segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

47. As Dores de Parto

Aproximação ao Apocalipse ( 47 )

AS DORES DE PARTO



“1 Viu-se grande sinal no céu, a saber, uma mulher vestida do sol com a lua debaixo dos pés e uma coroa de doze estrelas na cabeça”. Ap. 12:1.

Oração:

Querido Pai: No nome do Senhor Jesus, obrigado por nos conceder esta nova oportunidade de considerar alguma porção de Sua Palavra. Rogamos que seu Santo Espírito esteja nos dando à luz e a vida de Sua Palavra, ele Seja nos afirmando, ele Seja nos estabelecendo, ele Seja nos encaminhando, em Seu nome. Encomendamos a Ti nossa fragilidade humana, Damos graças porque podemos deixá-la em Suas mãos. Fale-nos Senhor, que possamos todos do coração olhar a Ti e ser ajudados por Ti, ele que fala também, em nome do Senhor Jesus. Amém.

UMA MULHER VESTIDA DE SOL

Quando no ano passado pudemos estar com o irmão Celso Machado (do Brasil) e Alexandre Pacheco no Vale, mencionamos algumas coisas que também em Remará mencionamos, e queria voltar para elas avançando um pouquinho com a ajuda do Senhor. Então, para tomar um verso a maneira de epígrafe, um verso que nos permita abranger uma panorâmica um pouco mais geral, queria ler uma passagem curta inicialmente em Apocalipse 12, nos primeiros dois versos. Não é a intenção fazer uma exegese desta passagem, a não ser somente me valer de uma das frases dele: “1 Viu-se grande sinal no céu...”, à outra lhe chama simplesmente “outro sinal”, mas a esta a chama “grande sinal”. “Viu-se grande sinal no céu, a saber, uma mulher vestida do sol com a lua debaixo dos pés e uma coroa de doze estrelas na cabeça, 2 que, achando-se grávida, grita com as dores de parto, sofrendo tormentos para dar à luz”. Não é, como vos disse, a intenção de entrar em todos os detalhes, somente algo mínimo. Queria mencionar aqui que esta mulher que aparece com seu menino frente a esse dragão com suas cabeças e cauda, que aparece um pouco mais adiante, apresenta-nos algo que já tinha tido seus inícios no livro de Gênesis, onde Deus fala com a mulher e fala com a serpente e fala também da descendência ou semente da mulher, que esmagaria a cabeça do dragão, da serpente; e fala também da descendência da serpente; e isso que teve seu começo em Gênesis e teve seu desenvolvimento com o passar do período bíblico e posterior ao bíblico, tem aqui uma visão final. Aparece esta mulher, acredito que representando ao povo do Senhor em geral, incluindo tanto aos Santos do Antigo Testamento como aos do Novo Testamento, porque ela aparece vestida de sol, representando ao Sol de Justiça que é o Senhor Jesus; portanto o Novo Testamento está incluído; mas ela está com os pés sobre a lua, que é a que reflete a luz do sol, que quando não está o sol, ela nos fala do sol, e é como uma espécie de adiantamento e de tipologia; e por isso nos representa também o Antigo Testamento; e aí aparecem essas doze estrelas, digamos, as Doze Tribos de Israel como dos doze filhos de Jacó, mas logo também o Senhor disse que essas tribos seriam julgadas por Doze Apóstolos; e já entramos no Novo Testamento. Esta mulher simboliza o povo de Deus em geral, incluindo o período anterior ao Israel, o período dos patriarcas e o tempo próprio de Israel, e que continua com a Igreja. Não quero falar tanto da mulher em geral, mas sim do aspecto que diz o verso dois (recordar isso): “que, achando-se grávida”, esta mulher tem que dar a luz um menino varão destinado a reinar do Trono de Deus.

Certamente que no Antigo Pacto Israel esteve tendo dores de parto na espera pelo Messias. Mas quando nasceu o Messias, o Senhor Jesus, Ele viveu e morreu por nós, ressuscitou e foi tomado Por Deus à glória, e se sentou certamente à Destra de Deus Pai.

AS DORES DE PARTO

Mas Ele também falou deste mistério desta mulher. Vamos ler o ali em João 16, do versículo 16 em diante. O Senhor Jesus, que é o Messias, mas que é a Cabeça de um Corpo, que certamente foi esperado com angústia e dor por Israel, mas que veio e voltará, então Ele diz aos seus: “Ainda um pouco, e não me vereis”; este primeiro pouco nos fala de um período, de uma experiência de fé incipiente, apenas nascente, onde diz: ainda... não me vereis; “ainda um pouco e não me vereis, e de novo um pouco, e me vereis”; este é um segundo pouco, “…e me vereis…”, mas este “me vereis” o adiciona com um porque, “…porque eu vou ao Pai”. Disse umas palavras que eles não entenderam bem. Há um período onde lhe vêem e um período onde não lhe vêem porque Ele vai ao Pai; certamente que lhe verão espiritualmente enquanto esteja com o Pai; e lhe verão em Glória quando vier do Pai. “Então (ante essas palavras) disseram alguns de seus discípulos uns aos outros: Que é isto que nos diz: “Ainda um pouco e não me vereis; e de novo um pouco, e me vereis; e, porque eu vou ao Pai? Diziam, pois O que quer dizer com: Ainda um pouco? Não entendemos o que falas”; eles tinham recebido ao Messias, pensavam que o reino se manifestaria imediatamente; inclusive depois de que ressuscitou ainda lhe disseram:

“Senhor, não restaurará o reino a Israel...?” e Ele teve que dizer: “Não lhes toca a vós saber os tempos e as épocas que o Pai pôs em Sua exclusiva autoridade, mas me sereis testemunhas”; ou seja que o Senhor Jesus ressuscitou, subiu à mão direita do Pai e encomendou à Igreja um testemunho; a Igreja foi deixada aqui; não foi com o Messias. Já havia uns poucos, mas o Senhor tinha que chamar muitas ovelhas de Israel e também as outras ovelhas dentre os gentios para encher as moradas celestiais. Então não se levou a Igreja ainda; deixou-lhe dois poucos; um primeiro pouco onde não lhe veriam, uma primeira etapa que poderíamos dizer: formativa, que poderíamos dizer: Externa, que poderíamos dizer: Periférica; porque não lhe veríamos; e depois uma etapa mais profunda onde sim lhe veríamos, e então a respeito desse período é que lhe perguntam. Eles não pensavam que haveria o período de testemunho que a Igreja teria, e que também coincidiria com o período de formação de Cristo na Igreja; porque esse varão que é Cristo e que já está à mão direita do Pai, é a cabeça de um corpo e está destinado a formar-se a plenitude nesse corpo. Essa é a parte que corresponde a esta mulher depois de Cristo; então Ele fala desta mulher agora depois de Cristo; porque o Israel teve seu tempo, mas agora Jesus, quando eles pensavam que o reino de Israel já estava a ponto de manifestar-se, Ele lhes diz: “Não, ainda há outro pouco e há outro pouco”.

Então diz assim: “Jesus conheceu que queriam lhe perguntar, e lhes disse: Perguntam entre vós a respeito disto que disse: Ainda um pouco e não me vereis, e de novo um pouco e me vereis?”, ou seja que o que Ele vai explicar aqui é isto de “pouco”, destes dois poucos. “Em verdade, Em verdade vos digo, que vós chorareis, e lamentareis…”; esse é o primeiro pouco: “ainda um pouco”; “…e o mundo se alegrará; mas embora vós estejais tristes, sua tristeza se converterá neste gozo é o segundo pouco: “e até outro pouco e me vereis”. “A mulher quando dá a luz, tem dor, porque chegou sua hora, (a hora da mulher e a dor vão juntos; é inevitável a dor na hora; a hora de dar a luz é a hora da dor) “mas depois...”, esse é o segundo pouco; o primeiro pouco é a dor: “Ainda um pouco e não me vereis”. É esta mulher em angústia de parto é a Igreja. A angústia precede ao parto; isso é o normal, a dor precede ao gozo, a morte precede à ressurreição, a tarde precede à manhã, porque o dia começa com a tarde. A Bíblia diz: “tarde e manhã”; não diz “manhã e tarde”, como acostumamos nós dizer; não, o dia começa pela tarde.

Quando ficou o sol se acabou o dia e começou na escuridão o seguinte dia; o dia começa com a escuridão, a tarde lhe chama na Bíblia a todo o período de escuridão; a palavra é ereb, de onde vem a palavra erebo: Escuridão; “a tarde e a manhã, um dia”, o dia não começa pela manhã, o dia na Bíblia começa na tarde, começa com a escuridão, e então aí saem as estrelas que anunciam o dia, e por fim sai o Sol de Justiça. Então a segunda parte é a manhã, e a primeira parte é a tarde; e a tarde vai desde que fica o sol até que sai o sol; essa é a tarde o Erebo; e a segunda parte começa quando sai o sol até quando fica; essa é a manhã, o dia inteiro é a manhã, e a noite inteira é a tarde; primeiro é a noite e depois é a manhã. Por isso diz: “Primeiro é o homem natural, depois é o homem espiritual”, necessita-se que haja um período para remoção do homem natural; esse é o primeiro pouco.

DE NOVO UM POUCO: O GOZO PERPÉTUO

“Ainda um pouco, e não me vereis, mas de novo um pouco, e me vereis”; esse “me vereis”, é esse gozo que será impossível de ser tirado dela, porque a tristeza se converterá em gozo; há dor e há gozo, há angústia e há parto, mas nessa ordem: primeiro um pouco e logo o outro pouco; claro que isto tem uma primeira parte espiritual da formação de Cristo. Esse “me vereis” tem um início na revelação de Cristo. Ele se vai revelando a nós, vamos conhecendo de maneira direta, e clara que depois lhe veremos tal como Ele é, quando Ele vier por nós e nós sejamos recolhidos a Ele; e aí esse gozo será pleno, mas certamente que já há gozo a partir de agora. Então diz, verso 21:

“A mulher quando dá a luz, tem dor, porque chegou sua hora; mas depois que deu a luz a um menino, já não se lembra da angústia”. O Senhor não eximiu a esta mulher da angústia das dores do parto, mas sim está dizendo à Igreja como a maneira de parábola, embora aqui a palavra parábola não aparece, está lhe dizendo que isto é inevitável, que terá que passar por aqui. “Mas depois que deu a luz a um menino, já não se lembra da angústia pelo gozo de que tenha nascido um homem no mundo. Também vós…”. Aqui a mulher está representando a eles, aos apóstolos, a seus discípulos que estão, como dizer, representando toda a Igreja; então aqui vemos que esta mulher também tem que ver com a Igreja. Por isso aparece vestida de sol. A parte tipológica de Israel a vemos nas estrelas, vemos com a lua sob seus pés, porque está parada sobre o que era uma promessa e uma tipologia, que nos anunciava o que vinha, mas a lua não é a luz real; ela não tem luz própria, ela somente tem luz refletida; a verdadeira luz é a do sol, e esta mulher vestida do sol é a Igreja revestida de Cristo. Deus fazendo um povo com todo seu povo anterior e fazendo um só corpo com eles e conosco, e dando aos do final algo que não deu aos anteriores, para que eles não sejam aperfeiçoados sem nós.

Então diz: “Também vós ...”; essa é a mulher, a Igreja; “também vós agora têm tristeza”. “um pouco, e não me vereis, e de novo um pouco, e me vereis”; e usa a palavra tristeza, como a palavra angustia, como a palavra dor, como a palavra não vê. “Mas lhes voltarei a ver, e se gozará seu coração”; esta frase eu penso que não a podemos interpretar de uma só maneira, porque certamente que quando Ele se vai revelando a nós estamos começando a vê-lo; e um dia, claro, ver-lhe-emos tal como Ele é, e seremos semelhantes a Ele porque lhe veremos tal como Ele é; mas o do parto não é uma coisa como o de voltear uma torta de milho de um dia para outro, mas sim é um processo; compara a uma mulher grávida, e uma mulher em grávida é um processo comprido. “E ninguém lhes tirará seu gozo. Naquele dia, não me perguntareis nada. Em verdade, Em verdade, que tudo que pedireis ao Pai em meu nome, dar-lhes-á isso. até agora nada pedistes em meu nome; pedis, e recebereis…”; e começa a dizer: “até agora”.o de pedir não é só a partir de que o Senhor venha, não é só a partir de que se estabeleça um milênio glorioso sobre a terra e logo um céu novo e terra nova e Nova Jerusalém, não; a partir de agora mesmo terá que pedir para que a partir de agora comece a adiantar o gozo; por isso se fala de “gozar agora dos poderes do século vindouro”; tudo isto terá uma plena culminação no século vindouro e a eternidade, mas começa a perfilar-se, a anunciar-se a partir de agora; é um adiantamento dos poderes do século vindouro. “Peçam, e receberão para que seu gozo seja completo”. Nosso gozo se vai cumprindo na medida que vamos recebendo o que pedimos, e terá um pleno cumprimento na eternidade. Então, nesta mulher, neste menino formando-se nela, neste processo através da angústia, através da dor, através da tristeza, através da espera, através dos perigos, das suplica, nos fala de um processo.

PARA ENCHER TUDO

Também o apóstolo Paulo fala desse processo aos Efésios no capitulo 4; queria que o olhássemos. Vou ler do verso 10: “que descendeu, (“Agora estou com vós, mas não me verão mais”) é o mesmo que também subiu (“não me verão mais, ainda um pouco”) por cima de todos os céus para enchê-lo todo”. Ele veio, morreu, foi aos infernos, ressuscitou, ascendeu, com um objetivo: “encher tudo”, enchê-lo. Ou seja, o que a Igreja faz nesse período da ascensão, é encher-se. Ele subiu para encher tudo; o objetivo da ascensão é encher tudo, encher tudo de Si mesmo. Tudo aquilo que é diferente a Ele e que é distinto Dele e que carece Dele, é visitado por Ele, para Ele ser introduzido, incorporado, recebido, podemos lhe dizer gerado no ventre da Igreja, para encher à Igreja de Si, e usar à Igreja como veículo para tomar a terra e logo, claro que haverá uns que não querem que Ele reine, e haverá uma resistência à Igreja, contribuirão com a dor da Igreja e o mundo irá querer fazer seu reino à sua maneira, e o Anticristo se sentará, mas o Senhor virá e os que não queriam que Ele reinasse, que quiseram ficar eles como cabeça, ficarão sem cabeça, porque Deus só tem uma Cabeça, que é Seu Filho Jesus Cristo; e então definitivamente estabelecerá o Seu. Mas há um processo. Então diz aqui: “para encher. E (então Ele, para encher Ele tudo, Ele começa enchendo a uns primeiro e lhes enviando para ministrar a Ele, para abrir-se lugar neles e com eles) ele mesmo deu (porque isto é um dom, a palavra aqui constituir, é uma tradução não tão exata, porque a palavra no grego é edoken, que quer dizer deu) a uns apóstolos, a outros profetas, a outros evangelista, a outros pastores e mestres, a fim de aperfeiçoar...”. Então o encher está relacionado com o aperfeiçoar, e o aperfeiçoar está relacionado com a formação de Cristo, que é o varão que nasce no ventre da Igreja. Ele já é o varão perfeito a quem Israel esperava, e já esta sentado à mão direita do Pai, mas Ele é a cabeça de um corpo que é a Igreja, na qual Ele tem que formar-se, tem que enchê-la, aperfeiçoá-la, configurá-la a Sua própria imagem.

Então segue dizendo aqui: “aperfeiçoar (sublinho esse verbo) aos Santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo.” Aqui usa a palavra aperfeiçoar, que nos fala desse processo que nos fala dessa iluminação, desse estar em cinta, desse ter dores de parto, de angústias; tudo isso está incluído no aperfeiçoar, e também no edificar, aperfeiçoar aos Santos, para que os Santos façam a obra do ministério, ou seja, do serviço a Deus, que é edificar um corpo a Ele.

A FÉ INICIAL E A FÉ AMADURECIDA


Ele tem que encher esse corpo e expressar-se nele. Diz: “Até que”; essa edificação no objetivo de Deus é muito alto; dificilmente os homens fixariam um objetivo como este, mas Deus como é o que o faz, Ele sim, pode pôr este objetivo: “até que todos cheguemos à unidade da fé”. Aqui fala da fé como no futuro; claro que há uma fé no passado, claro que há uma fé no início, há uma fé que se falta no início, não há início; esta fé é a fé mínima para que uma pessoa receba ao Senhor e nasça de novo. Aqui mesmo em Efésios acabava de falar dessa fé do início, e logo no verso 13 e 14 fala da fé amadurecida. A fé do início aparece aqui no verso 4 quando diz: “um Senhor, uma fé, um batismo”; esta fé mínima inclui deus, ao Filho de Deus, a Jesus o Filho de Deus e o Cristo, morto por nossos pecados em uma morte expiatória, ressuscitado e feito Senhor; e acreditando nele somos salvos e começamos, mas logicamente que esse começo, esse fundamento é em vista de um processo posterior, que é o da formação de Cristo. Ou seja, que a edificação da Igreja é a formação de Cristo; e fala de uma fé amadurecida, da fé não só inicial, a não ser a fé no sentido completo, como diz Paulo aos Tessalonicenses.

Vamos voltar aqui para Efésios, mas para que os irmãos possam ver esse verso especialmente se houver alguns que são mais novos, possivelmente não o recordam, em 1ª Tesalonicenses 3 diz no versículo 10, do Paulo e seus companheiros: “Orando de noite e de dia, com grande insistência”; está falando com uma igreja nova, só pode estar três meses em Tessalônica, e por causa da perseguição, ele teve que ir preocupado, mas mandou a Timóteo. Timóteo chegou com boas notícias, que eles se mantinham na fé, no amor, e apreciando-os a eles; então já estavam na fé, nessa primeira parte da fé, e lhes diz Paulo que ele seguia orando com Silvano, com Timóteo: “...com grande insistência, para que vejamos seu rosto e completemos o que falte a sua fé”. A fé inicial tem que ser completada, e o ministério do apóstolo Paulo aqui, o ministério apostólico, tem o encargo, não só a levar as pessoas ao início da fé, mas também eles mesmos avançar para a unidade da fé.

Quando se fala da unidade da fé se coloca no futuro; aqui em Efésios 4:12 diz: “aperfeiçoar aos Santos para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé”. A fé é uma, é a fé do Filho de Deus, mas nós temos que chegar à unidade da fé; quando se fala da unidade do Espírito, não usa o verbo chegar a não ser o verbo guardar. Por exemplo aqui no capítulo 4:3 diz: “Solícitos em guardar a unidade do Espírito”. O Espírito é um sozinho; nós não temos que fazer nada para ter a unidade do Espírito, porque todos os filhos têm recebido o mesmo Espírito , a todos nos deu a beber do mesmo Espírito , todos os filhos de Deus temos o mesmo Espírito, não importa a nacionalidade,, a raça, a classe social; não importa se for homem, se for mulher, se for rico ou pobre, se for culto ou inculto, a todos nos deu a beber de um mesmo Espírito; portanto, quanto à unidade do Espírito, não nos pede chegar a nenhuma parte, a não ser somente guardá-la. Já foi dada. O Espírito de fato é e será eternamente Um; portanto, onde Ele está, está a unidade do Espírito. Qualquer pessoa que tem o Espírito do Senhor, tem a unidade do Espírito, não lhe pede que a fabrique, não lhe pede que a alcance, só lhe pede que a guarde com solicitude, em troca, quando se fala da unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, da estatura do varão perfeito, este Varão, é o filho varão daquela mulher, este varão perfeito do versículo 13. Diz: “até que todos cheguemos”; chegar; agora fala de um processo. A partir da unidade do Espírito, chegamos à unidade da fé; quer dizer, crescemos, somos aperfeiçoados, somos edificados na unidade da fé, a fé do Filho de Deus, a fé que uma vez foi dada aos Santos. Não vamos acrescentar nada à fé; a plenitude desta fé expressa na Palavra de Deus.

Mas uma coisa é que ela esteja na Palavra de Deus e outra coisa é que nós a tenhamos captado, ou a tenhamos recebido ou tenhamos crescido nela; a fé foi dada uma só vez, não aparecerá nenhuma outra Bíblia. Qualquer outra que pretenda aparecer por aí, o Corão, o livro do Mórmon ou qualquer outro, é falso. Paulo disse que nem sequer ele, nem os apóstolos, nem nenhum anjo do céu, podiam pregar um evangelho diferente que o que já pregou Jesus Cristo. Jesus Cristo é o Amém de Deus; já a última Palavra. ?Ele é o princípio e Ele é o fim; portanto na Bíblia já está contida a plenitude da fé do Filho de Deus; mas isso não quer dizer que nós por ter a Bíblia em papel, tenhamo-la no coração, por revelação; isso é outra coisa.

PRECISAMOS NOS APROFUNDAR NO CONHECIMENTO E NA FÉ, NA FÉ E O CONHECIMENTO DO FILHO DE DEUS.

Ver-me-ão, gozarão, alegrar-se-ão, primeiro na fé, logo a realidade, na esperança, e logo na plenitude. Diz aqui: “...até que todos cheguemos (o verbo agora é futuro, fala-nos de um processo) à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus”. E agora é como se a fé e o conhecimento do Filho de Deus se sintetizassem em uma pessoa, e é em Cristo. A fé e o conhecimento do Filho de Deus é um equivalente do seguinte verbo, da seguinte frase: “a um varão perfeito.” Ele está dizendo duas coisas da mesma maneira: “Cheguemos à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus”, é o mesmo que chegar: “a um varão perfeito” e isso é o mesmo que chegar: “à medida da estatura da plenitude de Cristo”; então aqui fala de uma plenitude que tem uma medida e que tem uma estatura, e essa plenitude, essa medida, essa estatura, é um varão perfeito. Vemos, pois, que a Igreja tem que crescer à medida do varão perfeito; e podíamos dizer que o varão perfeito tem que crescer a Sua própria medida na Igreja, porque Ele ascendeu e enviou seu Espírito com o objetivo de encher tudo, do que? De Si mesmo. Então a unidade do Espírito, a unidade da fé, a unidade do conhecimento, estão relacionados com o varão perfeito. Tudo começa com o Espírito; esses são o penhor da herança, a primeira parte. Pelo Espírito nascemos de novo e nascemos para crescer, para ser edificados juntos como um corpo, o corpo Dele, um organismo para Sua própria vida; então crescemos no Senhor.

Então o Senhor disse que Ele o faria, porque isso é o que a profecia dizia que faria o Filho de Deus; embora a profecia diz como o filho de Davi. “Davi, tu derramaste muito sangue, você não me edificará casa, mas um filho que nascerá de ti”, do qual Salmão era tão somente uma figura; o templo que edifico Salomão era apenas uma figura; “chamou a Salomão, seu filho, e lhe ordenou que edificasse casa ao SENHOR”. Por isso Paulo aos Efésios fala da edificação do corpo de Cristo, e diz: “...para morada de Deus no Espírito.” Toda a edificação, toda a casa que se levante, é para ser cheia. O objetivo do Tabernáculo era ser cheio da glória, o objetivo do templo era ser cheio, o objetivo da Igreja é ser cheia. Ele subiu para encher tudo, e ao final será Deus “tudo, em todos”. Aqui este todos se refere logicamente aos que recebemos ao Senhor, porque outros estarão no Lago de Fogo, conhecendo a justiça de Deus, posto que não quiseram conhecer a Graça, conhecerão o julgamento de Deus. Como rechaçaram a graça, bom, ficaram sem essa metade da moeda de Deus, mas a outra metade a deixarão sempre presente. Deus estará sempre presente com eles em Seu julgamento; Ele quer estar presente na vida de todos em Sua graça, mas se rechaçarmos Sua graça, não fica a não ser em Sua presença: Julgamento.

Então “Eu edificarei (diz o Senhor Jesus) Minha Igreja”. A formação de Cristo na Igreja. A história da Igreja, é a história da edificação de uma casa que o Filho do Davi fez a seu Pai; a história da Igreja tem esse objetivo, de edificar uma casa para a plenitude de Deus. É Deus em Cristo e Deus por Cristo, pelo Espírito em nós; é Deus o Pai quem colocou Sua plenitude no Filho, e é o Pai e o Filho pelo Espírito que aconteceram e estão passando Sua plenitude à Igreja. Então esta Igreja sendo cheia e portanto aperfeiçoada, e portanto edificada; e todo esse processo tem uma tarde e uma manhã, tem uma dor e um gozo, uma angústia e um parto, e toda a história da Igreja, é uma combinação destas duas coisas. A Igreja passando por dores, por tristezas, por angústias, com o rápido objetivo de dar a luz ao Filho Varão; ou seja, que Cristo se forme na Igreja. Sempre a Igreja enfrentará desafios, enfrenta problemas, e esses problemas aqui têm essas palavras que aqui mencionava: angústia, etc.

UM POUCO MAIS DE CRISTO

Mas a resposta, se for ser verdadeira resposta, sempre será um pouco mais de Cristo; nunca a resposta será outra que algo mais de Cristo, um pouco de Cristo que não tínhamos conhecido, um aspecto de Cristo que não tínhamos captado; compreenderemos e participaremos espiritualmente de um pouco mais de Cristo; então o objetivo dessas provas, destas lutas destes conflitos, destes combates, foi que Cristo seja melhor conhecido. Ontem à noite conversávamos com o irmão Jorge Iván Panesso, e outros irmãos, ao falar do processo da história da Igreja, e como o que o Senhor foi revelando de Si, de Seu propósito, de Sua Palavra, de Seus planos, de Suas obras, da riqueza de Sua obra a Sua Igreja, que foi dirigido tudo isso pelo Espírito Santo, porque o Espírito Santo está aqui em nome de Cristo, não fazendo nada por Si mesmo, a não ser atuando no nome de Cristo, não falando a não ser o que ouve, o que recebe de Cristo, e Cristo o que recebe do Pai. “A revelação de Jesus Cristo que Deus lhe deu”. Deus o Pai a dá ao Filho, e o Filho ao Espírito, e o Espírito a veio dando à Igreja durante este comprido processo de edificação. Esta edificação é para um final; diz que: “melhor é o fim do negócio, que seu princípio”. Ou seja, que os do fim (não os do fim, embora sejamos os “do fim” do Senhor) os do fim do negócio, somos os herdeiros do processo da formação de Cristo ao longo da história da Igreja, a Igreja estava em dores de parto, embora tenha havido coisas que não compreendeu bem.

A Palavra, a revelação que foi proposta Por Deus, que foi chamada assim pelos teólogos: A Revelação Preposicional, A Revelação Especial que esta na Bíblia; a Palavra completa de Deus já foi dada à primeira geração apostólica; fechou-se o Cânon, já não é necessário que apareça outra Bíblia, já tudo o que temos que conhecer esta aí; somente que agora nos corresponde beber do Espírito, nos voltar para Espírito, para que o Espírito nos dê a resposta, fazendo viva por meio de Cristo Sua palavra a nós. Cada vez a Palavra será mais real, cada vez a Palavra será mais rica, cada vez a Palavra terá maior conteúdo para nós; possivelmente ao princípio nós lemos como às escuras, passamos por muitos versos, até os podemos recitar de cor, mas não somos tocados pela realidade desses versos, não se fazem um rhema, uma palavra viva, iluminada, uma iluminação, um sopro, um toque do Espírito, mas sim o Espírito vai capturando, e quando estamos passando rapidamente, de repente algo nos tocou, fez nos deter, fez-nos voltar e voltamos sobre nossos passos e começamos a olhar de novo uma palavra que já tínhamos lido muitas vezes, e que não a tínhamos entendido e que não a tínhamos relacionado com outras que estão também na mesma Bíblia, até que Deus vai trazendo luz. A história da Igreja, a história do entendimento espiritual da Igreja, a respeito da Palavra plena de Deus, a respeito de Cristo, Sua pessoa, Sua relação com seu Pai e com Seu Espírito, com a humanidade, Sua obra, Seu viver, Seu morrer, a profundidade de Sua obra na cruz, a ressurreição, o que nos vem da ressurreição, o que nos vem da crucificação, o que nos vem da ascensão, o que nos vem da intercessão, o que nos vem da encarnação, tudo isso a Igreja esteve desfrutando como um saque que o Valente ganhou e agora a Igreja fica com o saque; já a Igreja tem o saque, os despojos nas mãos, já é nosso, mas ainda não o desfrutou, apenas esta tirando as coisas. Oh! mas isto estava aí? Sim. Mas isto também? Sim.

E quem faz isso? O Espírito; o Espírito é o que faz realidade a Cristo em nós, é o que faz viva e vida a Palavra de Deus em nós, é o que verdadeiramente nos edifica. Então, irmãos, a história da Igreja tem esse sentido; convém olhar o que o Espírito tem feito na história da Igreja, convém observar atentamente ao Senhor em Sua edificação, convém pôr atenção às tônicas, às teclas que o Espírito Santo há tocado nos diferentes séculos; porque foi uma edificação; necessitava-se a luz dos primeiros séculos para que se pudesse edificar algo nos séculos médios; e se necessitava o que foi gerado nos séculos médios para que se pudesse chegar ao que se viu na época da Reforma; necessitava-se o que foi gerado, o que foi formado de Cristo na época da Reforma para que se pudesse dar o que se deu depois nos séculos XVIII, XIX e XX; e nós no século XXI necessitamos tudo o que contribua do Espírito; não digo somente uma contribuição com externo; claro que o do Espírito se pode escrever e se pode ter uma biblioteca, claro que ter uma biblioteca fora é o mesmo que ter uma Bíblia sem ler. Damos graças a Deus pela Bíblia e pelo que o corpo de Cristo tem escrito e que enche bibliotecas, mas Deus está interessado, não em que tenhamos bibliotecas, embora não as proíbe, e se a gente apreciar as coisas de Deus, pois acredito que apreciará o que Deus deu aos irmãos, inclusive aos seres humanos; mas o que Deus nos está dando à Igreja durante estes 21 séculos, é algo mais do mesmo Cristo, e é algo que o Espírito fará cada vez mais real; nunca a realidade pode ser independente ao Espírito.

ESPIRITUALIDADE E ORTODOXIA. UNICAMENTE PELO ESPÍRITO

Eu queria olhar com meus irmãos um verso que está aqui na 2ª epístola Timóteo 1, nos versos 13 e 14 diz Paulo a Timóteo assim; ele se refere a dois aspectos aqui, a um externo, digamos ortodoxo, doutrinal, e a um interno, espiritual, podíamos lhe chamar inclusive carismático se se quiser, não no sentido de carisma, de dons, a não ser vital; e todo este conteúdo de Cristo que a Igreja esteve recebendo para que nela se forme e Ele encha tudo, tem esses dois aspectos: um aspecto vital, interno, e um aspecto ortodoxo, doutrinal, externo.

Às vezes nos inclinamos segundo nossos temperamentos, a um ou outro aspecto; se formos pessoas racionais e se tivermos algum dom de mestre, possivelmente nos inclinemos ao aspecto ortodoxo, doutrinal; se formos umas pessoas um pouco mais místicas, ao aspecto interno, espiritual, ou inclusive bastaria sendo emocionais, porque às vezes o emocional se parece um pouco ao místico; não é o mesmo, claro, mas como se parece, então às vezes substituímos o místico, o misterioso, o espiritual, pelo meramente emocional. Há pessoas que só procuram saber; outras que procuram sentir, uns se inclinam mais por estar sentindo; “é que não sinto nada e eu quero sentir, é que faz tempo que não sinto”, e outro o que quer não é tanto sentir, mas bem desconfia desses sentimentos; ele o que quer é saber; mas tanto o saber como o sentir pertencem só ao âmbito da alma, do homem exterior, ao âmbito anímico, não ao mais interno, ao âmbito espiritual, Claro que Deus quer que sintamos e que saibamos, mas o que mais quer Deus é que creiamos. Ainda não podemos saber nem sentir tudo o que algum dia temos que saber e de sentir, agora é necessário acreditar e viver uma vida de fé, para que por essa fé, essa dependência, esse contato, possamos ser tocados e receber realidade espiritual em nosso interior; eis aqui essa realidade.

Diz Paulo a Timóteo em 2 Timóteo 1 (o verso 13 fala da ortodoxia doutrinal e o verso 14 fala da experiência espiritual, uns podiam dizer do Logos e do Rema): “Mantém o padrão das sãs palavras que de mim ouviste com fé”; porque não são só palavras, a não ser palavras reais, palavras na fé, e no amor; mas esta fé e este amor tampouco são reais em si mesmos, só em Cristo. Cristo é a realidade da fé e do amor, e a fé e o amor em Cristo, são a realidade desta forma das sãs palavras. Então poderíamos dizer que a forma das sãs palavras são o aspecto doutrinal ortodoxo da verdade, que deve ser retido; não podemos pretender ser tão espirituais que nos deixemos da ortodoxia; porque assim qualquer espírito misticoide nos levaria a fantasias pensando que é o Espírito Santo. Não vou contar casos, acredito que Manolito Urrea, tem a carga de falar sobre isso e pode ser que nos conte uns casos; mas logo então diz o verso 14: “guarda o bom deposito (e diz aqui) pelo Espírito Santo que mora em nós”. Fixa que o bom deposito, ou seja, a realidade das palavras ortodoxas, aquilo ao qual se refere a ortodoxia, só o pode guardar o próprio Espírito Santo; do qual devemos depender cada dia; para que o que sabemos, as verdades que aprendemos, as verdades da ortodoxia, sejam vida em nosso ser; só o Espírito Santo nos pode fazer isso vivo. Pode ser que o dia que teve uma revelação, foi muito vivo para ti, mas passado o tempo, começamos a ficar com a casca, com a formula, com o formalismo, com a inércia, e se perde a vitalidade; mas dizemos as mesmas coisas, o credo é o mesmo, a fórmula é a mesma, o credo da Nicéia, o da Calcedônia, a confissão de Ausburgo, podem ser verdadeiras, referem-se a coisas da Bíblia; mas Deus está interessado em que por meio do Espírito Santo mantenhamos viva essa verdade; tenho que dizer: “Senhor, eu não quero repetir somente coisas que sei, claro que as tenho que dizer, não vou dizer outras, mas necessito de Ti, porque só Você mesmo é a verdade desta coisas, só Você mesmo é a realidade destas palavras; necessito de Ti, volto-me para Ti”. Diz que se viermos a Ele pela fé, “de nosso interior correrão rios de água viva Isto diz São João: “isto disse do Espírito que receberiam os que acreditassem”, ou seja que o Espírito está sempre para que nos voltemos para Ele para acreditar; nem tanto para saber, nem tanto para sentir, a não ser para acreditar. “que em mim crê, de seu interior correrá o Espírito, ...como rios de água viva”; são vários rios, porque necessitamos constantemente que a secura da ortodoxia, que pode nos levar a murchar, reverdeça; só o Espírito faz reverdecer aquilo ao qual se refere a ortodoxia, e Paulo nos manda a reter as duas coisas, o aspecto externo e o interno. “Reserva a forma e guarda o bom deposito...”. O Bom Deposito é tudo o que Deus o Pai é, Sua plenitude que pôs em Cristo, e o que o Pai e o Filho, o que eles são e têm feito, o Espírito o faz real em nós, por meio de depender deles na fé, acreditar Sua palavra e depender, vir ao Senhor, dizer ao Senhor: “Não tenho nada sem ti, não quero ser um papagaio”. Um papagaio pode aprender o credo da Calcedônia, um papagaio pode aprender a confissão de Ausburgo e a podia repetir, mas sabemos que o Senhor nos deu mais que palavras e que as repetir como um papagaio; necessitamos essa presença do Espírito que esta aí, não porque nós o mereçamos, não porque tenhamos guardado a lei, mas sim pelo ter ouvido a Palavra com fé; é acreditar a Palavra o que abre as portas ao funcionamento da obra do Espírito.

“Receberam o Espírito pelas obras ou pelo ouvir com fé..., aquele que faz maravilhas entre vós...”; então o que faz maravilhas entre nós é o que subministra o Espírito e o faz somente pela fé; acreditar em Deus. Se Deus te concede sentir algo, saber algo, amém; recebe-o como um dom de Deus; é um dom de Deus saber algo. Saber eletricidade também é um dom de Deus, saber engenharia é um dom de Deus, saber agricultura também é um dom de Deus; tudo isso é um dom de Deus; não vamos menosprezar os dons de Deus. Deus junto com seu Filho nos deu todas as coisas, mas todas as coisas sem seu Filho se voltam uma distração e uma enganação, um engano; mas todas as coisas com seu Filho são nossas. Deus nos deu todas as coisas, até a morte é nossa, e a vida e o futuro, tudo é nosso em Cristo Jesus; somos herdeiros de tudo, tudo nos pertence e nos é útil se estivermos em Cristo, se Cristo for o administrador, se Cristo for o que dirige todas as coisas. As coisas nos foram dadas, não vamos menosprezar as coisas porque seria menosprezar ao Doador, mas não vamos idolatrar as coisas de tal maneira que nos afastem do Criador.

Graças a Deus por todas as coisas, por todas as experiências, por todas as posses, por todos os conhecimentos; essa não é a letra que mata, a letra que mata é a própria letra da lei de Deus que foi escrita em tábuas de pedra, para condenar ao que não obedeça a lei; essa é a letra que mata, mas todo o resto que possamos conhecer, de agronomia, de medicina, de engenharia, de astrofísica, etc., é um dom de Deus; todas as coisas nos foram dadas. “O que é o homem para que dele te lembre? Fez-lhe inferior aos anjos, entretanto o coroou de honra e glória, todas as obras de suas mãos, pô-las nas mãos do homem”; de maneira que não precisamos nos desfazer de uma parte dos dons de Deus, o que precisamos é recebê-los e administrá-los em conjunção com Cristo, em comunhão com Cristo; nada do que é humano nos tem que ser proibido, ou nos tem que ficar grande, não! Tudo o que é humano, é humano por vontade de Deus, menos o pecado (claro, isso foi que Deus o permitiu, mas não o quer), mas tudo o que nos vem do que é humano por criação de Deus, é algo que Deus quer que o tenhamos como um presente Dele, e o administremos em união, em comunhão com seu Filho Jesus Cristo. Toda a história da Igreja é isto, tem um conteúdo interno e um externo; digamos que às vezes temos sozinho a ortodoxia, mas um dia iluminou algo mais de Cristo e a ortodoxia se fez viva e se fez visto; aí está o Espírito. Então essa é a formação de Cristo, é quando a ortodoxia se faz viva, por causa do Espírito.

O QUE DEUS NOS CONCEDE PARA QUE ISSO FALEMOS


Em 1ª aos Coríntios capitulo 2, também fala destes aspectos. Diz no verso 12 até o 15: “e nós não recebemos (eu gosto do verbo receber, assim como o verbo acreditar, porque nada se pode receber, a não ser acreditando) o espírito do mundo”. Ai Senhor! Guarda meu coração, guarda nosso coração de receber o espírito do mundo.

Nós estamos fechados, devemos estar, pelo menos fechados ao mundo; na cruz o mundo foi crucificado e nós crucificados ao mundo “Não recebemos (diz Paulo com essa segurança) o espírito do mundo, a não ser...”; isto sim recebemos; isto não é um prêmio a muito jejum, ou um prêmio a algumas orações bem desmedidas, nos dando cabeçadas contra a parede, não!, é por fé que se recebe; o que sim recebemos é “o Espírito que provém de Deus (Que maravilha! isso é o próprio do Espírito, a procedência, o Espírito provém de Deus) para que saibamos (aqui está o conhecimento do Filho de Deus. Saibamos o que?) o que Deus nos concedeu”. Isso, o que Deus nos concedeu é o Bom Deposito, é a realidade, é o próprio Deus, é o próprio Cristo, é o próprio Espírito, é a obra efetiva; isso é o que Deus nos concedeu, esse é o conteúdo interno, mas diz que temos que sabê-lo, quer dizer, tomar consciência; nisto terá que crescer: Na fé e no conhecimento do Filho de Deus; é um conhecimento espiritual que claro que deixa suas marcas e seu trabalho no natural, mas o núcleo, a medula é espiritual, e diz aqui: “o que Deus nos concedeu, o qual também falamos”; essa é a ortodoxia, essa é a verdade doutrinal, mas aqui temos as duas coisas, uma: “o que Deus nos concedeu”, e a outra: “o qual também o falamos”, este contido o expressamos segundo a forma das sãs palavras, ou seja, a ortodoxia bíblica; mas temos a ortodoxia bíblica e o Espírito, que é a realidade o que a Bíblia fala; temos as duas coisas; para isso a Igreja está aqui, para que Ele encha tudo, e então Ele enche assim pelo Espírito; mas o Espírito também se expressa em palavras: “O que Deus nos concedeu” e “o qual, também falamos”; esse é o testemunho da Igreja, ou seja que a Igreja está aqui, estamos aqui para ser testemunhas do que o Senhor está enchendo; ser testemunhas. Ser testemunha não é somente falar; ser testemunha é ver o que Deus está fazendo.

Quando Deus disse a seus discípulos: “ser-me-ão testemunhas”, não somente quer dizer: Vão falar de mim, não, vocês me vão ver fazendo as coisas e vocês as vão interpretar”; como fazia Pedro: “Isto é o que disse o profeta Joel: Nos últimos dias, derramarei meu Espírito sobre toda carne, sobre meus servos, sobre minhas servas, sobre meus filhos sobre minhas filhas...”; isto é isto, ou seja, está a realidade e está a interpretação. Aí temos não só ortodoxia, nem só carisma, mas sim temos vida e temos verdade, vida e verdade. O Senhor é “o caminho, a verdade e a vida”. O caminho é todo Ele. Todo o processo é algo mais de Cristo; o primeiro passo é: um pouquinho de Cristo, o segundo passo é: outro pouquinho de Cristo, o terceiro passo é outro pouquinho de Cristo, o quarto passo, todos os passos, e todo o caminho é Cristo.

Então Cristo tem essas duas coisas: Verdade e Vida; a vida é o Espírito, e a verdade é também Cristo; e é a Palavra, poderíamos dizer é a ortodoxia. “Sua Palavra é Verdade”. Então aqui vemos isso dois aspectos, verdade? “O que Deus nos concedeu, isso também falamos”; o falar dos apóstolos, o falar do Novo Testamento, o falar da Igreja, é a ortodoxia; mas essa ortodoxia não é uma ortodoxia seca, não é uma ortodoxia vazia, é uma ortodoxia com seu respectivo conteúdo espiritual que é o próprio Senhor. Então diz aqui: “...também o falamos não com palavras ensinadas com sabedoria humana...”. Vocês sabem que há duas classes de sabedoria, uma meramente natural, mas há uma que provém do alto, que é primeiro pacífica, cheia de mansidão, cheia de bons frutos, essa é a verdadeira sabedoria de Deus; não é somente uma erudição jactanciosa, mas sim é mansa, humilde, ou seja que tem um caráter, uma natureza espiritual; e então diz aqui: “não com palavras ensinadas com sabedoria humana, a não ser com as que ensina o Espírito”; ou seja que o Espírito ensina palavras, o Espírito ensina a expressão ortodoxa, o Espírito ensina a forma das sãs palavras, mas também as enche de conteúdo, como Jesus disse: “minhas palavras são Espírito e vida”; então diz aqui: “as palavras que ensinam o Espírito comparando o espiritual ao espiritual”; e aqui vemos que há duas coisas espirituais que se comparam uma à outra, e que se correspondem. Uma coisa espiritual é o que Deus nos concedeu. O que é? A própria vida divina, a natureza divina, nosso próprio Pai em seu Filho Jesus Cristo, em seu Espírito; e o que o obteve em sua vitória sobre a morte, o pecado, o mundo, o diabo, tudo isso nos concedeu isso e isso também o falamos; e esse falar apostólico, esse falar neotestamentário, esse falar da Igreja, é a ortodoxia, a fé que foi dada aos Santos, a fé em que a Igreja tem que crescer. A Igreja tem que crescer na ortodoxia viva, na vida, em sua forma correta, forma da sãs palavras, o bom deposito pelo Espírito, e aqui vem o espiritual acomodando-se com o espiritual, um conteúdo interno, o que Deus nos concedeu, isso é algo espiritual, falamos com palavras ensinadas pelo Espírito, acomodando, acomodando as palavras ao que Deus nos concedeu, acomodando as palavras. O Espírito Santo nos dá palavras que são as que estão no Novo Testamento; essas são as Palavras que ensinou o Espírito; isso, o Novo Testamento, são as palavras que se referem ao que Deus nos concedeu. Então a Igreja que está no ministério do Novo Pacto, a diferença da sinagoga no Antigo Pacto, e do sacerdócio de Aarão; o sacerdócio de Aarão nos dava só o aspecto exterior, mas no aspecto do Novo Pacto, a Igreja administra as duas coisas, o conteúdo, o bom depósito, o que Deus nos concedeu, a realidade espiritual, através de umas palavras, da forma das sãs palavras, de uma ortodoxia bíblica, que é também inspirada pelo Espírito Santo, e que a Igreja como ministério do Novo Pacto deve administrar as duas coisas; sempre que nos estejamos dando conta que nos estamos ficando só na letra, bom, nós sozinho temos letra, mas o Espírito Santo tem vida e Ele nos dá isso, não porque mereçamos algo, venhamos mas bem e digamos: “Senhor, volto-me para Ti, necessito sua graça, necessito seu Espírito, com Seu sangue venho a Ti, para que Você faça viva sua Palavra; não vou eu a fazer viva a palavra, não vou eu a dar manivela às emoções para aparentar uma coisa que não é. Senhor, necessito Sua graça”.

RECEBEMOS TUDO PELA OPERAÇÃO DO PODER DE DEUS

A graça é a operação de Seu poder, esse é o ministério; diz aqui em Efésios (voltaremos para Coríntios) 3:7, 8: “A mim que sou menos que o mais pequeno de todos os Santos, foi dada esta graça”; não diz este prêmio, não é porque mereci um prêmio, não, não; não é um prêmio, é um presente. “O que tem que não tenha recebido? E se o recebeu, por que te glorifica como se não o tivesse recebido?... Quem te distingue?” Tudo recebeste, ninguém pode se glorificar; “...esta graça, fui feito ministro...”, fui feito servidor , ou seja, o ministério do Novo Pacto, que é o ministério que tem agora o corpo de Cristo, assim se forma. “...ministro pelo dom da graça...”, pelo presente do presente, pelo dom da graça; ministro pelo dom da graça; e diz “que me foi dado”; outras vez dado, tudo é um presente. E como é dado? Como é que Deus dá o dom da graça? “Segundo a operação de seu poder”, ou seja, que quando o poder de Deus opera, que não é o nosso, embora seja através de nós, quando o poder de Deus, quando a realidade do que Deus nos concedeu, que é Deus, quando o poder de Deus opera, essa é a maneira como Deus dá o dom da graça. Deus dá de presente o presente do presente, o dom da graça; assim Deus te faz servidor. “Fui feito ministro pelo dom da graça que foi dado, segundo a operação de seu poder”; ou seja, o poder do Senhor é o conteúdo, é o Espírito, é a realidade das coisas, e esse é um dom dado a quem? À Igreja, a todo o corpo de Cristo, uns com um ministério, outros com outro, no sentido externo, mas no fundo todos com o mesmo ministério da reconciliação, da Palavra, do Espírito, do Novo Pacto, da justificação; esse é o ministério que compartilhamos todo o corpo de Cristo. O corpo de Cristo é o administrador da graça de Deus, como se a graça fora um pacote, uma realidade espiritual que está nas mãos da Igreja, e que as pessoas que se encontram com a Igreja recebem uma realidade espiritual que é graça, que é vida, que é luz, que é poder de Deus, que é salvação, que regenera; é uma administração espiritual, uma verdadeira edificação que está o Filho fazendo para seu Pai. O Filho edificando para o Pai. Então aqui vimos esses dois aspectos.

Voltemos para 1 Coríntios 2:14: “Mas (mas, mas) o homem natural...”; a palavra no grego é o homem psíquico, ou seja, o homem meramente almático, que está só em seus pensamentos humanos, em suas emoções humanas, em suas decisões humanas, que está tratando de produzir magicamente, enfeitiçadamente, por si mesmo alguma coisa. Diz: “o homem natural, não percebe...”; e aqui se usa o verbo perceber; o espiritual, a realidade espiritual, tem que ser percebida; mas se uma pessoa não nasce de novo, não pode perceber. Não que não esteja ali o Senhor, não que não esteja ali a vida, não que não esteja ali a luz, não que não esteja ali o poder, só que estão cegos, e não o vêem; mas os que o vêem, justificam a sabedoria de Deus.

Não disse assim o Senhor Jesus? O mesmo Senhor Jesus que esteve fazendo milagres na Galiléia, foi o que esteve em Nazaré, mas os de Nazaré diziam: Mas quem é este? Não é este o carpinteiro? e não puderam perceber porque estavam no homem natural; e diz o Senhor Jesus e depois Paulo: “que não nasce de novo, da água e do Espírito, não pode perceber, não pode ver, não pode entrar no reino deste Deus, ver é este perceber; o ver do João 3 é o perceber de 1 Coríntios 2; as coisas espirituais se têm que perceber, e o perceber não é um fruto do trabalho do homem, mas sim é a graça de Deus.

“Bem-aventurado és, Simão filho de Jonas, porque não lhe revelou isso...”, ou seja, que Pedro percebeu algo, e não foi porque Pedro fora melhor; não, não, era bem-aventurado, porque o Pai o revelou, o Pai revelou ao Filho, e sobre a rocha, que é este Cristo sendo revelado e confessado pela Igreja, é que a Igreja é edificada. Então a Igreja se edifica em uma revelação que é o conteúdo interno, que é a luz, que é a presença do Espírito Santo dizendo: Isto é assim. Mas agora você o confessa; então, a confissão de Pedro, e que tem que ser a da Igreja, é a ortodoxia, a doutrina; mas a revelação que recebeu Pedro é o que Deus nos concedeu. Isso é o espiritual, o interno. Quem é o Filho? e Para que veio? O que nos fez? e o que nos deu? e o que somos nele? Isso nos é revelado e também é confessado pela Igreja. A Igreja tem um testemunho duplo, um testemunho que é o ministério do Novo Pacto, que é administrar a graça de Deus através de umas palavras também espirituais, ensinadas também pelo Espírito, uma forma das sãs palavras, um testemunho ortodoxo e vivo. Eu queria chamar a atenção aos irmãos, de que somos herdeiros desse testemunho que tem essas duas caras, uma cara para dentro e uma cara para fora, uma cara que é o que Deus nos concedeu, a realidade do Espírito, o poder, a revelação, e uma cara que é a confissão, a forma das sãs palavras, a doutrina. “Guarda a doutrina”, diz Paulo. Paulo não tinha reparos em falar de doutrina, a doutrina dos apóstolos; fui entregue a esta forma de doutrina; claro, também foi entregue ao Senhor, às duas coisas, ao Senhor e a esta forma de doutrina; e esta forma de doutrina é uma expressão apostólica. Não devemos já pretender ser tão carismáticos, que nos vamos desfazer de toda doutrina.

OBEDECENDO EM ESPÍRITO A FORMA SÃ DA DOUTRINA

Vamos ler essa expressão em Romanos 6:17; aqui aparece como uma doutrina pode produzir um efeito na pessoa; mas por que? Porque essa doutrina é somente um pacote que contém um conteúdo; por isso produz o efeito do verso 18; o verso 17 diz: “graças a Deus, que embora foram escravos”; e Paulo o diz com essa segurança: “foram escravos”, não necessariamente agora, agora vocês têm algo que é mais poderoso que o pecado que há na carne; vocês têm o Dom do Espírito, como se o Senhor dissesse: “Nunca vocês vão vencer a vocês mesmos com seu próprio poder; recebam meu presente, queiram-no, contem comigo”. Então diz: “graças a Deus que embora foram escravos do pecado...”; Paulo pode dizer aqui: “obedecestes a Cristo”, o qual estaria e pareceria muito espiritual, mas isto também é espiritual, isto o inspirou o Espírito Santo: “obedecestes que coração a aquela forma de doutrina”; note que aí fala: Forma de doutrina; essa é a ortodoxia; mas claro que Paulo não era só um professor de confissões, não; ele era um ministro do Novo Pacto, ou seja, ele dependia da ajuda do Espírito Santo, e o Espírito Santo operava poderosamente nele; esse é o atuar de Deus no ministério. O ministério de novo Pacto é um atuar de Deus. “que atuou em Pedro, atuou também em mim para com os gentios”; ou seja, que Paulo tinha consciência que ele sozinho não tinha atuado; claro que ele também disse: “Eu percorri tudo até o Ilírico, e enchi tudo, ...não eu, a não ser a graça de Deus comigo”; não eu sozinho, se claro, eu fui, eu fiz, mas não eu sozinho, a graça de Deus comigo. Então ele diz aqui de outro aspecto Amém? Competentes por nós mesmos? Não!, mas sim um presente de Deus. Então diz:“obedecestes de coração a aquela forma de doutrina”, isso, a doutrina dos apóstolos, tem uma forma espiritual; o que recebemos também o falamos com palavras ensinadas pelo Espírito; essa é a forma da doutrina, as palavras espirituais que se acomodam ao conteúdo espiritual; essas duas coisas Deus nos deu isso , a Igreja, para dar um testemunho, e esse testemunho é um testemunho crescente; embora a fé foi dada uma só vez, é cada vez melhor entendida, cada vez melhor vivida, cada vez melhor representada, cada vez melhor exemplificada; isso, enquanto o diabo está mandando seu rio de águas sujas, o Senhor diz: “O inimigo não levantará bandeira”, “quando o inimigo vier como um rio, o Senhor levantará bandeira, contra ele”. Ou seja, que na medida que aumenta a maldade, que aumenta a configuração da globalização do mundo para o reino do anticristo e do dragão, a Igreja também vai maturando, nesse Varão vai crescendo, a Igreja vai recebendo o que necessita de Cristo para enfrentar qualquer situação.

SEMPRE SERÁ ALGO MAIS DE CRISTO

Quando vemos as sete eras da Igreja, vemos nas sete eras da Igreja, que a Igreja passa por diferente situações; às vezes cai, às vezes falha, e o Senhor em Seu amor, aos que ama corrige e inclusive castiga, porque a palavra castigo também existe de parte do amor do Senhor. O nosso Sumo Sacerdote com seus espevitadeiras diz: “...mas tenho contra ti... tenho contra ti...”.

O que vemos ali nessas eras da Igreja? Vemos que o Senhor, é a resposta para todos os desafios da Igreja; a Igreja passa por períodos para enfrentar diferentes desafios para que Cristo seja a resposta aos novos desafios, os desafios do Império Romano, os desafios do Judaísmo, os desafios da filosofia grega, os desafios do gnosticismo, a resposta para todos eles foi um pouco mais de Cristo formando-se na Igreja; logo vieram os desafios da época do Sacro Império Romano, a mescla da política com a religião, mas a resposta foi: um pouco mais de Cristo, da santidade, da separação de Cristo; e havia irmãos que deram lugar a Cristo e venceram esse novo desafio; veio uma nova era da Igreja, novas circunstâncias, novas mesclas, se não havia perseguições por fora, havia armadilhas por dentro. Qual era a resposta sempre a tudo? Um pouco mais de Cristo. “Ainda um pouco e não me verão... a mulher quando vai dar a luz tem dor, tristeza, angústia”. Mas o que é tudo isto? Para que é tudo isso? Para que a resposta seja um pouco mais de Cristo; sempre a Igreja receberá um pouco mais de Cristo, para enfrentar qualquer desafio, a soma dos desafios, as sete Igrejas, a soma dos problemas que o diabo enfrentará contra Deus, está sintetizado nos problemas das sete eras da Igreja, Apocalipse 2 e 3, e a resposta sempre é Cristo. “...assim diz o que esta no meio dos sete castiçais... que tem a espada... assim diz o que tem os sete Espíritos... assim diz o Amém... assim diz o Santo...”, assim diz, assim diz. Sempre nos distintos aspectos de Cristo; é um mesmo Cristo que no capítulo um tem todas as coisa nele, mas a Éfeso aplica este lado de Sua pessoa, a Esmirna aplica este lado, a este Pérgamo, a Tiatira, a Esmirna, a Filadélfia e a Laodicéia, a cada um responde com algo de Si mesmo; a única resposta e a suficiente para todo desafio havido e por haver é algo mais de Cristo e toda vivificação do Senhor. A edificação é isso, edificar é: um pouco mais de Cristo. Nunca será outra coisa a verdadeira edificação a não ser um pouco mais de Cristo. Cristo nos dando saída para este novo desafio, e por isso o Pai nos permite diferentes desafios, às vezes complicados; para que? Para dar lugar a Cristo, para que Cristo seja visto; de repente onde não havia saída, houve uma saída e qual era a saída? Algo mais de Cristo. Sempre a saída será um pouco mais de Cristo.

Isto, tendo sido falado a nível geral, a nível panorâmico, sem entrar nos detalhes da mão do Senhor, providente da história da Igreja, isso se poderia ver também, se o Espírito o dirigir, se o quer usar de uma maneira viva, para nos capacitar para hoje, porque a Igreja tem todo um deposito, tem um deposito de munições, mas que só o próprio Espírito as vivifica. Terá que ir ao Senhor, às vezes só vamos à ortodoxia; isso foi o que aconteceu a Israel, e Jesus lhes disse: “Vós esquadrinhais as Escrituras, pensando ter nelas (ou seja, no aspecto externo da ortodoxia) a vida eterna, mas (o que fazem as escrituras?) elas dão testemunho de mim”. Como se dissesse: “Elas são um caminho para mim, mas vós não quereis vir para mim, para ter vida; vós recorreis às escrituras, pensando ter vida, mas das Escrituras não vêm para mim, mas venham para mim; quem crer em mim, de seu interior correrá o Espírito”; mas não terá que ir só à Escritura, terá que ir a Ele com a Escritura. Quando lemos a Escritura, lemo-la em oração, não cumprindo um dever, a não ser conversando com o Senhor, dependendo, querendo encontrá-lo em cada frase da Escritura. Que Ele seja quem nos ilumine cada versículo, que Ele seja quem nos conecte este com aquele, e então assim algo mais Dele se forma em nós, e somos edificados, mas a única verdadeira edificação sempre é: Algo mais de Cristo; cada desafio que temos por diante, é uma ocasião a Cristo, e nós poderemos honrar a Cristo. Se em nosso desafio pessoal e coletivo vamos a Cristo, cada desafio que fazia a Igreja: “Senhor, olhe: levantaram-se estes: Herodes e Pilatos... E: Senhor, concede a Sua Igreja denodo”. Já tinha vindo o Espírito Santo no dia de Pentecostes, e voltou a tremer e voltaram a sentir o Espírito Santo porque o aspecto econômico da unção do Espírito é para muitas vezes. Ele veio morar uma vez para sempre vitalmente em nós; ao nascer de novo, temos o Espírito; esse é o espiritual, habitando em nós; mas muitas vezes necessitamos também que venha sobre nós: para esta vez, para esta vez, para cada vez necessitamos algo mais Dele formado em nós, e algo mais Dele sobre nós.

Então, irmãos, não entrei em detalhes, a não ser somente na parte panorâmica, mas confio que o Espírito Santo nos ajudará a tratar de entender a carga da Palavra, e a aplicá-la em um âmbito até maior do que pudemos conversar.

ORAÇÃO FINAL

Pai, Deus: No nome do Senhor Jesus, como precisamos te honrar e ser vitoriosos em ti, Senhor nos ajude porque às vezes somos provados em pequenas coisas, e muitas vezes te entristecemos ao ter sido derrotados, tendo a nossa mão tanta riqueza, e essa derrota se deve porque amamos mais o pecado e a nós mesmos que a Ti. Nos perdoe, Pai, não te canse de nos perdoar; nos ajude a nos levantar de novo. Tenha compaixão de cada um de nós. Você nos fez irmãos, família; glorifica Seu nome em nossa vida, que não lhe envergonhemos e entristeçamos, mas sim lhe alegremos; no nome do Senhor Jesus. Amém.

2 comentários:

  1. Parabéns pelo texto. Realmente reflete a consciência do processo histórico da formação do Cristo e a construção definitiva do seu Reino. Mais um pouco e Ele novamente e definitivamente estará entre nós.

    ResponderExcluir
  2. Visitando su blog desde El Salvador Centroamerica, reciban un afectuoso saludo, desde mi blog www.creeenjesusyserassalvo.blogspot.com
    COMPARTO MI TESTIMONIO PARA LA GLORIA DE DIOS.
    RECIBAN MUCHAS BENDICIONES.

    ResponderExcluir