Olhem o que pergunta Deus a Jó; Deus, que é onisciente sabia todas estas coisas, já as tinha preparadas, sabia que tinha que fazê-lo assim.

“22 Acaso, entraste nos depósitos da neve e viste os tesouros da saraiva,
23 que eu retenho (notem três coisas aqui) até ao tempo da angústia, (um, essa é a primeira trombeta) até ao dia da peleja (essa é a sétima trombeta) e da guerra?” Essa é a sétima taça, aqui aparece. “Acaso, entraste nos depósitos da neve e viste os tesouros da saraiva, 23 que eu retenho até (Deus tem granizo reservado para) ao tempo da angústia, até ao dia da peleja e da guerra?” O tempo de angústia, refere-se a grande tribulação. Recordem que essa mesma expressão aparece quando Israel passa pela tribulação; segundo Daniel 12, lhe chama tempo de angústia para o Jacó; então aqui diz que Deus tem granizo reservado para o tempo de angústia, ou seja para a grande tribulação. A grande tribulação começa com o sexto selo, e logo com o sétimo selo, e esta primeira trombeta, que é granizo; ou seja que este granizo para o tempo de angústia é o relativo à primeira trombeta; mas logo diz: “para o dia da peleja”. O dia da guerra é o da sétima trombeta, porque se vocês se fixam, diz em Apocalipse 11:18: “Na verdade, as nações se enfureceram; chegou, porém, a tua ira”; então essa é a guerra; mas logo a final da citação de Jó diz: “e da guerra”, não somente guerra, a não ser batalha. a Bíblia fala de uma batalha específica final, que um dia vamos estudar com mais detalhe, que é a batalha que diz Zacarias capítulo 14, que o Senhor brigará por Israel, como brigou no dia da batalha, como nos tempos de Josué, que caíram grandes pedras; assim voltará a brigar o Senhor quando todo mundo vier contra Israel; então o Senhor derrama este tremendo granizo como de um talento cada granizo; esse é o dia da batalha; por isso aparecem três menções de tremendas chuvas de granizo que aparecem no livro de Jó, amém?

Vocês recordam que Joel em poucas palavras resume várias trombetas. Vamos ver Joel:2:30; embora ele o diz muito resumido, entretanto, vamos ver a parte que lhe compete neste contexto das trombetas. “30 Mostrarei prodígios no céu e na terra: sangue, (aparece sangue; ali está resumido o sangue que aparece na primeira trombeta, e além disso a que aparece nas demais trombetas; tudo isso está resumido nesta palavra, “sangue) fogo, (aqui, nesta só palavra, também está resumido o que aparece em distintas partes) e colunas de fumaça” é a fumaça que obscureceu a terceira parte do sol, que aparece também lá na quarta e na quinta trombeta; ou seja, que o que acontece nas trombetas é resumido por Joel em poucas palavras. Ele diz: “sangue, e fogo, e colunas de fumaça. 31 O sol se converterá em trevas, e a lua, em sangue, antes que venha o grande e terrível Dia do SENHOR” isto é antes, ou seja, ao início da tribulação, o sexto selo e nas primeiras trombetas. depois da tribulação também há o mesmo; ou seja que se repete intensificado; há uma dupla dose, trombeta e taça; e do granizo há três dose; a última é a mais pesada.

Voltemos para Apocalipse 8:7, pois temos que seguir analisando este versículo com outros detalhes. “O primeiro anjo tocou a trombeta, e houve saraiva e fogo de mistura com sangue, e foram atirados à terra. Foi, então queimada; (e agora a frase que falta em Reina Valera, mas não em muitas outras nem nos manuscritos antigos) a terça parte da terra”. Vemos que essa tremenda tormenta de granizo queimará um terço da terra; quer dizer, virtualmente como um continente inteiro.

Agora para saber qual é este continente que é queimado, porque aqui diz que é um terço da terra, então agora, qual seria esse terço? Temos que procurar estas profecias onde Deus promete granizo específico a terras específicas, para que mais ou menos possamos entender possivelmente qual seja esse continente ou essa terceira parte da terra que será visitada com granizo.

O JULGAMENTO DOS FALSOS PROFETAS

Vamos ler uns versículos extremamente interessantes. Primeiro vamos a Isaías; ali vamos ver duas passagens chaves: Isaías 28:2: “Eis que o Senhor tem certo homem valente e poderoso; (esse é o anjo que toca a trombeta) este, como uma queda de saraiva, como uma tormenta de destruição e como uma tempestade de impetuosas águas que transbordam, com poder as derribará por terra”. Aqui o Senhor por Isaías já tinha profetizado que ele tinha um que seria pancada de chuva de granizo. “Eis que o Senhor tem certo homem valente e poderoso; este, como uma queda de saraiva”. E agora, o verso 17 de Isaías 28 diz: “Farei do juízo a régua e da justiça, o prumo”; note, Deus julga com medida; notem em que as trombetas são só um terço do que são as taças. “a saraiva varrerá o refúgio da mentira, e as águas arrastarão o esconderijo”.

Então olhem esta palavra que diz aqui: “a saraiva varrerá o refúgio da mentira”. Quer dizer que na primeira trombeta Deus começa a julgar com granizo; o granizo vem para julgar a mentira, e essa mentira inclui as falsas profecias e os falsos profetas; o julgamento dos falsos profetas é com granizo. Vamos ver este castigo do refúgio da mentira com granizo em Ezequiel 13:11-14. Vocês sabem que Ezequiel capítulo 13 fala da condenação dos falsos profetas; pessoas que dizem de seu próprio coração lhe atribuindo a Deus o que lhes ocorre. Então, todo o capítulo 13 de Ezequiel fala da mentira, mas os versos 11 aos 14, dizem: “11 dize aos que a rebocam de argamassa magra”; quais são os que rebocam com argamassa magra ? Os que dizem: paz a seu povo quando não há paz, os que utilizam a profecia de maneira falsa, que dizem o que está em seu coração em forma de profecia para fazer acreditar que Deus é o que fala; isso é rebocar a parede com argamassa magra. Leia em sua casa todo o capítulo 13 e se dará conta que a isso é ao que se refere à argamassa magra; mas olhem o que diz Deus aos que rebocam a parede com argamassa magra; esse é o refúgio da mentira que diz Ezequiel: “dize aos que a rebocam de argamassa magra que cairá. Haverá uma chuva de inundação; vós, ó grandes pedras de saraiva, caireis, e um vento tempestuoso a fenderá”. O mesmo que dizia Isaías 28:17, refúgio da mentira destruído com granizo; o mesmo diz para cá: “a saraiva varrerá o refúgio da mentira, e as águas arrastarão o esconderijo”, à parede rebocada com argamassa magra; ou seja, pretendida a amparo da falsa profecia, essa é a parede recoberta com massa magra. “12 Eis que quando tiver caído a parede, não se vos dirá: Onde está o reboco, com que a rebocastes?

13 Portanto assim diz o Senhor Jeová: Fendê-la-ei no meu furor com um vento impetuoso; e na minha ira haverá uma chuva de inundação, e grandes pedras de saraiva com furor para consumi-la. 14 Assim (com granizo) demolirei a parede que rebocastes de argamassa magra, e darei com ela por terra, de sorte que seja descoberto o seu fundamento. Ela cairá, e vós sereis consumidos no meio dela; e sabereis que eu sou Jeová”. Bom, então aqui vemos que o granizo vem para castigar a mentira.

LOCALIZANDO AS REGIÕES AFETADAS

Agora vamos aos dois versículos interessantes; se nos disser que a terceira parte vai ser queimada, qual será o continente? Onde será que cairá? Porque Deus já disse onde cairia; se não o houvesse dito, mas já o disse. Então vamos a um versículo que é muito importante; não só um versículo mas também um capítulo, porque tem que ver inclusive com nossos dias. Olhem o que diz Isaías 30:18-33; lemo-lo todo para ter o contexto do tempo do fim; se lermos somente o versículo do granizo, não vamos entender bem; mas se lermos o contexto imediato da profecia vamos entender melhor.

Aqui Deus está falando para o tempo do fim quando Ele tomaria de novo ao Israel. Vocês sabem que a Bíblia diz, já o estudamos aqui, que Deus permitiu que os israelitas, por terem recusado ao Messias, fossem espalhados enquanto Deus trabalhava com os gentios; mas ao tempo do fim Deus traria de novo aos israelitas a sua terra, e isso já começou em 1948; logo em 1967 recuperaram a cidade de Jerusalém, e em 1980 a declararam capital; ou seja que já começou o tempo de Israel estar voltando para sua terra; isso é para receber ao Messias. Embora eles não o entendem agora, Deus o profetizou assim; então nesse contexto do tempo quando o Israel está voltando, e que é também julgamento final, não o julgamento do trono branco, a não ser trombeta de julgamento, que diz aqui, Isaías 30:18; leiamo-lo com cuidado: “Por isso, o SENHOR espera, para ter misericórdia de vós”; ou seja, por agora está o julgamento de Deus sobre o Israel. “18 Por isso, o SENHOR espera, para ter misericórdia de vós, (fala com Israel; ainda há julgamento para Israel, mas ao final Deus vai ter piedade; assim como teve piedade dos gentios terá piedade de Israel, verdade?) e se detém, (por ter piedade) para se compadecer de vós, porque o SENHOR é Deus de justiça; bem-aventurados todos os que nele esperam. 19 Porque o povo habitará em Sião, em Jerusalém; (já não espalhado) tu não chorarás mais; (é quando Deus consola e eles recebem ao Messias) certamente, se compadecerá de ti, à voz do teu clamor, e, ouvindo-a, te responderá. 20 Embora o Senhor vos dê pão de angústia e água de aflição, (essas são as perseguições que teve Israel, e especialmente no tempo de angústia, na tribulação) contudo, não se esconderão mais os teus mestres; os teus olhos verão os teus mestres”. Israel começará a compreender pouco a pouco ao final. “21 Quando te desviares para a direita e quando te desviares para a esquerda, os teus ouvidos ouvirão atrás de ti uma palavra, dizendo: Este é o caminho, (até aqui tinham dado voltas pela periferia, mas ao final conhecerão o caminho estreito.
Jesus Cristo é o caminho) andai por ele.
22 E terás por contaminados a prata que recobre as imagens esculpidas e o ouro que reveste as tuas imagens de fundição; lançá-las-ás fora como coisa imunda e a cada uma dirás Fora daqui!. (É a idolatria) 23 Então (notem o então, então; então é o tempo) Então, o Senhor te dará chuva sobre a tua semente, com que semeares a terra, como também pão como produto da terra, o qual será farto e nutritivo; naquele dia, o teu gado pastará em lugares espaçosos. 24 Os bois e os jumentos que lavram a terra comerão forragem com sal, alimpada com pá e forquilha”.

QUANDO CAÍREM AS TORRES

Está falando de como o Senhor abençoará a Israel, e também depois no Milênio; e fixem-se no versículo 25 que é muito atual: “25 Em todo monte alto e em todo outeiro elevado haverá ribeiros e correntes de águas, no dia da grande matança quando caírem as torres”. Significa que o dia da grande matança começa com a queda das torres; quer dizer, Deus começa a reunir ao Israel ao tempo final, e o tempo final é o dia da grande matança; e o que é o que caracteriza a chegada do dia da grande matança? A queda das torres. Claro, que não só vão cair as torres do World Trade Center em Nova Iorque; cidades inteiras vão cair. “26 A luz da lua será como a do sol, e a do sol, sete vezes maior, (isso é já para o Milênio) como a luz de sete dias, no dia em que o SENHOR atar a ferida do seu povo e curar a chaga do golpe que ele deu”. Este é o retorno de Israel. “27 Eis o nome do SENHOR vem de longe, ardendo na sua ira, no meio de espessas nuvens; os seus lábios estão cheios de indignação, e a sua língua é como fogo devorador.
28 A sua respiração é como a torrente que transborda e chega até ao pescoço, para peneirar as nações com peneira de destruição; (notem que no contexto do retorno do Israel vem o julgamento das nações) um freio de fazer errar estará nos queixos dos povos”. Notem, a globalização está levando da queixada aos povos para o governo do anticristo, como disse Jesus: o joio sendo atado em feixes para ser queimado; aí está, as nações sendo levadas das queixadas, errando. “29 Um cântico haverá entre vós (em vez das nações, o povo do Senhor) como na noite em que se celebra festa santa; e alegria de coração, como a daquele que sai ao som da flauta para ir ao monte do SENHOR, à Rocha de Israel”.

CHUVA DE GRANIZO SOBRE O IRAQUE

Agora olhem a primeira trombeta aqui no versículo 30: “30 O SENHOR fará ouvir a sua voz majestosa e fará ver o golpe do seu braço, que desce com indignação de ira, no meio de chamas devoradoras, de chuvas torrenciais, de tempestades e de pedra de saraiva”. Aqui está à voz do Senhor, forte, granizo em tempestade; e olhem o que diz: “31 Porque com a voz do SENHOR será apavorada a Assíria...”; sabem quem é Assíria hoje? Iraque; qual era a capital de Assíria? Nínive; onde ficava Nínive? No Iraque, onde está o Tigre e o Eufrates; aí estava Babilônia, que era formada pelos caldeus e pelos assírios. Então olhem o que acontecerá o Iraque ao final; aonde vai cair o granizo? Diz: “30 O SENHOR fará ouvir a sua voz majestosa”, verdade? e além disso diz: “com indignação de ira, no meio de chamas devoradoras, de chuvas torrenciais, de tempestades e de pedra de saraiva.31 Porque com a voz do SENHOR será apavorada a Assíria (esse “porque” do versículo 31 está associado com o anterior; por que faz isso Deus? “31 Porque com a voz do SENHOR será apavorada a Assíria, quando ele a fere com a vara, (não fez isso Assíria? não feriu com vara? Não mandou foguetes contra Israel? E mas coisas; Senaqueribe e Sadan Hussein) “31 Porque com a voz do SENHOR será apavorada a Assíria, quando ele a fere com a vara”. Com a primeira trombeta traz granizo. “32 Cada pancada castigadora, com a vara, que o SENHOR lhe der, será ao som de tamboris e harpas; e combaterá vibrando golpes contra eles”. Aqui aparece a batalha final que é com granizo, que depois olharemos com mais detalhe. “33 Na verdade Tofete”; sabem o que é Tofete? Tofete se refere ao vale de Hinon. O vale do Hinon era o incinerador de lixos nos subúrbios de Jerusalém, a Geena; a palavra Geena vem de vale de Hinon; ali havia um lugar que se chamava Tofete onde adoravam ao Moloque, onde sacrificavam os meninos; então olhem o que diz Deus: “33 Na verdade Tofete está, de há muito, preparado; sim para o rei, (vem falando do rei da Assíria, ou seja, que o rei de Assíria será enterrado no Tofete) está aparelhado. Foi feito profundo e dilatado: a sua pira tem fogo e muita lenha; o assopro de Jeová, como uma torrente de enxofre, é o que o acende”. Então aqui vemos que a voz do Senhor produz tormenta de granizo, mas contra quem? Contra Assíria, que hoje em dia é o Iraque; mas o Iraque ainda não é um continente; Iraque está perto da Rússia, e o resto de granizo vem sobre a Rússia, e assim é todo um continente.

PROFECIA SOBRE A RÚSSIA

Vamos ver isso no Ezequiel capítulo 38. Não há tempo de ler todo o relativo ao Israel, verdade? Mas vamos olhar pelo menos uma parte; a profecia do Ezequiel 38 fala de Gogue e Magogue, que se refere claramente à Rússia, o extremo norte; leiamos a parte relativa a que a Rússia está destinada à chuva de granizo de Deus. No capítulo 38 que fala sobre a Rússia, diz o versículo 22: “22 Contenderei com ele (contra Gogue, Magogue e sua multidão; ou seja, contra Rússia e os que estão com ele) por meio da peste e do sangue; chuva inundante, grandes pedras de saraiva, fogo e enxofre farei cair sobre ele, sobre as suas tropas e sobre os muitos povos que estiverem com ele, (os antigos aliados do pacto da Varsóvia) 23 Assim, eu me engrandecerei, vindicarei a minha santidade e me darei a conhecer aos olhos de muitas nações; e saberão que eu sou o SENHOR”.

Então, irmãos, damo-nos conta de que aqui claramente Deus menciona duas nações específicas, que juntando as duas, agora sim é todo um continente que estão destinadas a receber tremenda chuva de granizo, e essas são: Assíria, que hoje é o Iraque e as nações que estão com ele, e Rússia e as nações que estão com ela. Especificamente Deus menciona granizo para Assíria e granizo para Gogue e Magogue e seus aliados; isso sim realmente forma um grande continente que bem poderia ser essa terceira parte da terra que diz o texto da primeira trombeta que seria castigada com granizo.

AS RAZÕES DE DEUS PARA FERIR COM GRANIZO

Voltando para Apocalipse 8:7 diz: “O primeiro anjo tocou a trombeta, e houve saraiva e fogo de mistura com sangue, e foram atirados à terra. Foi, então, queimada a terça parte da terra, e das árvores, e também toda erva verde”. Qual poderia ser esse terço da terra? Quase o terço da terra poderia ser como um continente, pelo menos Assíria e Rússia estão claramente profetizados para ser castigados com granizo e fogo. Diz além disso: “e o terço das árvores”. A palavra que aqui diz: a terceira parte, realmente é uma só palavra: “o terço das árvores se queimou”; ou seja esse terço; deve ser justamente ali onde caiu o granizo como aconteceu naquela sétima praga do Egito que queimou as plantas; “e se queimou toda a erva verde”. Realmente a primeira trombeta, que não é mais que o começo do julgamento, como o anúncio da introdução do julgamento, é bastante sério.

Vamos terminar lendo um versículo que nos ajudará a entender por que Deus utiliza às vezes estas coisas. Vamos ao Ageu 2:17; aí estão as razões de Deus; aí nos diz por que Deus castiga com granizo.

Ageu 2:17 nos dá a resposta; ali está a razão, como já vimos em outras passagens também. Por que Deus castiga com granizo? “Eu vos feri com queimaduras, e com ferrugem, e com saraiva, em toda a obra das vossas mãos; e não houve, entre vós, quem voltasse para mim, diz o SENHOR”. O que era o que procurava Deus com o julgamento, com o castigo? Não era destruir; era que as pessoas se convertessem; feri-lhes com isto, mas não lhes converteram para mim; com essa frase: “mas não se converteram para mim”, Deus está mostrando que o que Ele queria, o que Ele procurava, era a conversão.

Então, irmãos, acredito que é suficiente por hoje ver o relativo à primeira trombeta. Vamos dar graças a Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário