sexta-feira, 30 de outubro de 2009

45. A Sétima Trombeta

Aproximação ao Apocalipse (45)

A SÉTIMA TROMBETA

CONTÉM O TERCEIRO AI

( FIM DO TOMO I)




“O sétimo anjo tocou a trombeta, e houve no céu grandes vozes, dizendo: O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos”. Apocalipse 11:15.

CONSIDERAÇÕES DE CRÍTICA TEXTUAL

Vamos estudar a palavra do Senhor; vamos continuar com esta aproximação ao livro do Apocalipse. Hoje chegamos à sétima trombeta. A sétima trombeta a estudamos em Apocalipse 11:15-19. Ao abrir a Bíblia, primeiro vamos fazer, como acostumamos, uma consideração de crítica textual, examinando esta tradução de Reina-valera de 1960 que temos aqui a maioria, à luz dos manuscritos mais antigos. Vamos fazer primeiro uma leitura neste sentido e depois voltamos normalmente sobre nossos passos para a exegese.

Apocalipse 11:15-19: “15 O sétimo anjo tocou a trombeta, e houve no céu grandes vozes, dizendo: O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos. 16 E os vinte e quatro anciãos que se encontram sentados no seu trono, diante de Deus (alguns poucos manuscritos dizem diante do trono de Deus, mas a maioria o diz como está aqui) sentados no seu trono, diante de Deus, prostraram-se sobre o seu rosto e adoraram a Deus, 17 dizendo: Graças te damos, Senhor Deus, Todo-Poderoso, que és e que eras, porque assumiste o teu grande poder e passaste a reinar”. Viram, meus irmãos, que acabo de saltar uma frase do versículo que diz: “e que há de vir”; todos os manuscritos mais antigos nesta passagem dizem: “que é e que foi”; somente a partir do século X um códice uncial chamado o 052, que está no monte Atos, acrescentou-lhe essa frase “e que há de vir” para igualá-lo com as ocasiões passadas em que era dito assim. Vocês recordam que antes no capítulo 1 e no capítulo 4 o havia dito dessa maneira. No capítulo1 tinha aparecido o que é, que era e que há que vir. No 1:4 diz: “Graça e paz a vós, de que é e que era e que há de vir,” e no versículo 8 também diz: “que é e que era e que há de vir,” verdade? E logo quando adora ao Senhor no capítulo 4:8, diz: “Santo, santo, santo é o Senhor Deus Todo-poderoso, que era, que é, e o que há de vir”. No capítulo 1 e no capítulo 4 essas três expressões dizem assim, mas no capítulo 11, onde se fala da sétima trombeta e onde na sétima trombeta se cumpre o que diz: que tem que vir; então já não se diz que tem que vir, não o dizem os manuscritos mais antigos, simplesmente porque já veio; mas então um dos escribas, um escriba a partir do século X, que copiou o códice uncial número 052 no monte Atos, ele tratou de igualar o que dizia nos capítulos 1 e 4, e lhe acrescentou essa frase a este versículo para tratar de igualá-lo; mas os manuscritos anteriores não o dizem assim; só o diz o códice 052 e 16 manuscritos posteriores. Dos 300 que há do Apocalipse, só 16 posteriores seguiram a onda deste escriba que lhe acrescentou e igualou a expressão; mas não é correto acrescentar esse pedaço porque aqui na sétima trombeta é já Sua vinda; a sétima trombeta inclui Sua vinda.

“O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo” (v.15); então já não se pode dizer o que há de vir; assim não diz no grego; então esse é o comentário a respeito desta tradução comparando-a com os originais, amém?

Voltamos para 17: “17 dizendo: Graças te damos, Senhor Deus, Todo-Poderoso, que és e que eras, porque assumiste o teu grande poder e passaste a reinar. 18 Na verdade, as nações se enfureceram; chegou, porém, a tua ira, e o tempo determinado para serem julgados os mortos, para se dar o galardão aos teus servos, os profetas, aos santos e aos que temem o teu nome, tanto aos pequenos como aos grandes”; ali aparece a palavra “a”, aos pequenos e aos grandes. Existem entre os manuscritos uns que dizem a palavra no caso que se está acostumado a chamar no grego, um caso nominativo, ou um caso acusativo, anakoluto se diz em grego; e quando se diz: “aos” é dativo, então alguns manuscritos o dizem em acusativo, “os pequenos e os grandes”, tois microis kai tois megalois; tois microis, quer dizer, os pequenos; e kai tois megalois, e os grandes; mas outros manuscritos não dizem tois, a não ser tous microis kai tous megalois, quer dizer, uns manuscritos dizem ous, outros ois; a terminação “ois” é um dativo, ou seja, “a” é o caso dativo, “aos pequenos e aos grandes”; e quando diz “ous” é um caso acusativo, “os pequenos e os grandes”. Os eruditos não sabem qual das duas versões é a mais parecida, mas se inclinam pelo chamado acusativo anakoluto, quer dizer, “os pequenos e os grandes”; então lhes tenho que comentar isto; “e para destruíres os que destroem a terra. 19 Abriu-se, então, o santuário de Deus, que se acha no céu, e foi vista a arca da Aliança no seu santuário, e sobrevieram relâmpagos, vozes, trovões, terremoto e grande saraivada”. Até aqui o texto do correspondente à sétima trombeta.

IMPLICAÇÕES DA SÉTIMA TROMBETA

Meus irmãos; já sabemos que o livro que o Cordeiro abriu tinha sete selos, e o sétimo selo inclui a sétima trombeta; a abertura do sétimo selo é o toque das sete trombetas; quer dizer que o livro completo se termina com o sétimo selo, e o sétimo selo se termina com a sétima trombeta. A sétima trombeta abrange a revelação completa do livro dos sete selos, que mostra o plano da economia divina, de que maneira o Pai que sentou a Seu Filho à Sua destra, disse-lhe que esperasse até pôr sob Seus pés todas as coisas; então o Filho se sentou, e Deus começou a pôr todas as coisas sob Seus pés; começou a acontecer o primeiro selo, o segundo selo, o terceiro selo, até o sétimo selo.

Quando o Cordeiro abriu o sétimo selo começam as trombetas, a sétima trombeta termina o sétimo selo e portanto termina a revelação de todo o Apocalipse. O que descreve do capítulo 12 até o 22 é que João profetiza os mesmos acontecimentos mas com novos detalhes e revelações.

COM A SÉTIMA TROMBETA SE CONSUMA O MISTÉRIO DE DEUS

Vocês recordam que Apocalipse 10:11 diz: “Então, me disseram: É necessário que ainda profetizes a respeito de muitos povos, nações, línguas e reis”. Vemos, pois, que a primeira vez da profecia vai do capítulo 1 até o capítulo 11; essa é a profecia de uma só vez; por isso o sétimo selo termina com a sétima trombeta; e se vocês lerem com cuidado o que acabamos de ler da sétima trombeta, inclui, como vamos vendo agora com mais detalhe, inclui inclusive até o novo céu e a nova terra. A sétima trombeta tem a parte positiva e uma parte negativa. A parte negativa porque é o terceiro ai, e é onde o Senhor introduz a consumação da ira com as sete taças; mas tem a parte positiva, que é que o Senhor toma o reino; significa que a vinda do Senhor, o tribunal de Cristo, o julgamento das nações, o Milênio e logo o julgamento final, a nova terra, o novo céu e a Nova Jerusalém, tudo isso está incluído na sétima trombeta. A sétima trombeta abrange até a terminação final da economia divina. Tínhamos visto no capítulo 10 que dizia no versículo 7: “mas, nos dias da voz do sétimo anjo, quando ele estiver para tocar a trombeta, cumprir-se-á, então, o mistério de Deus, segundo ele anunciou aos seus servos, os profetas”. Estou fazendo-o conforme a uma tradução mais ajustada ao grego.

Aqui vemos, pois, duas coisas: primeiro, que a sétima trombeta não é uma questão foto instantânea, mas sim que dura vários dias; por isso diz: nos dias, a sétima trombeta abrange vários dias, uma pluralidade de dias; “mas, nos dias da voz do sétimo anjo, quando ele estiver para tocar a trombeta, cumprir-se-á, então, o mistério de Deus”. Então o mistério de Deus se consuma, termina-se com a sétima trombeta; por isso a sétima trombeta abrange, como acabamos de ler agora, muitas coisas que vamos ver com mais detalhe para perceber tudo o que abrange; mas como a João, quando estava anunciando a sétima trombeta, lhe havia dito: Olhe, João, é necessário que profetize outra vez, então João profetiza outra vez desde a sétima trombeta em adiante; quer dizer, desde o capítulo 12 até o capítulo 22; é a segunda vez que João profetiza. A segunda parte da profecia é para enriquecer com mais detalhe o que já foi profetizado de maneira geral na primeira parte de Apocalipse. A primeira parte do 1 aos 11 abrange de eternidade a eternidade, o mistério de Deus consumado na sétima trombeta, mas agora João tinha que profetizar outra vez. Isso é comum na maneira didática de Deus.

A FORMA DIDÁTICA DA PROFECIA

Da Gênese se vê esse estilo de Deus. Por exemplo, primeiro diz: E criou Deus ao homem, a sua imagem e semelhança, varão e fêmea os criou; quer dizer, diz em forma resumida o fato; mas logo no capítulo 2 conta com detalhes o que havia dito resumidamente no capítulo 1. No capítulo 2 começa a dizer como tomou o barro em suas mãos e fez um homem, soprou-lhe e o pôs no jardim do Éden; e logo lhe tirou uma costela. Vemos que o que havia dito de maneira resumida em Gênese 1, volta-o a dizer com detalhe em Gênese 2.

Vocês recordam que sempre mencionamos as profecias do Daniel. Primeiro Daniel apresenta um esqueleto básico: o sonho do Nabucodonosor, a cabeça de ouro, os braços de prata, as coxas e ventre de bronze, as pernas de ferro e os pés de ferro misturado com barro; aí apresenta a história universal, suas principais seções históricas, os principais impérios e civilizações; quando volta a lhe mostrar no capítulo 7 uma visão, então entra em mostrar com mais detalhe as coisas. Mostra-lhe o leão com duas asas, no que antes era uma cabeça de ouro, Babilônia; apresenta aos medos e aos persas como um urso que se eleva mais de um lado que do outro, com umas costelas na boca, no que no capítulo 2 era só o peito e os braços de prata; ou seja que volta a contar o mesmo, mas com mais detalhe; logo ao leopardo, o que primeiro era só bronze, agora diz que era um leopardo com quatro asas; quer dizer, entrou em dar mais detalhes; logo no capítulo 8 dá ainda mais detalhe sobre aquele esqueleto e lhe pinta mais coisas. Quando se vê a última visão de Daniel, que abrange os capítulos 10, 11 e 12, está cheio de detalhes; quer dizer que o Senhor trata primeiro na profecia as linhas básicas e logo volta outra vez a falar do mesmo, mas acrescentando os detalhes, assim como fez em Gêneses, como fez em Daniel, como faz em muitas profecias sobre o qual Deus volta a falar e acrescenta detalhes.

O mesmo faz com Apocalipse. Primeiro profetiza uma vez, que vai do 1 até o 11; no 11 aparece a sétima trombeta, e com a sétima trombeta o mistério se consuma; entretanto, quando estava a ponto de introduzir a sétima trombeta, já lhe anunciou: Olhe, João, é necessário que profetize outra vez; então João depois de que profetiza a primeira parte, começa outra vez a profetizar coisas que já havia dito antes, mas começa a lhe dar mais detalhe. Por exemplo, na primeira parte tinha falado da Nova Jerusalém quando diz aos vencedores da Filadélfia: “12 Ao vencedor, fá-lo-ei coluna no santuário do meu Deus, e daí jamais sairá; gravarei também sobre ele o nome do meu Deus, o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém que desce do céu, vinda da parte do meu Deus, e o meu novo nome”. Bom, qual é a cidade do meu Deus? Então a explica na segunda parte.

A SÉTIMA TROMBETA ABRANGE ATÉ A NOVA JERUSALÉM

Já no capítulo 11 tinha mencionado a besta, mas qual é essa besta? Então o explica nos capítulos 13 e 17. Então vemos que na segunda parte João profetiza outra vez sobre o que ele tinha profetizado antes, mas agora lhe acrescenta mais detalhes, conforme é o costume normal de Deus. Então se entendermos isto, podemos ver que a economia divina termina na sétima trombeta; as outras coisas que vão se dizer do 12 até o 22 já estão incluídas na primeira parte; quer dizer, vamos voltar a profetizar outra vez; o que se tinha profetizado primeiro agora vai se voltar a profetizar. Vai se falar da besta, vai se falar da mulher, vai se falar dos vencedores, das primícias, da colheita, das taças da ira, etc.; isso é detalhar mais o que tinha sido introduzido de maneira mais essencial ou fundamental na primeira parte da profecia.

Com essa precaução vamos analisar estes versos de Apocalipse 11:15-19, agora com mais detalhe: “15 O sétimo anjo tocou a trombeta, (esta trombeta não é como dizia, foto instantânea, mas sim abrange muitíssimo, vários dias, quantos são esses dias? Podemo-lo receber pelo que vem a seguir) e houve no céu grandes vozes, dizendo:”; quase sempre que aparecem estas vozes do céu, aparece uma ordem; menciona-se aos seres viventes e se menciona aos anciões; aqui os anciões aparecem no verso 16: “E os vinte e quatro anciãos que se encontram sentados no seu trono, diante de Deus”; ou seja que ao não fazer menção explícita dos quatro seres viventes, o mais provável é que estas grandes vozes do céu sejam a dos quatros seres viventes; o que era o que diziam? Qual era a proclamação da sétima trombeta? O que é a sétima trombeta? “O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos”. Ou seja que a sétima trombeta abrange até a Nova Jerusalém porque esta expressão, “reinará pelos séculos dos séculos”, vai mais à frente do Milênio; abrange a Nova Jerusalém; de fato quando se descreve a Nova Jerusalém aparece esta expressão. Vamos olhar em Apocalipse 22:5, onde se descreve a Nova Jerusalém: “Então, já não haverá noite, nem precisam eles de luz de candeia, nem da luz do sol, porque o Senhor Deus brilhará sobre eles, e reinarão pelos séculos dos séculos”. Quando se fala essa expressão, “os séculos dos séculos”, está-se referindo já ao novo céu e à nova terra e à Nova Jerusalém; portanto, se aqui na sétima trombeta diz: “os reino do mundo vieram a ser de nosso Senhor”, o que abrange aí? A vinda do Senhor para concluir o Armagedom, abrange o tribunal de Cristo, abrange o julgamento das nações, abrange o Milênio, abrange a rebelião ao final do Milênio, abrange o julgamento do trono branco, já não o tribunal de Cristo para julgar aos crentes, a não ser o trono branco para julgar a todos, e abrange ao novo céu e à nova terra, e a Nova Jerusalém; porque essa frase: “os reino do mundo vieram a ser de nosso Senhor e de seu Cristo; e ele reinará pelos séculos dos séculos”, aí nessa expressão “pelos séculos dos séculos”, está a Nova Jerusalém; não podia ser de outra maneira, porque o sétimo selo é o que completa a economia divina. A economia divina conclui com a Nova Jerusalém; e se a sétima trombeta consuma o mistério de Deus, e a sétima trombeta é a que termina o sétimo selo, então não pode ser algo distinto que a consumação até a Nova Jerusalém.

A sétima trombeta, pois, abrange muitos dias, tem um grande alcance. O terceiro ai, que é o mais terrível, é quando se juntam as taças da ira para castigar definitivamente aos que se rebelam contra o Senhor, que vêm contra Jerusalém, que se juntam contra Cristo; inclusive os que se vão ao lago de fogo, porque o julgamento do trono branco está incluído dentro da sétima trombeta; então o terceiro ai na sétima trombeta é a parte negativa da sétima trombeta; a parte positiva é o reino de Deus e de Seu Cristo.

DEUS TOMA SEU GRANDE PODER NA TERRA

“16 E os vinte e quatro anciãos que se encontram sentados no seu trono, diante de Deus, prostraram-se sobre o seu rosto e adoraram a Deus, 17 dizendo: Graças te damos, Senhor Deus, Todo-Poderoso, que és e que eras, (já João, conforme aos manuscritos mais antigos, todos os manuscritos anteriores ao século X, não dizem aqui: “que tem há de vir”, porque já veio; a sétima trombeta é a consumação, já não tem mais que vir, já veio, e por isso não o dizem os manuscritos antigos) porque assumiste o teu grande poder”; essa frase: “assumiste o teu grande poder”, inclui muitas coisas; de que maneira Deus tomou seu grande poder? Filho: sente-se à minha direita até que ponha a todos seus inimigos por estrado de seus pés; e ao Cordeiro lhe foi dado o livro e começou a abrir o livro, e o livro começou a mostrar o plano de Deus para submeter todas as coisas à Cristo. Ao terminar o sétimo selo, a sétima trombeta, todas as coisas estão sob Seus pés, e o mistério de Deus é consumado, amém? Por isso diz: “porque assumiste o teu grande poder e passaste a reinar”. E agora, por que teve que tomar Seu grande poder? Aqui diz: “18 Na verdade, as nações se enfureceram, (quer dizer, a sétima trombeta inclui o julgamento do Armagedom) chegou, porém, a tua ira”. Esta frase, “chegou, porém, a tua ira”, é a consumação da ira.

Vocês recordam essa passagem, essa expressão tão importante do Senhor, em Daniel 9:27: “por uma semana (a última semana das setenta, ou seja, o último septenário) na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares. (Esse é o anticristo) sobre a asa das abominações virá o assolador, (esse é o anticristo) até que a destruição, (que há uma consumação, mas diz) que está determinada, se derrame sobre ele”. Então isto, o que se derramará sobre o desolador, são as taças da ira; a ira se derrama sobre o reino do anticristo; então aqui fala de uma consumação e de algo que está determinado sobre o desolador.

AS NAÇÕES IRADAS CONTRA CRISTO

Voltando ali para Apocalipse 11:18, onde diz: “Na verdade, as nações se enfureceram; chegou, porém, a tua ira”, notamos que no capítulo 15, diz no verso 1: “Vi no céu outro sinal grande e admirável: sete anjos tendo os sete últimos flagelos, pois com estes (nas sete últimos flagelos; com estes) se consumou (notem a palavra “consumar” que dizia em Daniel) a cólera de Deus”; então quando diz aqui na sétima trombeta, “chegou, porém, a tua ira”, essa ira se consuma com as sete taças; portanto, as sete taças estão incluídas na sétima trombeta, assim como as sete trombetas estão incluídas no sétimo selo. O sétimo selo inclui as sete trombetas, a sétima trombeta inclui as sete taças da ira, onde se consuma a ira; por isso essa expressão “sua ira veio”, refere-se às sete taças da ira onde o determinado se derramará sobre o reinado final do anticristo; mas quando diz aqui: “as nações se enfureceram”, isso quer dizer que o Armagedom conduziu aos exércitos da terra a unir-se contra Cristo.

O RECHAÇO DO MESSIAS

Vamos olhar o Salmo 2 para entender parte do que está dizendo aqui: “as nações se enfureceram”; por isso é que haverá um Armagedom, porque as nações se iraram. Diz o Salmo 2 da seguinte maneira: “1 Por que se enfurecem os gentios e os povos imaginam coisas vãs? 2 Os reis da terra se levantam, e os príncipes conspiram contra o SENHOR e contra o seu Ungido, (seu Cristo, seu Messias, seu Ungido) 2 dizendo: Rompamos os seus laços e sacudamos de nós as suas algemas (essa é a apostasia, os reis unidos contra Cristo). 4 Ri-se aquele que habita nos céus; (é como um menino fazendo biquinho, te dá vontade de rir) o Senhor zomba deles.5 Na sua ira, a seu tempo, lhes há de falar e no seu furor os confundirá (essas são as sete taças). 6 Eu, porém, constituí o meu Rei sobre o meu santo monte Sião. 7 Proclamarei o decreto do SENHOR: Ele me disse: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei. 8 Pede-me, e eu te darei as nações por herança, (por isso diz: os reino do mundo vieram a ser de Deus e de Seu Cristo) e as extremidades da terra por tua possessão. 9 Com vara de ferro as regerás e as despedaçarás como um vaso de oleiro. 10 Agora, pois, ó reis, sede prudentes; deixai-vos advertir, juízes da terra. 11 Servi ao SENHOR com temor e alegrai-vos nele com tremor. 12 Beijai o Filho para que se não irrite, e não pereçais no caminho; porque dentro em pouco se lhe inflamará a ira. Bem-aventurados todos os que nele se refugiam”. Este Salmo mostra aos reis da terra consultando-se unidos, dizendo: tiremos suas ligaduras, queremos um reino humanista, nada de cristianismo, nada de Cristo, joguemos de nós suas cordas; mas o Senhor rirá deles.

Vamos ao Salmo 83, que também nos apresenta um quadro parecido. “Na verdade, as nações se enfureceram; chegou, porém, a tua ira” . Aqui vocês recordam quando vimos o início do Armagedom na sexta trombeta, que as nações vêm contra Israel; ao início do capítulo 11 vemos também como Jerusalém é entregue aos gentios. E diz o Salmo 83: “1 Ó Deus, não te cales; não te emudeças, nem fiques inativo, ó Deus! 2 Os teus inimigos se alvoroçam, e os que te odeiam levantam a cabeça”. Sabem uma coisa? Eu li um livro luciferiano publicado aqui na Colômbia, que se chama “O cordão dourado”, escrito por um militar maçom chileno chamado Miguel Serrano, que mostra a linha do satanismo ao longo da história, e nesse livro eles confessam abertamente que o plano luciferiano é receber a segunda vinda de Cristo com bombas de nêutrons. Eles pensam que vão destruir ao Senhor com bombas de nêutrons; isso é como um palito de fósforo para o Senhor. Se o Senhor fez o sol, agora o que vai fazer uma bombinha de nêutrons? é como uma bolhinha diante do Senhor; mas eles estão tão loucos que falam disso nesse livro publicado aqui na Colômbia.

Imaginem; diretamente o falam como se fosse o plano deles; e isso é o que diz aqui, tiremos suas ligaduras, nos desfaçamos dele.

CONFABULAÇÃO CONTRA ISRAEL

Segue dizendo o Salmo 83: “3 Tramam astutamente contra o teu povo e conspiram contra os teus protegidos. 4 Dizem: Vinde, risquemo-los de entre as nações; e não haja mais memória do nome de Israel. 5 Pois tramam concordemente e firmam aliança contra ti 6 as tendas de Edom e os ismaelitas, Moabe e os hagarenos, 7 Gebal, Amom e Amaleque, a Filístia como os habitantes de Tiro (com razão são hoje muçulmanos e não cristãos). 8 também a Assíria (Iraque) se alia com eles, e se constituem braço forte aos filhos de Ló (hoje é a Jordânia). 9 Faze-lhes como fizeste a Midiã, como a Sísera, como a Jabim na ribeira de Quisom; 10 os quais pereceram em En-Dor; tornaram-se adubo para a terra. 11 Sejam os seus nobres como Orebe e como Zeebe, e os seus príncipes, como Zeba e como Zalmuna, 12 que disseram: Apoderemo-nos das habitações de Deus. 13 Deus meu, faze-os como folhas impelidas por um remoinho, como a palha ao léu do vento. 14 Como o fogo devora um bosque e a chama abrasa os montes, 15 assim, persegue-os com a tua tempestade e amedronta-os com o teu vendaval. 16 Enche-lhes o rosto de ignomínia, para que busquem o teu nome, SENHOR. 17 Sejam envergonhados e confundidos perpetuamente; perturbem-se e pereçam. 18 E reconhecerão que só tu, cujo nome é SENHOR, és o Altíssimo sobre toda a terra”. Profecia de Asafe, Salmo de Asafe. Isso é o que? A consumação do Armagedom.

Vamos ver outras passagens onde isto aparece. Vamos ver isso de que se iraram as nações; o que está profetizado a respeito disso. Joel capítulo 3:9: “9 Proclamai isto entre as nações: Apregoai guerra santa e suscitai os valentes; cheguem-se, subam todos os homens de guerra. 10 Forjai espadas das vossas relhas de arado e lanças, das vossas podadeiras; diga o fraco: Eu sou forte. 11 Apressai-vos, e vinde, todos os povos em redor, e congregai-vos; para ali, ó SENHOR, faze descer os teus valentes. 12 Levantem-se as nações e sigam para o vale de Josafá; porque ali me assentarei para julgar todas as nações em redor. 13 Lançai a foice, porque está madura a seara; vinde, pisai, porque o lagar está cheio, os seus compartimentos transbordam, porquanto a sua malícia é grande”. Essa passagem de Joel nos mostra como se unem as nações lá no Vale de Josafá, que se chama o Vale da Decisão ou o vale do Megido, para brigar não só contra Israel; a Bíblia diz que é contra Senhor.

Vamos ver esses versículos um pouco mais adiante. Olhemos em Zacarias 14:2: “Porque eu ajuntarei todas as nações para a peleja contra Jerusalém; e a cidade será tomada, e as casas serão saqueadas, e as mulheres, forçadas; metade da cidade sairá para o cativeiro, mas o restante do povo não será expulso da cidade”. Depois estudaremos mais atentamente isso. Por agora, estamos vendo as nações reunindo-se contra Jerusalém. Na verdade, as nações se enfureceram.

EUROPA ENTRONIZANDO AO ANTICRISTO

Agora sim passemos a Apocalipse 17:14, e olhem contra quem querem alistar aos nossos filhos: “Pelejarão eles contra o Cordeiro”; quem? O reino do anticristo. Diz do verso 12: “12 Os dez chifres que viste são dez reis, os quais ainda não receberam reino, mas recebem autoridade como reis, com a besta, durante uma hora. 13 Têm estes um só pensamento, (qual é o propósito hoje da Europa?) e oferecem à besta o poder e a autoridade que possuem (esse é o anticristo). 14 Pelejarão (não é só contra Israel) eles contra o Cordeiro”.

Na verdade, as nações se enfureceram. “14 Pelejarão eles contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, (apagará esse palito de fósforo de bomba de nêutrons) pois é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão também (graças a Deus que tem alguns com ele) os chamados, eleitos e fiéis que se acham com ele”.

Então aqui fala do reino do anticristo unindo às nações contra o Cordeiro.

Também passamos a Apocalipse 19:19: “E vi a besta (por isso é delicado deixar se alistar nossos filhos) e os reis da terra, com os seus exércitos, (os exércitos dos reis da terra) congregados (ah! aí estão as Nações Unidas) para pelejarem contra aquele que estava montado no cavalo e contra o seu exército.” É, contra Cristo, o Verbo de Deus, e contra os cristãos; então o que diz aqui? iraram-se as nações. Isto é Armagedom; não só contra Israel, mas também contra Deus, contra Cristo, contra os judeus e contra os cristãos; isso é direto.

Voltando ali para a sétima trombeta, no capítulo 11, por isso diz: “18 Y Na verdade, as nações se enfureceram; chegou, porém, a tua ira”. Por quê? Iraram-se as nações, reuniram-se contra Jerusalém, reuniram-se contra os cristãos, reuniram-se contra o Cristo de Deus e se reuniram contra Deus. Tiremos suas cordas, joguemos suas ligaduras. Por isso diz: O Senhor rirá, e logo falará com eles com furor. Sua ira veio.

Diz o Salmista: Turva-os com sua ira. Essas são as sete taças da ira; as sete trombetas introduzem a tribulação, mas as sete taças consumam a tribulação; então as sete taças que consumam a ira que será derramada contra o reino do anticristo, o desolador, pertencem à sétima trombeta. Vocês se dão conta de como a sétima trombeta abrange o final da grande tribulação, o reino do anticristo, o Armagedom, o final do Armagedom, as trombetas, a vinda de Cristo, o tribunal de Cristo, o reino do Milênio, o julgamento sobre as nações, o dar o galardão. Por uma parte o galardão para os crentes no tribunal de Cristo, por outra parte, o galardão das nações, os temerosos de Deus, no julgamento das nações para o Milênio; tudo isso está incluído na sétima trombeta. Deram-se conta, irmãos?

TEMPO DE JULGAR AOS MORTOS

Então diz algo mais que inclui a sétima trombeta. “chegou, porém, a tua ira, (isso se refere às taças da ira) e o tempo determinado para serem julgados os mortos”. Os quais qualificam para a primeira ressurreição? Quais ficam esperando a segunda ressurreição depois do Milênio para julgamento? Tudo está incluído na sétima trombeta. “O tempo de julgar aos mortos, (também o tribunal de Cristo: que galardão ou correção terão os filhos de Deus? Não somente eles, diz) para se dar o galardão aos teus servos, os profetas, aos santos, (os profetas é como se fossem os vencedores; os Santos a generalidade dos crentes) e aos que temem o teu nome”. Olhemos esta frase: “os que temem o seu nome”; são aqueles que ouvem o evangelho eterno. Temei a Deus que criou os céus e a terra. Os temerosos de Deus são os que formarão aquelas nações que sobreviverão ao Armagedom, entrarão no Milênio e sobre eles reinarão com vara de ferro os vencedores cristãos; tudo isso está incluído na sétima trombeta. E diz: “tanto aos pequenos como aos grandes, e para destruíres os que destroem a terra”. Significa que Deus aqui faz responsáveis aos homens, especialmente a alguns, de destruir a terra. Quantas coisas agora ecológicas, verdade? E não somente o aspecto ecológico, a não ser incluída a terra e seus moradores, incluída a grande prostituta que embebeda às pessoas, todo o julgamento, a destruição dos que destroem a terra; a consumação, digamos, da grande tribulação, também aonde vão parar os que no juízo saem mau, os que vão ao lago de fogo no julgamento do trono branco; todo isso é uma destruição não só do corpo, mas também definitiva e total no lago de fogo. Tudo isso está incluído na sétima trombeta. Detenhamos-nos um pouquinho mais no verso 18 e olhemos isto que diz: “o tempo determinado para serem julgados os mortos”. Aqui esta é a sétima trombeta.

Vemos que 1 Coríntios 15 nos fala do mesmo. Lemos 1 Coríntios 15:51 e seguintes: “51 Eis que vos digo um mistério: (dentro do catálogo dos mistérios de Deus, existe este mistério da última trombeta, a final é a sétima) nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos, 52 num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar da última trombeta; (não à primeira trombeta, não à segunda trombeta, não à terceira trombeta, não à quarta trombeta, não à quinta trombeta, a não ser a última trombeta, à sétima trombeta) A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados”. Por isso diz: na última trombeta, a que consuma o mistério de Deus; não é a primeira, não é antes da tribulação; já passou a primeira, a segunda, a terceira, a quarta, a quinta, a sexta; a sétima trombeta é o tempo de julgar aos mortos e dar o galardão, não antes. A final trombeta é quando ressuscitam os mortos e os crentes vivos são transformados; por isso diz: “num abrir e fechar de olhos, ao ressoar da última trombeta”; a final, não antes da primeira; na sétima; esse é o tempo; “ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados”. Nos damos conta de que aqui a palavra diz que a ressurreição dos mortos e a transformação dos crentes para ser arrebatados é a última trombeta; por isso diz 1ª aos Tessalonicenses que “de modo algum precederemos os que dormem. 16 Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus”... (Essa trombeta está incluída na sétima); “e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; 17 depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares”; ou seja, isso é para a última trombeta, a sétima trombeta. Não falavam nem Jesus nem Paulo de um arrebatamento antes; a última trombeta é a sétima; quando já aconteceram os julgamentos das seis primeiras.

GALARDÃO PARA OS SERVOS DE CRISTO

Então diz outra vez a sétima trombeta em Apocalipse 11:18: “e o tempo determinado para serem julgados os mortos, para se dar o galardão”. Quando é que o Senhor dá o galardão? Vamos em Mateus 16, primeiro, e logo a Apocalipse ao final. Mateus 16:27 diz: “Porque o Filho do Homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos, e, então (não é antes, é então quando virá; não em segredo, na glória de seu Pai com seus anjos) retribuirá a cada um conforme as suas obras”. Significa que o Senhor galardoa em Sua vinda, em Sua vinda gloriosa. Vocês recordam que isso também diz assim em Apocalipse 22:12: “E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras”. Vemos que o Senhor vai recompensar a seus filhos, por meio do tribunal de Cristo.
Em relação ao tribunal de Cristo, diz 2ª aos Coríntios que todos compareceremos ante o tribunal de Cristo para dar conta do que tenhamos feito enquanto estávamos no corpo, seja bom ou seja mau. Leiamos 2ª aos Coríntios 5:10: “Porque importa que todos nós (aqui já não se refere ao mundo inteiro a não ser aos crentes cristãos, nós) compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo”. Se alguém fizer o bem, recebe algo bom; mas se fizer algo mau, o que vai receber no tribunal de Cristo? Seu galardão não vai ser completo, vai sofrer perda, como diz: “13 manifesta se tornará a obra de cada um; pois o Dia a demonstrará, porque está sendo revelada pelo fogo; e qual seja a obra de cada um o próprio fogo o provará.
14 Se permanecer a obra de alguém que sobre o fundamento edificou, esse receberá galardão; 15 se a obra de alguém se queimar, sofrerá ele dano, (fala do verbo sofrer e fala de perda, mas não da salvação) mas esse mesmo será salvo, todavia, como que através do fogo”. “Sofrerá” é sofrimento, perda é perda do completo galardão, embora o mesmo será salvo assim como por fogo; é salvo por fogo, mas sofre perda no tribunal de Cristo o crente cujas obras se queimem; é delicado, verdade?

JULGAMENTO DOS SOBREVIVENTES DO ARMAGEDOM

A sétima trombeta inclui o galardão aos profetas, aos Santos e aos que temem Seu nome. O galardão aos profetas e aos Santos é no tribunal de Cristo. No tribunal de Cristo é que se dará o galardão; mas logo o Senhor vem em Sua glória, e diz em Mateus 25 que quando o Senhor Jesus vier em Sua glória se sentará a julgar às nações; as nações são as que temem o nome de Deus, são as pessoas que ajudaram aos pequeninos do Senhor, deram-lhes água para beber, pão para comer, vestiram-nos, estavam doentes e os curaram; estas são as nações. Mateus 25:31: “31 Quando vier o Filho do Homem na sua majestade e todos os anjos com ele, então, se assentará no trono da sua glória; 32 e todas as nações serão reunidas em sua presença”. Já não se refere ao tribunal de Cristo para premiar ou corrigir aos servos cristãos, mas sim agora se refere julgar às nações. Os que sobrevivem ao Armagedom são submetidos a julgamento no início do Milênio. O Senhor reinará do início e também durante o Milênio, inclusive os vencedores. Ao que vencer lhe será dada autoridade sobre as nações e as regerá com vara de ferro. E aos que se sentem a reinar lhes deu faculdade de julgar; ou seja, esse julgamento é também durante o Milênio por parte dos vencedores cristãos da Igreja; mas sobre quem reinarão? Sobre as nações, ou seja, os temerosos de Deus; então o galardão para a igreja é no tribunal de Cristo, mas o galardão para os temerosos de Deus, para as nações, é quando o Senhor vier e estabelecer seu trono para reinar no Milênio. Por isso diz ali: “31 Quando vier o Filho do Homem na sua majestade, (quando vier e já puser aqui seus pés) e todos os anjos com ele, então, se assentará no trono da sua glória; 32 e todas as nações serão reunidas em sua presença, e ele separará uns dos outros, como o pastor separa dos cabritos as ovelhas; 33 e porá as ovelhas à sua direita, mas os cabritos, à esquerda; 34 então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino (ou seja que eles entram em Milênio, mas quem reinará sobre eles? Os vencedores da Igreja) que vos está preparado desde a fundação do mundo.
35 Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me hospedastes; 36 estava nu, e me vestistes; enfermo, e me visitastes; preso, e fostes ver-me. 37 Então, perguntarão os justos: Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer? Ou com sede e te demos de beber? 38 E quando te vimos forasteiro e te hospedamos? Ou nu e te vestimos? 39 E quando te vimos enfermo ou preso e te fomos visitar? 40 O Rei, respondendo, lhes dirá: Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, (são sua Igreja, vêem? Os vencedores) a mim o fizestes”. Por que? porque são o corpo de Cristo; o que fizeram com o corpo de Cristo, fizeram-no com Cristo. Quando Paulo perseguia os cristãos, o Senhor lhe disse: por que me persegue? E o que fazemos aqui a alguém do corpo de Cristo, o Senhor o considera como que o fazemos a Ele.

Quanta delicadeza temos que ter com nossas palavras, com nossas reações, com nossas atitudes, porque o Senhor toma como feito a Ele, o que faz a um membro onde Ele está incorporado. “41 Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno (ui! Aqui os das nações que não tenham tratado bem ao corpo de Cristo, vão ao lago de fogo) preparado para o diabo e seus anjos. 42 Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; 43 sendo forasteiro, não me hospedastes; estando nu, não me vestistes; achando-me enfermo e preso, não fostes ver-me. 44 E eles lhe perguntarão: Senhor, quando foi que te vimos com fome, com sede, forasteiro, nu, enfermo ou preso e não te assistimos? 45 Então, lhes responderá: Em verdade vos digo que, sempre que o deixastes de fazer a um destes mais pequeninos, a mim o deixastes de fazer. 46 E irão estes para o castigo eterno, (ao lago de fogo) e os justos à vida eterna”. Então este é o momento de dar o galardão aos que temem seu nome, os temerosos de Deus, as pessoas que sobreviverão ao Armagedom e constituirão as nações sobre as que reinarão os vencedores da Igreja.

O TEMPO, POIS, DE JULGAR AOS MORTOS

Voltando ali para Apocalipse 11:18, diz: “18 Na verdade, as nações se enfureceram; chegou, porém, a tua ira”. Já sabemos que essa frase, “as nações se enfureceram,” refere-se à reunião contra Jerusalém, contra os judeus, contra os cristãos, contra o Cordeiro, contra Deus; “chegou, porém, a tua ira”, refere-se às taças da ira; “e o tempo determinado para serem julgados os mortos”, tudo isto é a sétima trombeta. “O tempo de julgar aos mortos”. Quais mortos vão para a primeira ressurreição? Bom, tais. Agora, no tribunal de Cristo, o que herda cada um? Logo que segue? O reino para julgar as nações. Quais são os que herdam o reino para que sobre eles reinem os vencedores da Igreja? Quais vão ao lago de fogo dos que ficam ao tempo final? Mas depois vem o julgamento final e todos os mortos, não já os que estavam no Milênio, a não ser todos outros, os que estavam no Hades, no mar, na morte, serão apresentados no trono branco, e os que não estejam no livro da vida, vão ao lago de fogo, também Satanás; a besta e o falso profeta vão ao lago de fogo quando o Senhor vier; quer dizer, os que estréiam o lago de fogo são a besta e o falso profeta, e depois os das nações perversas também, e depois todos outros das demais épocas que vão ser julgados. Então diz. “chegou, porém, a tua ira, e o tempo determinado para serem julgados os mortos, para se dar o galardão aos teus servos, os profetas, aos santos e aos que temem o teu nome, tanto aos pequenos como aos grandes, e para destruíres os que destroem a terra”.

O TEMPLO DE DEUS ABERTO NO CÉU

“19 Abriu-se, então, o santuário de Deus, que se acha no céu”. Lembremos-Nos de que quando Moisés fez o tabernáculo, a ele lhe disse: Olhe, Moisés, faz conforme ao modelo que foi mostrado no monte. O Senhor deu a Moisés uma revelação no monte, do real, e Moisés então em figura do que ele viu no monte, desenhou o tabernáculo terrestre, cujo desenho passou depois ao templo com mais detalhe. O templo natural e o tabernáculo natural são um modelo do celestial; existe um templo celestial. Vamos ver isso em Hebreus 9:24, que diz: “Porque Cristo não entrou em santuário feito por mãos, (na figura que fez Moisés e logo Salomão, e logo Herodes) figura do verdadeiro, (notem que há um templo que é figura, que é o natural, e um verdadeiro que é onde entrou Cristo) porém no mesmo céu (é o templo do céu ao que se refere aqui Apocalipse) para comparecer, agora, por nós, diante de Deus”.

Este santuário do céu que diz Hebreus 9:24 é o mesmo que diz aqui Apocalipse 11:19: “Abriu-se, então, o santuário de Deus, que se acha no céu”. Dele também se fala em Apocalipse 15:5: “5 Depois destas coisas, olhei, e abriu-se no céu o santuário do tabernáculo do Testemunho; (este é o do céu) 6 e os sete anjos que tinham os sete flagelos saíram do santuário”. Significa que este templo do céu foi o que mostrou ao Moisés, e conforme a esse modelo, ele fez o tabernáculo; depois se fez o templo, amém? Então esse é o templo do céu; não estamos falando da Nova Jerusalém, onde nela não haverá templo; ela estará na nova terra; a Nova Jerusalém não tem templo porque o templo é o próprio Deus e o Cordeiro, e nós também somos Seu templo; mas aqui não está falando da Nova Jerusalém na nova terra, mas sim do atual templo de Deus no céu que viu Moisés, e do que ele fez o modelo no tabernáculo; então esse é do que fala Apocalipse 11:19 e 15:5, e Hebreus 9:24.

“19 Abriu-se, então, o santuário de Deus, que se acha no céu, e foi vista a arca da Aliança no seu santuário”. A que serve de modelo a Moisés para fazer o tabernáculo, via-se no templo; quer dizer, estas coisas celestiais nos falam da consumação da formação de Cristo na Igreja.

A ARCA DO PACTO: ANALOGIA DE CRISTO FORMADO NA IGREJA

O arca do pacto no templo é uma analogia de Cristo formado na Igreja. Por isso diz: ao que vencer, eu lhe farei coluna no templo de meu Deus e nunca mais sairá dali; ou seja que o Senhor une o céu com a terra. Isso foi o que disse ao Jacó a respeito de Betel, e no tabernáculo de Moisés, o tabernáculo da congregação e a arca da aliança; o céu com a terra, o celestial no terrestre; o terrestre no celestial. O templo de Deus, o arca do pacto, mas também Cristo formado na igreja, a Nova Jerusalém, a esposa do Cordeiro tendo a glória de Deus; tudo isso é análogo um ao outro.

ANUNCIA O TERREMOTO DA SÉTIMA TAÇA

A glória de Deus na Nova Jerusalém é análogo à arca do pacto no templo, mas agora à vista; até aqui isto estava oculto, mas já é a sétima trombeta. O que estava no coração de Deus é aberto, então diz: “19 Abriu-se, então, o santuário de Deus, que se acha no céu, e foi vista a arca da Aliança no seu santuário, e sobrevieram (não diz em que momento, mas é na sétima trombeta) relâmpagos, vozes, trovões, terremoto e grande saraivada”. Claro, este terremoto não é na Nova Jerusalém, não é no novo céu, nem na nova terra.

Quando é este terremoto e este grande granizo da sétima trombeta? Na sétima taça; a sétima taça que consuma a ira de Deus é com um terremoto qual nunca o houve, e grandes e tremendos granizos com o peso de um talento cada um.

Vamos ver como termina a sétima taça em Apocalipse 16:17: “17 Então, derramou o sétimo anjo a sua taça pelo ar, e saiu grande voz do santuário, (aqui está o templo do céu) do lado do trono, dizendo: Feito está!
18 E sobrevieram relâmpagos (é o que dizia também ali na sétima trombeta) vozes e trovões, e ocorreu grande terremoto, como nunca houve igual desde que há gente sobre a terra; tal foi o terremoto, forte e grande. 19 E a grande cidade se dividiu em três partes, e caíram as cidades das nações. E lembrou-se Deus da grande Babilônia para dar-lhe o cálice do vinho do furor da sua ira. 20 Todas as ilhas fugiram, e os montes não foram achados (esse é o terremoto da sétima trombeta, que é o mesmo da sétima taça). 21 ambém desabou do céu sobre os homens grande saraivada (aí está o granizo da sétima trombeta que se cumpre na sétima taça) com pedras que pesavam cerca de um talento; e, por causa do flagelo da chuva de pedras, os homens blasfemaram de Deus, porquanto o seu flagelo era sobremodo grande”. Vemos que a sétima taça está incluída na sétima trombeta; a sétima trombeta consuma o mistério de Deus, e portanto resumindo, abrange: Armagedom, vinda de Cristo, tribunal de Cristo, julgamento das nações, Milênio, a rebelião de Satanás depois do Milênio com as nações, o julgamento do trono branco, céu novo, terra nova e Nova Jerusalém; aí se consuma o mistério de Deus nos dias da voz do sétimo anjo, anjo das trombetas, anjo celestial.

Aqui termina, pois, a primeira parte de Apocalipse; já daqui em diante é quando volta a profetizar outra vez sobre as coisas anteriores, mas aqui se consuma o mistério.

Vamos terminar por aqui. Demos graças ao Senhor.

FIM DO TOMO I

Nenhum comentário:

Postar um comentário