sábado, 2 de maio de 2015

Aproximação ao Apocalipse 52 - A ceifa e a Vindima


Aproximação ao Apocalipse ( 52 )

A CEIFA E A VINDIMA


“E vi, e eis uma nuvem branca; e sobre a nuvem alguém assentado semelhante ao Filho do Homem, que tinha na cabeça uma coroa de ouro, e na mão uma foice afiada”. Apo. 14:14.

Comentário de crítica textual

Vamos, irmãos, continuar com a palavra do Senhor no livro do Apocalipse. Estamos na última seção do capítulo 14; a seção que vai também do verso 14 até o 20. Apocalipse 14:14-20. Já falamos sobre a primeira parte, das primícias; agora se fala da ceifa e da vindima; que se encontra aqui nesta passagem que vamos analisar com a ajuda do Senhor. Como costumamos, vamos fazer a leitura desta versão de Reina-valera de 1960, mas lida à luz dos manuscritos mais antigos; então vou ler me adaptando ao mais próximo ao grego. São muito poucas as diferenças; é quase igual, mas de toda maneira, umas pequenas coisinhas vale a pena considerar. “14 E vi, e eis aqui uma nuvem branca; e sobre a nuvem alguém assentado semelhante ao Filho do Homem, que tinha na cabeça uma coroa de ouro, e na mão uma foice afiada. 15 E do templo saiu outro anjo, clamando em grande voz ao que estava sentado sobre a nuvem: Envia sua foice, e ceifa; porque a hora de segar chegou, pois a colheita da terra está madura. 16 E o que estava assentado sobre a nuvem lançou sua foice na terra, e a terra foi seifada. 17 E saiu outro anjo do templo que está no céu, tendo também uma foice afiada. 18 E saiu do altar outro anjo, que tinha poder sobre o fogo...”; os manuscritos se dividem com a palavra “saiu”, e é difícil decidir se a palavra “saiu” pertence ou não pertence ao texto, porque muitos manuscritos antigos não a têm e outros a têm; e para os eruditos ficou difícil decidir se faz ou não parte do texto; portanto se coloca entre colchetes no texto para mostrar que falta em alguns e está em outros. Então se não tivesse seria: “E do altar outro anjo, tinha poder sobre o fogo”; mas diz: “18 E [saiu] do altar outro anjo [que] tinha poder sobre o fogo, e clamou com grande voz ao que tinha a foice afiada, dizendo: Envia sua foice afiada, e vindima os cachos da terra, porque suas uvas estão amadurecidas. 19 E o anjo lançou sua foice na terra, e vindimou a vinha da terra, e as jogou no grande lagar da ira de Deus”. Essa palavra “uvas” assim explícita não está, embora esteja implícita nas videiras. “19 E o anjo lançou sua foice na terra, e vindimou a vinha da terra, e as jogou no grande lagar da ira de Deus. 20 E foi pisado no lagar fora da cidade, e do lagar saiu sangue até os freios dos cavalos, por mil e seiscentos estádios”. Este número, “mil e seiscentos estádios”, é melhor confirmado, nos manuscritos mais antigo; há algumas variantes que dizem mil seiscentos e seis estádios; outros poucos dizem mil e duzentos estádios, e em alguns parece que se  esqueceram de pôr o mil e diz seiscentos estádios; mas a mais antiga e a mais comum e provavelmente a mais certa é mil e seiscentos estádios, o qual também tem um significado espiritual. Então paramos por aqui em relação ao comentário de crítica textual.

A ceifa na história da Igreja e do mundo

Agora sim passemos à exegese: “14 E vi, e eis aqui uma nuvem branca; e sobre a nuvem alguém assentado semelhante ao Filho do Homem, que tinha na cabeça uma coroa de ouro, e na mão uma foice afiada. 15 E do templo saiu outro anjo, (se este anjo não tivesse saído do templo, ou seja, da parte de Deus o Pai, não poderia dar uma ordem ao Filho do Homem, porque o Filho do Homem está como servo do Pai, o Filho tem como cabeça ao Pai, e portanto obedece o que este anjo diz) clamando em grande voz ao que estava sentado sobre a nuvem: Envia sua foice, e ceifa”. Se este anjo disser ao Filho do Homem nas nuvens que segue, é porque realmente ele está transmitindo uma ordem do Pai, mas que Deus quer que seja conhecida, e por isso o faz através de um anjo, um mensageiro; e mostra a João para manifestar a seus servos o que deve acontecer logo.

Irmãos, aqui nesta primeira visão que está nos versículos 14, 15 e o 16 que completa diz: “E o que estava sentado sobre a nuvem lançou sua foice na terra, e a terra foi ceifada”, esta visão que está nestes três versículos resume muitas outras partes da Bíblia que tinham essa conclusão. Sempre ao longo da Bíblia se falou das vinhas, falou-se da ceifa, falou-se do plantio. Vocês recordam que São Paulo em 1ª Coríntios, além de chamar a Igreja de edifício, chama-a também “lavoura”. Tudo o que é agricultura é uma figura das coisas celestiais; a agricultura, a lavoura, seja a ceifa do trigo ou seja também das uvas, representa a história. Podemos ver uns versos se pode entender isto. Vocês recordarão de Mateus 13, mas é bom ter aqui bem presente na memória, o mais textual possível. Em Mateus 13 o Senhor fala também da ceifa, a história da Igreja e do mundo, enquanto a Igreja está nele, que é comparada a uma semeadura e a um crescimento das plantas e também a uma colheita; a história para Deus é isto. Em Mateus 13:36 o Senhor explica a parábola do joio; não vou ler a parábola em si, a não ser a explicação; com ela é suficiente, Diz o Senhor Jesus:

“36 Então, tendo despedido a multidão, entrou Jesus na casa; e aproximando-se dele seus discípulos, disseram-lhe: nos explique a parábola do joio do campo. 37Respondendo ele, disse-lhes: o que semeia a boa semente é o Filho do Homem. 38 O campo é o mundo; a boa semente são os filhos do reino, e o joio são os filhos do malígno. 39 O inimigo que a semeou é o diabo; a ceifa (olhem a explicação nas palavras do próprio Senhor Jesus) é o fim do século; e os ceiferos som os anjos. 40 De maneira que como se arranca o joio, e se queima no fogo, assim será no fim deste século. 41 Enviará o Filho do Homem a seus anjos, e recolherão de seu reino a todos os que servem de tropeço, e aos que fazem iniqüidade, 42 e os jogarão no forno de fogo; ali será o choro e o ranger de dentes. 43 Então os justos resplandecerão como o sol no reino de seu Pai. que tem ouvidos para ouvir, ouça”. Aqui é o próprio Senhor Jesus quem interpreta o que é a ceifa. Nesta parábola, quando foi dita pela primeira vez, e que aparece no mesmo capítulo 13:24, o Senhor havia dito uma questão interessante: “24 O reino dos céus é semelhante a um homem que semeou boa semente em seu campo; 25 mas enquanto dormiam os homens, veio seu inimigo e semeou joio entre o trigo, e se foi. 26 E quando saiu a erva e deu fruto, então apareceu também o joio. 27 Vieram então os servos do pai de família e lhe disseram: Senhor, não semeou boa semente em seu campo? De onde, pois, tem joio? 28 Ele lhes disse: Um inimigo tem feito isto. E os servos lhe disseram: Quer, pois, que vamos e a arranquemos? 29 Ele lhes disse: Não, não seja que ao arrancar o joio, arranquem também com ela o trigo. 30 Deixai crescer juntos um e o outro até a ceifa; (olhem a ceifa) e ao tempo da ceifa eu direi aos ceiferos: Recolham primeiro o joio, (não diz primeiro o trigo, não; primeiro o joio) e atem em molhos para queimá-la; mas recolham o trigo em meu celeiro”. Aqui o trigo representa os filhos do reino e o joio os filhos do malígno; é curioso que o Senhor manda primeiro recolher o joio. Hoje é muito comum dizer que primeiro se recolhe o trigo, vão no arrebatamento e depois ficam os maus na tribulação; mas o Senhor disse: recolham primeiro o joio. Na ceifa, recolhe-se primeiro o joio. Às vezes a gente pensaria que a ceifa seria somente algo positivo, mas também há algo negativo na ceifa; de fato estas duas coisas, tanto a ceifa como a vindima, aparecem também juntas como algo negativo no livro do Joel.

Juízo de Deus no Armagedom

O livro de Joel é exatamente complementar, porque ao falar da ceifa e da vindima, fala ocupem mais da agricultura, melhor negócio é a guerra) lanças de suas foices; diga o fraco: forte sou”. Até os países pobres estão Armando suas tropas. “11Junta-os e venham, todas as nações ao redor, (primeiro é ao redor) e congreguai-vos; faz vir ali, (esse “ali” é o vale da decisão, o vale de Josafá, o vale de Megido) OH Jehová, a seus fortes”. Aqui as grandes potências. “12 Desperten-se as nações, e subam ao vale de Josafá; porque ali me sentarei para julgar a todas as nações em redor”. Ali; Deus tem um lugar onde vai pisar nas uvas, e esse lugar é o vale de Josafá, lá em Israel; chama-se também o vale da decisão, chama-se também o vale de Megido; e por isso aquela batalha final onde todos convergem ali, chama-se Armagedom; é a guerra do Armagedom. “Ali me sentarei”; onde? No vale de Josafá, para julgar a todas as nações em redor. também do lagar; então a leitura que vamos fazer em Joel ilustra esta passagem da ceifa e a vindima em Apocalipse. vamos ver ali o que nos diz Deus por este profeta. Joel 3:9 em diante, para ter o contexto imediato. Joel está falando aqui do julgamento de Javé sobre as nações; está falando do julgamento do fim e falando de reunir as nações lá no vale da decisão, no vale de Josafá, no vale de Megido; nesse contexto fala tanto da colheita, como da vindima e do lagar. Leiamos em Joel para poder, com a base de Joel, entender Apocalipse. Joel 3:9: “9 Proclamai isto entre as nações, proclamem guerra, despertem aos valentes, aproximem-se, venham todos os homens de guerra”. Venham? De onde está falando Joel? Lá em Israel. “Venham todos os homens de guerra. 10 Forjai espadas de suas enxadas, (como quem diz: não se preocupem mais sobre agricultura, o melhor negócio é a guerra) e lanças das vossas foices; diga o fraco: Eu sou forte.” Até os países pobres estão se armando. Ajuntai-vos, e vinde, todos os povos em redor ( primeiro é ao redor) e congregai-vos ó SENHOR, faze descer ali ( esse ali é o vale da decisão) os teus fortes!” ( aqu as grandes potências) 12 movam-se as nações e subam ao vale de Josafá; porque ali me assentarei, para julgar todas as nações em redor” Ali Dues tem um lugar que vai pisar as uvas e esse lugar é o vale de josafá, lá em Israel também é chamado de vale da decisão, e por isso aquela batalha final onde todos convergem pra lá, se chama Armagedom, é a batalha do Armagedom “ Alí me assentarei”. Onde? No vale de Josafá para julgar todas as nações ao redor

“13 Lançai a foice, porque a colheita está já amadurecida (olhem em que contexto ele diz). Venham, desçam, porque o lagar está cheio, transbordam vasos; porque muita é a maldade deles. 14 Muitos povos no vale da decisão; porque próximo está o dia do Jeová no vale da decisão. 15 O sol e a lua se obscurecerão, e as estrelas retrairão seu resplendor”. Então nos damos conta de como Joel está apresentando aqui virtualmente o Armagedom, que é o fim do século, que é a ceifa, como um aspecto negativo, porque aqui está mesclando; no contexto final aparece: “Joguem a foice, porque a colheita está já amadurecida. Venham, desçam, porque o lagar está cheio”. O lagar é depois da vindima; juntam-se as uvas, os cachos e se pisoteiam, e sai o sangue da uva; e diz que o sangue vai chegar até os freios dos cavalos. Realmente isto é Armagedom; então o julgamento é no vale de Josafá; o vale que ele os chama no 14: o vale da decisão, em outros lugares é o vale do Megido. As pessoas que foram a Israel, conhecem; não está precisamente em Jerusalém, mas, mais ao norte de Jerusalém.

Primeiro se recolhe o joio

Voltemos agora para Apocalipse, já tendo esta base de Joel. Aqui se fala de uma ceifa e de uma colheita final; claro, o que se semeou foram duas coisas: semeou-se trigo, que são os filhos do reino, mas também o inimigo semeou joio, e cresceram juntos. Significa que a história é como esta plantação onde há uma semente do mal que está crescendo; certamente vai ser recolhida; mas antes de recolhê-la, o Senhor vai julgar; porque diz: “recolham primeiro o joio e então o trigo”. por que diz primeiro o joio? Se o Senhor não houvesse dito essa palavra, “primeiro”, pois a gente teria autorização de pensar que iríamos antes, mas se disse: “primeiro o joio”; assim é, primeiro o joio. No verso 14 aparece o próprio Filho do Homem que se apresentou como o semeador; agora aqui é o ceifador. Se dão conta? O Filho do Homem, quando veio pela primeira vez, semeou; disse o semeador; quem semeia a semente é o Filho do Homem; agora o Filho do Homem é o colheitador, o Filho do Homem é o colhedor. De modo que temos ao Filho do Homem como semeador nos evangelhos, e o Filho do Homem como o colhedor em Apocalipse. E estava sentado sobre uma nuvem branca. por que? porque na vinda do Senhor Ele disse que viria nas nuvens. Quando Ele se foi, O recebeu uma nuvem, e aqueles anjos que apareceram aos apóstolos disseram: o que estão olhando no céu? Assim como viram Ele ir, deste modo virá. Se ele se foi em uma nuvem, virá nas nuvens; e por isso é que dizia João ao começar Apocalipse: “Eis que vem com as nuvens e todo olho o verá” (1:7); então aqui aparece João vendo a vinda do Senhor nas nuvens, que é o fim do século para colher, tanto a ceifa como a vindima. Agora aqui aparece o Filho do Homem coroado; diz: “tinha na cabeça uma coroa de ouro”; agora Ele já foi reconhecido como Senhor, já não somente pelo Pai que o fez Senhor e Cristo quando Ele morreu, ressuscitou e ascendeu, mas a Igreja já através da história o reconheceu como Senhor; então Ele está coroado, Ele é coroado pelo Pai com glória. vamos ler em Hebreus 2:9  que se refere essa coroa de ouro.

Hebreus 2:9: “vemos, porém, (isto é já da ascensão; por isso é Senhor e Cristo) coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos”. Quando diz “por causa da paixão da morte”, como diz Lucas aqui em Hebreus, é semelhante com o que dizia Paulo em Filipenses que por quanto se humilhou a si mesmo, fazendo-se obediente até a morte, Deus lhe deu um nome que é sobre todo nome e lhe fez Senhor. Aqui diz: “por causa da paixão da morte”; então vemos que é a partir da ascensão que Ele é feito Senhor e Cristo; Lhe foi
dado toda potestade nos céus e na terra; “coroado de glória e de honra”. Aqui na terra, quando Ele era o semeador, foi coroado de espinhos; mas agora, quando vem como colhedor, Ele é coroado de ouro; é uma coroa de honra, de glória, da parte de Deus; e também sua Igreja o reconhece como Senhor e o recebe. Mas não tinha só uma coroa, mas também em Sua mão havia uma foice, é o momento da ceifa, era sobre isso que falavam as parábolas de Mateus 13, tanto a do semeador como a do trigo e o joio; ambas falam de uma ceifa; Marcos também fala de uma ceifa.

Tempo da ceifa do trigo

Vamos ver isso em Marcos; porque o cumprimento de Mateus e de Marcos é justamente Apocalipse. Marcos 4:26-29: “26 26 E dizia: O Reino de Deus é assim como se um homem lançasse semente à terra,27 e dormisse, e se levantasse de noite ou de dia, e a semente brotasse e crescesse, não sabendo ele como.28 Porque a terra por si mesma frutifica; primeiro, a erva, depois, a espiga, e, por último, o grão cheio na espiga. 29 E, quando já o fruto se mostra, mete-lhe logo a foice, porque está chegada a ceifa.” Aqui apresenta o outro aspecto da ceifa. Quando lemos Mateus 13, essa ceifa incluía o joio e, claro, também o trigo; e quando lemos Joel, estava a parte negativa da ceifa; agora aqui nos apresenta a parte positiva da ceifa, a do trigo que é recolhido no celeiro. Diz que o reino dos céus é semelhante a um homem que semeia semente; essa semente é a palavra de Deus; o Verbo de Deus, é o próprio Cristo, formado na Igreja que vai crescendo; no princípio é como umas folhinhas verdes, depois umas espigas, depois amadurece e fica cheio; ou seja, quando Cristo se formou na Igreja. Quando o grão está amadurecido é quando Cristo se formou na Igreja. Diz que chegou a ceifa; quando chega a ceifa? Quando o grão está amadurecido. Aqui em Apocalipse tínhamos lido da palavra “amadurecido”; diz “seco”; quer dizer, quando já está totalmente formado, seca-se; quando você o vê no princípio, é verde; quando é a hora da ceifa é amarelo, dourado, ou seja que está seco; a palavra que usa aqui em vez de amadurecido, é seco; então aí vemos em Marcos 4 que essa ceifa é a parte positiva; porém em Joel é a parte negativa, porque terá que colher tudo. Então disse: “recolham primeiro o joio para atá-la em molhos para queimá-la, e depois recolham o trigo em meu celeiro”.

Sai do templo do céu

Apocalipse 14:15: “E do templo saiu outro anjo”; este templo é o templo do céu; não há somente templo na terra; não! O templo da terra é uma figura do templo do céu; então este anjo sai do templo do céu. Vamos ver os versículos que falam do templo do céu. Hebreus 9:24: “24 Porque não entrou Cristo no santuário feito de mão, figura do verdadeiro, mas no próprio céu para apresentar-se agora por nós ante Deus; 25 e não para oferecer-se muitas vezes, como entra o sumo sacerdote no Santíssimo lugar cada ano...”; aqui quando diz “no santuário”, não no feito por mão, mas no próprio céu, está falando de que o céu é o verdadeiro santuário, e o daqui é a figura.

Apocalipse 3:12, onde se menciona o templo; aí está a recompensa aos vencedores de Filadélfia: “Ao que vencer, eu o farei coluna no templo de meu Deus”. Aqui as pessoas vencedoras já são o templo; mas terá que haver essa fusão do templo terrestre e o celestial; todos os filhos já somos templo. “Vós são o templo do Espírito”, diz Paulo; mas aqui Apocalipse diz: “eu o farei coluna no templo (é algo mais desenvolvido) de meu Deus, e nunca mais sairá dali; e escreverei sobre ele o nome de meu Deus, e o nome da cidade de meu Deus, a nova Jerusalém, a qual desce do céu, da parte do meu Deus, e meu novo nome”.

Apocalipse 7:15 volta a mencionar o templo no aspecto celestial; por isso essa grande multidão do sexto selo, de todas as nações que limparam suas vestes com o sangue do Cordeiro, e que saem da grande tribulação junto com os cento e quarenta e quatro mil das tribos de Israel. “Por isto estão diante do trono de Deus, e lhe servem dia e noite em seu templo”; no templo de Deus.
O mesmo acontece em Apocalipse 11:19: “E o templo de Deus foi aberto no céu, e a arca de seu pacto se via no templo. E houve relâmpagos, vozes, trovões, um terremoto e grande granizo” esse é templo de Deus no céu.

Agora 14:17, é o que nós estamos vendo: “Saiu do templo que está no céu, tendo também uma foice afiada”; o outro anjo. Apocalipse 15:5-6: “5 E, depois disto, olhei, e eis que o templo do tabernáculo do testemunho; (este foi o que Moisés viu e fez um modelo) se abriu no céu.
6 E os sete anjos que tinham as sete pragas saíram do templo, vestidos de linho puro e resplandecente e cingidos com cintos de ouro pelo peito” Esse é o templo do céu. “8 E o templo encheu-se com a fumaça é o templo de Deus no céu; até que não se cumprissem as pragas derramadas, ninguém podia entrar no templo. Agora, aos vencedores de Filadélfia é prometido serem feitos colunas no templo; mas nem mesmo os vencedores de Filadélfia podem entrar no templo até que se cumpram as sete pragas.

Apocalipse 16:1,17; ali se fala também do templo: “1 Ouvi uma grande voz que dizia do templo aos sete anjos: Vão e derramem sobre a terra as sete taças da ira de Deus. 17 O sétimo anjo derramou sua taça pelo ar; e saiu uma grande voz do templo do céu”. Na Nova Jerusalém não haverá templo, mas no próprio céu há templo. Quis ler estes versos para ver que templo se refere e para que nós não sejamos enganados em pretender que da nossa parte vamos estar dirigindo a grande tribulação e coisas parecidas; porque nós, em um sentido, somos o templo, mas temos que ter em conta a diferença do templo que está no céu.

Voltemos para Apocalipse 14:15: “E do templo (este é o templo que está no céu) saiu outro anjo, (já vimos ao longo de Apocalipse muitos anjos; um fazia uma coisa, outro fazia outra coisa; por isso diz: outro anjo, outro anjo, outro anjo; seria muito bonito poder recolher tudo o que fazem estes anjos, um atrás do outro) clamando em grande voz ao que estava assentado sobre a nuvem: Coloca sua foice, e ceifa; porque a hora de segar chegou, pois a colheita da terra está amadurecida”. Olhem essa palavra, “a colheita”; sempre as visões usando a própria linguagem do Senhor Jesus Cristo. O Senhor Jesus Cristo era o que dizia: Orem ao Pai da vinha que envie operários à sua colheita; já a colheita está amadurecida; como dizem vós que ainda falta tanto tempo para a ceifa? Elevem os olhos e vejam a colheita, como os campos estão brancos. Então essa expressão “a colheita” é uma expressão típica do Senhor Jesus. Ele nos pediu que pedíssemos ao Pai que enviasse trabalhadores à colheita; a colheita tem que ser trabalhada, para que? para que haja maturidade no tempo final. Agora esta visão é a hora da ceifa. Então diz: “Coloca sua foice, e ceifa; porque a hora de segar chegou”. Marcos nos dizia quando era a hora de ceifar; quando o grão está amadurecido; lamentávelmente não somente amadurecido o trigo, também amadurecida a maldade no mundo, amadurecido o joio também e maduras as vinhas; então, em Joel, a ceifa e a vindima estão juntas em um contexto de julgamento. Mas também não somente haverá julgamento, porque na parábola do trigo e o joio, claramente disse: recolham primeiro o joio, e o trigo recolham no meu celeiro.

Os dois aspectos da colheita

Então esta colheita tem dois aspectos; é o fim do século; os anjos vem e recolhem o trigo para o Senhor, mas também diz que recolhem aos que fazem tropeços, e os jogam no fogo. Esta colheita, pois, tem esses dois aspectos; não podemos dizer que somente é um aspecto. Alguns irmãos dizem: bom, as primícias são uns arrebatados primeiro, e a colheita são outros arrebatados depois; e alguns dizem que a rebusca são outros vencedores retardatáros; mas primeiro aqui estes 144.000, como estão na segunda parte do livro, referem-se a profecia “outra vez” do que já tinha profetizado na primeira parte; portanto são os mesmos primeiros cento e quarenta e quatro mil do capítulo 7; e os do capítulo 7 estão no sexto selo, que é a grande tribulação, e são varões, e são vírgens, celibatários. Aqui não está falando dos vencedores da Igreja, mas de muitos israelitas que o Senhor tomará, porque Ele chamou Israel de “primícias”; mas aparece aqui também uma colheita, e essa colheita tem os dois aspectos. Temos que ver todos os versos que falam da colheita porque não podemos interpretá-los sem conexão com outros versículos. Quais são os versos que falam da colheita? Está em Mateus, Marcos, Joel; quando lemos eles juntos, nos damos conta de que a colheita tem dois aspectos: um aspecto negativo e um aspecto positivo. Para os que fazem maldade, para o joio, é negativo; a ceifa, no fim do século, para o joio é negativa; mas para o trigo é positiva. Então aqui, eu não me atrevo a dizer que isto se refere a outros vencedores distintos dos primeiros, como se houvesse várias classes de vencedores. Aqui está falando de primícias, pelo que é Israel, porque Israel é primícias, cabeça de nações; e logo as demais nações; esta é a colheita, uns para bem e outros para mau; o trigo para bem, o joio para mau. E a vindima tem também esses dois aspectos. Por uma parte o Senhor Jesus disse: Eu sou a videira e vós são os ramos; todo ramo que não dá fruto será talhado e jogado no fogo; mas a Bíblia não somente fala das uvas boas, mas também das más. O Senhor, quando disse: “Eu sou a videira verdadeira”, está separando a videira verdadeira de outras videiras que não são verdadeiras; essas outras videiras, não a de Cristo, não a verdadeira, a não ser as outras videiras, são as videiras venenosas de que a Bíblia também fala. Então chegamos na parte da vindima.

“16 E o que estava sentado sobre a nuvem colocou sua foice na terra, e a terra foi segada”. Esta ceifa é geral, porque Joel fala a parte negativa; Mateus fala a parte negativa e a positiva; Marcos fala a parte positiva; essa é uma ceifa geral; isto é para concluir todas as figuras da colheita que o Senhor tinha dado; então se concluem aqui em Apocalipse.
                                   
“17 E saiu outro anjo do templo que está no céu, tendo também uma foice afiada”; porque o Senhor diz que Ele mandará seus anjos no tempo do fim do século, que é a ceifa; e como terá que recolher o que se semeou, então o Senhor manda seus anjos; alguns trabalham com os de Deus, outros trabalham com os inimigos, porque os anjos são os que recolhem aos que fazem tropeço, mas também recolhem aos escolhidos. Enviará Seus anjos com grande voz de trombeta para recolher Seus escolhidos de uma a outra extremidade do céu, também da terra. Então os anjos recolhem os escolhidos e também recolhem os que causam tropeços. Como Ele disse em outra parábola: jogou-se a rede no mar e se tirou toda classe de peixes; mas quando tiram os peixes, os peixes bons vão para um lado e os peixes maus vão para outro lado (MT. 13:47-52); essa pesca final equivale à ceifa final também.

As uvas venenosas

 Agora, a parte negativa da vindima aparece já no verso 17: “17 Saiu outro anjo do templo que está no céu, tendo também uma foice afiada. 18 E Saiu do altar outro anjo, que tinha poder sobre o fogo, (aqui nos damos conta de que o Senhor dá poder aos anjos; a alguns sobre o fogo, a algum sobre as águas, a alguns sobre os ventos, enfim. Este que tinha poder sobre o fogo, foi o que Ele chamou primeiro) e chamou com grande voz ao que tinha a foice afiada, (este já não é Cristo; Cristo é na ceifa; agora na vindima já são os anjos) dizendo: Envia sua foice afiada, e vindima os cachos da terra, porque suas uvas estão amadurecidas”.

Deuteronômio 32:32; aqui vemos outro aspecto das uvas. O aspecto positivo das uvas é Cristo e a Igreja. “Eu sou a videira e vós sois os ramos” Essa é a videira verdadeira; a verdadeira se diferencia das outras. Quais são as outras videiras? Estas aqui de Deuteronômio 32:32: “32 Porque da videira de Sodoma (ah! então não há só a videira verdadeira; há outra videira que é de Sodoma) é a  videira deles, e dos campos de Gomorra; as uvas deles (não as da videira verdadeira, as deles) são uvas venenosas, têm cachos muito amargos. 33 Veneno de serpentes é seu vinho, e peçonha cruel de áspides”. Então nos damos conta de que há outros cachos de uvas; há outras vinhas na terra. Está a do Senhor: “Eu sou a videira, vós os ramos”; mas ali há outra vinha de Sodoma e de Gomorra; Sodoma e Gomorra são figura do tempo do fim, que foram queimadas com fogo; assim também o anjo do fogo é o que diz: Vindima. Então estas videiras venenosas são as que são recolhidas na vindima e pisadas no lagar.

Por isso diz em Apocalipse 14:18: “18 Mete sua foice afiada, e vindima os cachos da terra, (aqui está o aspecto negativo também) porque suas uvas estão amadurecidas. 19 E o anjo lançou sua foice na terra, e vindimou a vinha da terra, e jogou (as uvas dos cachos) no grande lagar da ira de Deus. 20 E foi pisado no lagar fora da cidade”; não é em Jerusalém, mas lá no Vale de Josafá, no vale da decisão, no Vale do Megido; aí é onde se reúnem os exércitos que se reúnem contra Cristo, contra a Igreja e contra Israel.

Um rio de sangue

E disse Deus, como tínhamos lido em Joel: Reúnam-se ali; ali me assentarei a julgar; já está cheio o lagar, repousam suas uvas. O que está dizendo aqui é que todos os exércitos dos reis da terra, do dragão e da besta, do falso profeta, de Gogue e de Magogue, da outra besta, dos reino do Oriente, dos reino do Sul, todos confluem ali. O que diz aqui? “20 E foi pisado no lagar fora da cidade, e do lagar saiu sangue até os freios dos cavalos, por mil e seiscentos estádios”. Irmãos, o número de juízo é o número quarenta; mas quando é o julgamento de julgamentos, o julgamento multiplicado é quarenta por quarenta; isso dá mil e seiscentos. Justamente, se você tomar a distância desde Bozra, onde começa a ser pisado o lagar, até o Vale do Megido, há exatamente mil e seiscentos estádios; desde Bozra no sul, no Neguev, em Esaú, até o norte do Vale do Megido há mil e seiscentos estádios; são quase trezentos quilômetros; não alcança os trezentos quilômetros, mas é mais ou menos trezentos quilômetros; e haverá um rio de sangue entre Bozra e Megido que chegará até os freios dos cavalos, porque será tanta gente, tanta gente, tanta gente que esse sangue formará um rio. É terrível!

Vamos ler a respeito desse lagar; primeiro em Apocalipse 15:1,7: “1 Vi no céu outro sinal, grande e admirável: sete anjos que tinham as sete últimas pragas; porque nelas se consumava a ira de Deus”. A ira de Deus se consuma nas pragas. “7 E um dos quatros seres viventes deu aos sete anjos sete taças de ouro, cheias da ira de Deus, que vive pelos séculos dos séculos”. Isso se refere à ira. Apocalipse 16:1,19: “1 E ouvi uma grande voz que dizia do templo aos sete anjos: Vão e derramem sobre a terra as sete taças da ira de Deus.../.... 19 E a grande cidade foi dividida em três partes, e as cidades das nações caíram; e a grande Babilônia veio em memória diante de Deus, para dar-lhe o cálice do vinho do ardor de sua ira”. Fixem-se nessa expressão, “o cálice do vinho do ardor de sua ira”. Apocalipse 19:15; ali vemos que esse cálice do vinho do ardor de sua ira, é o lagar: “De sua boca (da do Senhor Jesus, o Verbo de Deus) sai uma espada afiada, para ferir com ela Às nações, e ele as regerá com vara de ferro, e ele (o Senhor Jesus) pisa no lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-poderoso”. Quem pisa no lagar, é o próprio Senhor, amém?

Porque mencionei Bozra, passemos à Isaías 63; vamos ver ali com detalhes como o Senhor Jesus vai pisar no lagar. “1 Quem é este que vem de Edom, de Bozra, (notem que começa do sul, do sul ao norte; Edom é no sul de Israel; Bozra é uma cidade) com vestes tintas? Este que é glorioso em sua vestidura, que marcha com a sua grande força? (quem é este? E olhem o que responde a Isaías) Eu, que falo em justiça, poderoso para salvar”. Fixem-se nos dois aspectos: julgamento e salvação ao mesmo tempo; como aparece em 2ª Tessalonicenses 1:7-8: “7 e a vós, que sois atribulados, descanso conosco, quando se manifestar o Senhor Jesus desde o céu, com os anjos do seu poder, 8 como labareda de fogo, tomando vingança dos que não conhecem a Deus e dos que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo;”. Ocorrerá quando vier naquele dia para dar retribuição. Há retribuição para as duas coisas; para o trigo há repouso, para o joio é castigo- Aqui aparecem os dois aspectos; Ele vem de pisar no lagar, mas também diz que vem para salvar: “Eu, que falo em justiça, (Ele foi o que pisou no lagar; por isso estão vermelhos seus vestidos) poderoso para salvar.

2 Por que está vermelha a tua vestidura? E as tuas vestes, como as daquele que pisa uvas no lagar?” Quando a pessoa está pisando no lagar, salpica o sangue e se sujam seus vestidos; diz que ao Senhor Jesus seus vestidos ficarão vermelhos do sangue. Segue dizendo Isaías 63: “3 Eu sozinho pisei no lagar, e dos povos ninguém se achava comigo”. O que tinham feito os povos? reuniram-se contra o Senhor e Seu Cristo; os reis da terra e seus exércitos com o dragão e a besta reunidos para brigar contra o Senhor; todos contra o Senhor: “pisei eu sozinho o lagar, e dos povos ninguém havia comigo; (nenhum povo era do Senhor; ah! dentre os povos há salvos, mas os povos mesmos são maus) e os pisei na minha ira e os esmaguei no meu furor; e o seu sangue salpicou as minhas vestes, e manchei toda a minha vestidura.4 Porque o dia da vingança estava no meu coração, e o ano dos meus redimidos é chegado.”.

Ali estão os dois aspectos. Dos 144.000 das tribos de Israel se diz que são redimidos dentre os da terra; e também Ele tem redimidos dentre os gentios; mas ao mesmo tempo que redime uns, pisa na outros. “5 E olhei, e não havia quem me ajudasse; e espantei-me de não haver quem me sustivesse; (como disse o Senhor Jesus: quando vier o Filho do Homem, achará fé na terra? sempre será uma minoria a que crê, um remanescente) pelo que o meu braço me trouxe a salvação, e o meu furor me susteve.
6 E pisei os povos na minha ira e os embriaguei no meu furor, e a sua força derribei por terra”. Isaías 59:16: “E viu que ninguém havia e maravilhou-se de que não houvesse um intercessor; pelo que o seu próprio braço lhe trouxe a salvação, e a sua própria justiça o susteve”. A própria humanidade estava contra o Senhor, com exceção dos redimidos que aqui também menciona. O Senhor mesmo é o que pisa no lagar.

Voltemos para Apocalipse 14:20: “E foi pisado no lagar fora da cidade,” fora da cidade, em onde? No Vale de Josafá, no Vale do Megido, no Vale da decisão, no Armagedom, quando todos se reúnem contra o Senhor. Essa batalha está em Apocalipse 19:11: “11Então vi o céu aberto; e eis um cavalo branco, e o que o montava se chamava Fiel e Verdadeiro, e com justiça julga e briga. 12 Seus olhos eram como chama de fogo, e havia em sua cabeça muitas diademas; e tinha um nome escrito que ninguém conhecia a não ser ele mesmo. 13 Estava vestido de uma roupa tinta em sangue; (uma roupa tinta em sangue; por queue isso? porque Ele pisou no lagar; é o sangue de quem? Dos homens, dos reis, de todos os que se aliaram com o anticristo contra o Cordeiro e seu exército) e seu nome é: O Verbo de Deus. 14 E os exércitos celestiais, vestidos de linho muito fino, branco e limpo, seguiam-lhe em cavalos brancos. 15 De sua boca sai uma espada afiada, para ferir com ela às nações, e ele as regerá com vara de ferro; e ele pisa no lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-poderoso”.

Salmo 2:9. Este precioso Salmo é messiânico; onde o Pai diz ao Filho: “me peça, e te darei por herança as nações”. “9 Os quebrantará com vara de ferro; como vasilha de oleiro os esmiuçará”. Quem? O Filho. O Pai dará as nações ao Filho, e o Filho esmagará, pisará no lagar, destruirá as nações. Então voltemos para Joel, e lá com tudo isto, Joel vai soar muito mais claro; tendo presente, lógico, tudo o que acabamos de ver. Joel 3:9: “9 Proclamai isto entre as nações, proclamem guerra, despertem os valentes, aproximem-se, venham todos os homens de guerra”. É quando as uvas estão sendo jogadas nas cubas.

“12 Despertem-se as nações, e subam ao Vale de Josafá; (todas as uvas da terra sendo postas ali) porque ali me sentarei para julgar todas as nações de ao redor. 13 Lançai a foice, (a primeira parte era a colheita, e aqui aparece a foice) porque a colheita (aí fala da colheita, o aspecto negativo) já está amadurecida. Venham, desçam, porque o lagar está cheio, transbordam as cubas; porque muita é a maldade deles. 14 Muitos povos no vale da decisão; (o que no 12 era o Vale de Josafá) porque próximo está o dia de Jeová no vale da decisão. 15 O sol e a lua se obscurecerão, e as estrelas retrairão seu resplendor”. É em plena grande tribulação, para concluir a grande tribulação com  Armagedom; aqui não mencionou a palavra Armagedom, mas Armagedom tem haver com o Vale do Megido, que é o mesmo Vale de Josafá, que é o mesmo vale da decisão.

Então, irmãos, nestas duas partes do final de Apocalipse 14 se vê o final da história humana; o Senhor colhendo para bem a uns e para mau a outros. Ceifa, e esta ceifa tem dois aspectos: do joio que se semeou no fim do primeiro século, para ser logo atada em feiches; os que causam tropeço são jogados no fogo, mas o trigo é recolhido no celeiro. A vindima; bom, também há uma videira verdadeira que são os do Senhor, mas há outras videiras venenosas, cujo vinho é como veneno de serpentes, que são as nações que abandonaram ao Senhor, quem não encontra fé na terra, somente em uns poucos escolhidos. Ele pisa sozinho no lagar, e suas roupas se tingem de sangue, e o lagar começa de Bozra, mas vai para o Vale do Megido; e entre Bozra e o Vale do Megido há mil e seiscentos estádios, quase trezentos quilômetros. Imaginem, o sangue até os freios dos cavalos. Foi pisado no lagar fora da cidade; não foi em Jerusalém, e sim no Vale de Josafá. E do lagar saiu sangue até os freios dos cavalos por mil e seiscentos estádios. Quantos litros de sangue tem cada pessoa? quantos milhões somente vêm do Oriente? Imaginem muitos morrendo, e derramando seu sangue ali; imaginem que são rios de sangue. Terrível, irmãos! vamos parar então aqui. Vamos dar graças ao Senhor.
   eifeiro, o Filho do Homem é o colhedor. De modo que temos ao Filho do Homem como semeador nos evangelhos, e o Filho do Homem como o colhedor em Apocalipse. E estava sentado sobre uma nuvem branca. por que? porque na vinda do Senhor Ele disse que viria nas nuvens. Quando Ele se foi, O recebeu uma nuvem, e aqueles anjos que apareceram aos apóstolos disseram: o que estão olhando no céu? Assim como viram Ele ir, deste modo virá. Se ele se foi em uma nuvem, virá nas nuvens; e por isso é que dizia João ao começar Apocalipse: “Eis que vem com as nuvens e todo olho o verá” (1:7); então aqui aparece João vendo a vinda do Senhor nas nuvens, que é o fim do século para colher, tanto a ceifa como a vindima. Agora aqui aparece o Filho do Homem coroado; diz: “tinha na cabeça uma coroa de ouro”; agora Ele já foi reconhecido como Senhor, já não somente pelo Pai que o fez Senhor e Cristo quando Ele morreu, ressuscitou e ascendeu, mas a Igreja já através da história o reconheceu como Senhor; então Ele está coroado, Ele é coroado pelo Pai com glória. vamos ler em Hebreus 2:9  que se refere essa coroa de ouro.

Hebreus 2:9: “vemos, porém, (isto é já da ascensão; por isso é Senhor e Cristo) coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos”. Quando diz “por causa da paixão da morte”, como diz Lucas aqui em Hebreus, é semelhante com o que dizia Paulo em Filipenses que por quanto se humilhou a si mesmo, fazendo-se obediente até a morte, Deus lhe deu um nome que é sobre todo nome e lhe fez Senhor. Aqui diz: “por causa da paixão da morte”; então vemos que é a partir da ascensão que Ele é feito Senhor e Cristo; Lhe foi
dado toda potestade nos céus e na terra; “coroado de glória e de honra”. Aqui na terra, quando Ele era o semeador, foi coroado de espinhos; mas agora, quando vem como colhedor, Ele é coroado de ouro; é uma coroa de honra, de glória, da parte de Deus; e também sua Igreja o reconhece como Senhor e o recebe. Mas não tinha só uma coroa, mas também em Sua mão havia uma foice, é o momento da ceifa, era sobre isso que falavam as parábolas de Mateus 13, tanto a do semeador como a do trigo e o joio; ambas falam de uma ceifa; Marcos também fala de uma ceifa.

Tempo da ceifa do trigo

Vamos ver isso em Marcos; porque o cumprimento de Mateus e de Marcos é justamente Apocalipse. Marcos 4:26-29: “26 26 E dizia: O Reino de Deus é assim como se um homem lançasse semente à terra,27 e dormisse, e se levantasse de noite ou de dia, e a semente brotasse e crescesse, não sabendo ele como.28 Porque a terra por si mesma frutifica; primeiro, a erva, depois, a espiga, e, por último, o grão cheio na espiga. 29 E, quando já o fruto se mostra, mete-lhe logo a foice, porque está chegada a ceifa.” Aqui apresenta o outro aspecto da ceifa. Quando lemos Mateus 13, essa ceifa incluía o joio e, claro, também o trigo; e quando lemos Joel, estava a parte negativa da ceifa; agora aqui nos apresenta a parte positiva da ceifa, a do trigo que é recolhido no celeiro. Diz que o reino dos céus é semelhante a um homem que semeia semente; essa semente é a palavra de Deus; o Verbo de Deus, é o próprio Cristo, formado na Igreja que vai crescendo; no princípio é como umas folhinhas verdes, depois umas espigas, depois amadurece e fica cheio; ou seja, quando Cristo se formou na Igreja. Quando o grão está amadurecido é quando Cristo se formou na Igreja. Diz que chegou a ceifa; quando chega a ceifa? Quando o grão está amadurecido. Aqui em Apocalipse tínhamos lido da palavra “amadurecido”; diz “seco”; quer dizer, quando já está totalmente formado, seca-se; quando você o vê no princípio, é verde; quando é a hora da ceifa é amarelo, dourado, ou seja que está seco; a palavra que usa aqui em vez de amadurecido, é seco; então aí vemos em Marcos 4 que essa ceifa é a parte positiva; porém em Joel é a parte negativa, porque terá que colher tudo. Então disse: “recolham primeiro o joio para atá-la em molhos para queimá-la, e depois recolham o trigo em meu celeiro”.

Sai do templo do céu

Apocalipse 14:15: “E do templo saiu outro anjo”; este templo é o templo do céu; não há somente templo na terra; não! O templo da terra é uma figura do templo do céu; então este anjo sai do templo do céu. Vamos ver os versículos que falam do templo do céu. Hebreus 9:24: “24 Porque não entrou Cristo no santuário feito de mão, figura do verdadeiro, mas no próprio céu para apresentar-se agora por nós ante Deus; 25 e não para oferecer-se muitas vezes, como entra o sumo sacerdote no Santíssimo lugar cada ano...”; aqui quando diz “no santuário”, não no feito por mão, mas no próprio céu, está falando de que o céu é o verdadeiro santuário, e o daqui é a figura.

Apocalipse 3:12, onde se menciona o templo; aí está a recompensa aos vencedores de Filadélfia: “Ao que vencer, eu o farei coluna no templo de meu Deus”. Aqui as pessoas vencedoras já são o templo; mas terá que haver essa fusão do templo terrestre e o celestial; todos os filhos já somos templo. “Vós são o templo do Espírito”, diz Paulo; mas aqui Apocalipse diz: “eu o farei coluna no templo (é algo mais desenvolvido) de meu Deus, e nunca mais sairá dali; e escreverei sobre ele o nome de meu Deus, e o nome da cidade de meu Deus, a nova Jerusalém, a qual desce do céu, da parte do meu Deus, e meu novo nome”.

Apocalipse 7:15 volta a mencionar o templo no aspecto celestial; por isso essa grande multidão do sexto selo, de todas as nações que limparam suas vestes com o sangue do Cordeiro, e que saem da grande tribulação junto com os cento e quarenta e quatro mil das tribos de Israel. “Por isto estão diante do trono de Deus, e lhe servem dia e noite em seu templo”; no templo de Deus.
O mesmo acontece em Apocalipse 11:19: “E o templo de Deus foi aberto no céu, e a arca de seu pacto se via no templo. E houve relâmpagos, vozes, trovões, um terremoto e grande granizo” esse é templo de Deus no céu.

Agora 14:17, é o que nós estamos vendo: “Saiu do templo que está no céu, tendo também uma foice afiada”; o outro anjo. Apocalipse 15:5-6: “5 E, depois disto, olhei, e eis que o templo do tabernáculo do testemunho; (este foi o que Moisés viu e fez um modelo) se abriu no céu.
6 E os sete anjos que tinham as sete pragas saíram do templo, vestidos de linho puro e resplandecente e cingidos com cintos de ouro pelo peito” Esse é o templo do céu. “8 E o templo encheu-se com a fumaça é o templo de Deus no céu; até que não se cumprissem as pragas derramadas, ninguém podia entrar no templo. Agora, aos vencedores de Filadélfia é prometido serem feitos colunas no templo; mas nem mesmo os vencedores de Filadélfia podem entrar no templo até que se cumpram as sete pragas.

Apocalipse 16:1,17; ali se fala também do templo: “1 Ouvi uma grande voz que dizia do templo aos sete anjos: Vão e derramem sobre a terra as sete taças da ira de Deus. 17 O sétimo anjo derramou sua taça pelo ar; e saiu uma grande voz do templo do céu”. Na Nova Jerusalém não haverá templo, mas no próprio céu há templo. Quis ler estes versos para ver que templo se refere e para que nós não sejamos enganados em pretender que da nossa parte vamos estar dirigindo a grande tribulação e coisas parecidas; porque nós, em um sentido, somos o templo, mas temos que ter em conta a diferença do templo que está no céu.

Voltemos para Apocalipse 14:15: “E do templo (este é o templo que está no céu) saiu outro anjo, (já vimos ao longo de Apocalipse muitos anjos; um fazia uma coisa, outro fazia outra coisa; por isso diz: outro anjo, outro anjo, outro anjo; seria muito bonito poder recolher tudo o que fazem estes anjos, um atrás do outro) clamando em grande voz ao que estava assentado sobre a nuvem: Coloca sua foice, e ceifa; porque a hora de segar chegou, pois a colheita da terra está amadurecida”. Olhem essa palavra, “a colheita”; sempre as visões usando a própria linguagem do Senhor Jesus Cristo. O Senhor Jesus Cristo era o que dizia: Orem ao Pai da vinha que envie operários à sua colheita; já a colheita está amadurecida; como dizem vós que ainda falta tanto tempo para a ceifa? Elevem os olhos e vejam a colheita, como os campos estão brancos. Então essa expressão “a colheita” é uma expressão típica do Senhor Jesus. Ele nos pediu que pedíssemos ao Pai que enviasse trabalhadores à colheita; a colheita tem que ser trabalhada, para que? para que haja maturidade no tempo final. Agora esta visão é a hora da ceifa. Então diz: “Coloca sua foice, e ceifa; porque a hora de segar chegou”. Marcos nos dizia quando era a hora de ceifar; quando o grão está amadurecido; lamentavelmente não somente amadurecido o trigo, também amadurecida a maldade no mundo, amadurecido o joio também e maduras as vinhas; então, em Joel, a ceifa e a vindima estão juntas em um contexto de julgamento. Mas também não somente haverá julgamento, porque na parábola do trigo e o joio, claramente disse: recolham primeiro o joio, e o trigo recolham no meu celeiro.

Os dois aspectos da colheita

Então esta colheita tem dois aspectos; é o fim do século; os anjos vem e recolhem o trigo para o Senhor, mas também diz que recolhem aos que fazem tropeços, e os jogam no fogo. Esta colheita, pois, tem esses dois aspectos; não podemos dizer que somente é um aspecto. Alguns irmãos dizem: bom, as primícias são uns arrebatados primeiro, e a colheita são outros arrebatados depois; e alguns dizem que a rebusca são outros vencedores retardatários; mas primeiro aqui estes 144.000, como estão na segunda parte do livro, referem-se a profecia “outra vez” do que já tinha profetizado na primeira parte; portanto são os mesmos primeiros cento e quarenta e quatro mil do capítulo 7; e os do capítulo 7 estão no sexto selo, que é a grande tribulação, e são varões, e são virgens, celibatários. Aqui não está falando dos vencedores da Igreja, mas de muitos israelitas que o Senhor tomará, porque Ele chamou Israel de “primícias”; mas aparece aqui também uma colheita, e essa colheita tem os dois aspectos. Temos que ver todos os versos que falam da colheita porque não podemos interpretá-los sem conexão com outros versículos. Quais são os versos que falam da colheita? Está em Mateus, Marcos, Joel; quando lemos eles juntos, nos damos conta de que a colheita tem dois aspectos: um aspecto negativo e um aspecto positivo. Para os que fazem maldade, para o joio, é negativo; a ceifa, no fim do século, para o joio é negativa; mas para o trigo é positiva. Então aqui, eu não me atrevo a dizer que isto se refere a outros vencedores distintos dos primeiros, como se houvesse várias classes de vencedores. Aqui está falando de primícias, pelo que é Israel, porque Israel é primícias, cabeça de nações; e logo as demais nações; esta é a colheita, uns para bem e outros para mau; o trigo para bem, o joio para mau. E a vindima tem também esses dois aspectos. Por uma parte o Senhor Jesus disse: Eu sou a videira e vós são os ramos; todo ramo que não dá fruto será talhado e jogado no fogo; mas a Bíblia não somente fala das uvas boas, mas também das más. O Senhor, quando disse: “Eu sou a videira verdadeira”, está separando a videira verdadeira de outras videiras que não são verdadeiras; essas outras videiras, não a de Cristo, não a verdadeira, a não ser as outras videiras, são as videiras venenosas de que a Bíblia também fala. Então chegamos na parte da vindima.

“16 E o que estava sentado sobre a nuvem colocou sua foice na terra, e a terra foi segada”. Esta ceifa é geral, porque Joel fala a parte negativa; Mateus fala a parte negativa e a positiva; Marcos fala a parte positiva; essa é uma ceifa geral; isto é para concluir todas as figuras da colheita que o Senhor tinha dado; então se concluem aqui em Apocalipse.
                                   
“17 E saiu outro anjo do templo que está no céu, tendo também uma foice afiada”; porque o Senhor diz que Ele mandará seus anjos no tempo do fim do século, que é a ceifa; e como terá que recolher o que se semeou, então o Senhor manda seus anjos; alguns trabalham com os de Deus, outros trabalham com os inimigos, porque os anjos são os que recolhem aos que fazem tropeço, mas também recolhem aos escolhidos. Enviará Seus anjos com grande voz de trombeta para recolher Seus escolhidos de uma a outra extremidade do céu, também da terra. Então os anjos recolhem os escolhidos e também recolhem os que causam tropeços. Como Ele disse em outra parábola: jogou-se a rede no mar e se tirou toda classe de peixes; mas quando tiram os peixes, os peixes bons vão para um lado e os peixes maus vão para outro lado (MT. 13:47-52); essa pesca final equivale à ceifa final também.

As uvas venenosas

 Agora, a parte negativa da vindima aparece já no verso 17: “17 Saiu outro anjo do templo que está no céu, tendo também uma foice afiada. 18 E Saiu do altar outro anjo, que tinha poder sobre o fogo, (aqui nos damos conta de que o Senhor dá poder aos anjos; a alguns sobre o fogo, a algum sobre as águas, a alguns sobre os ventos, enfim. Este que tinha poder sobre o fogo, foi o que Ele chamou primeiro) e chamou com grande voz ao que tinha a foice afiada, (este já não é Cristo; Cristo é na ceifa; agora na vindima já são os anjos) dizendo: Envia sua foice afiada, e vindima os cachos da terra, porque suas uvas estão amadurecidas”.

Deuteronômio 32:32; aqui vemos outro aspecto das uvas. O aspecto positivo das uvas é Cristo e a Igreja. “Eu sou a videira e vós sois os ramos” Essa é a videira verdadeira; a verdadeira se diferencia das outras. Quais são as outras videiras? Estas aqui de Deuteronômio 32:32: “32 Porque da videira de Sodoma (ah! então não há só a videira verdadeira; há outra videira que é de Sodoma) é a  videira deles, e dos campos de Gomorra; as uvas deles (não as da videira verdadeira, as deles) são uvas venenosas, têm cachos muito amargos. 33 Veneno de serpentes é seu vinho, e peçonha cruel de áspides”. Então nos damos conta de que há outros cachos de uvas; há outras vinhas na terra. Está a do Senhor: “Eu sou a videira, vós os ramos”; mas ali há outra vinha de Sodoma e de Gomorra; Sodoma e Gomorra são figura do tempo do fim, que foram queimadas com fogo; assim também o anjo do fogo é o que diz: Vindima. Então estas videiras venenosas são as que são recolhidas na vindima e pisadas no lagar.

Por isso diz em Apocalipse 14:18: “18 Mete sua foice afiada, e vindima os cachos da terra, (aqui está o aspecto negativo também) porque suas uvas estão amadurecidas. 19 E o anjo lançou sua foice na terra, e vindimou a vinha da terra, e jogou (as uvas dos cachos) no grande lagar da ira de Deus. 20 E foi pisado no lagar fora da cidade”; não é em Jerusalém, mas lá no Vale de Josafá, no vale da decisão, no Vale do Megido; aí é onde se reúnem os exércitos que se reúnem contra Cristo, contra a Igreja e contra Israel.

Um rio de sangue

E disse Deus, como tínhamos lido em Joel: Reúnam-se ali; ali me assentarei a julgar; já está cheio o lagar, repousam suas uvas. O que está dizendo aqui é que todos os exércitos dos reis da terra, do dragão e da besta, do falso profeta, de Gogue e de Magogue, da outra besta, dos reino do Oriente, dos reino do Sul, todos confluem ali. O que diz aqui? “20 E foi pisado no lagar fora da cidade, e do lagar saiu sangue até os freios dos cavalos, por mil e seiscentos estádios”. Irmãos, o número de juízo é o número quarenta; mas quando é o julgamento de julgamentos, o julgamento multiplicado é quarenta por quarenta; isso dá mil e seiscentos. Justamente, se você tomar a distância desde Bozra, onde começa a ser pisado o lagar, até o Vale do Megido, há exatamente mil e seiscentos estádios; desde Bozra no sul, no Neguev, em Esaú, até o norte do Vale do Megido há mil e seiscentos estádios; são quase trezentos quilômetros; não alcança os trezentos quilômetros, mas é mais ou menos trezentos quilômetros; e haverá um rio de sangue entre Bozra e Megido que chegará até os freios dos cavalos, porque será tanta gente, tanta gente, tanta gente que esse sangue formará um rio. É terrível!

Vamos ler a respeito desse lagar; primeiro em Apocalipse 15:1,7: “1 Vi no céu outro sinal, grande e admirável: sete anjos que tinham as sete últimas pragas; porque nelas se consumava a ira de Deus”. A ira de Deus se consuma nas pragas. “7 E um dos quatros seres viventes deu aos sete anjos sete taças de ouro, cheias da ira de Deus, que vive pelos séculos dos séculos”. Isso se refere à ira. Apocalipse 16:1,19: “1 E ouvi uma grande voz que dizia do templo aos sete anjos: Vão e derramem sobre a terra as sete taças da ira de Deus.../.... 19 E a grande cidade foi dividida em três partes, e as cidades das nações caíram; e a grande Babilônia veio em memória diante de Deus, para dar-lhe o cálice do vinho do ardor de sua ira”. Fixem-se nessa expressão, “o cálice do vinho do ardor de sua ira”. Apocalipse 19:15; ali vemos que esse cálice do vinho do ardor de sua ira, é o lagar: “De sua boca (da do Senhor Jesus, o Verbo de Deus) sai uma espada afiada, para ferir com ela Às nações, e ele as regerá com vara de ferro, e ele (o Senhor Jesus) pisa no lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-poderoso”. Quem pisa no lagar, é o próprio Senhor, amém?

Porque mencionei Bozra, passemos à Isaías 63; vamos ver ali com detalhes como o Senhor Jesus vai pisar no lagar. “1 Quem é este que vem de Edom, de Bozra, (notem que começa do sul, do sul ao norte; Edom é no sul de Israel; Bozra é uma cidade) com vestes tintas? Este que é glorioso em sua vestidura, que marcha com a sua grande força? (quem é este? E olhem o que responde a Isaías) Eu, que falo em justiça, poderoso para salvar”. Fixem-se nos dois aspectos: julgamento e salvação ao mesmo tempo; como aparece em 2ª Tessalonicenses 1:7-8: “7 e a vós, que sois atribulados, descanso conosco, quando se manifestar o Senhor Jesus desde o céu, com os anjos do seu poder, 8 como labareda de fogo, tomando vingança dos que não conhecem a Deus e dos que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo;”. Ocorrerá quando vier naquele dia para dar retribuição. Há retribuição para as duas coisas; para o trigo há repouso, para o joio é castigo- Aqui aparecem os dois aspectos; Ele vem de pisar no lagar, mas também diz que vem para salvar: “Eu, que falo em justiça, (Ele foi o que pisou no lagar; por isso estão vermelhos seus vestidos) poderoso para salvar.

2 Por que está vermelha a tua vestidura? E as tuas vestes, como as daquele que pisa uvas no lagar?” Quando a pessoa está pisando no lagar, salpica o sangue e se sujam seus vestidos; diz que ao Senhor Jesus seus vestidos ficarão vermelhos do sangue. Segue dizendo Isaías 63: “3 Eu sozinho pisei no lagar, e dos povos ninguém se achava comigo”. O que tinham feito os povos? reuniram-se contra o Senhor e Seu Cristo; os reis da terra e seus exércitos com o dragão e a besta reunidos para brigar contra o Senhor; todos contra o Senhor: “pisei eu sozinho o lagar, e dos povos ninguém havia comigo; (nenhum povo era do Senhor; ah! dentre os povos há salvos, mas os povos mesmos são maus) e os pisei na minha ira e os esmaguei no meu furor; e o seu sangue salpicou as minhas vestes, e manchei toda a minha vestidura.4 Porque o dia da vingança estava no meu coração, e o ano dos meus redimidos é chegado.”.

Ali estão os dois aspectos. Dos 144.000 das tribos de Israel se diz que são redimidos dentre os da terra; e também Ele tem redimidos dentre os gentios; mas ao mesmo tempo que redime uns, pisa na outros. “5 E olhei, e não havia quem me ajudasse; e espantei-me de não haver quem me sustivesse; (como disse o Senhor Jesus: quando vier o Filho do Homem, achará fé na terra? sempre será uma minoria a que crê, um remanescente) pelo que o meu braço me trouxe a salvação, e o meu furor me susteve.
6 E pisei os povos na minha ira e os embriaguei no meu furor, e a sua força derribei por terra”. Isaías 59:16: “E viu que ninguém havia e maravilhou-se de que não houvesse um intercessor; pelo que o seu próprio braço lhe trouxe a salvação, e a sua própria justiça o susteve”. A própria humanidade estava contra o Senhor, com exceção dos redimidos que aqui também menciona. O Senhor mesmo é o que pisa no lagar.

Voltemos para Apocalipse 14:20: “E foi pisado no lagar fora da cidade,” fora da cidade, em onde? No Vale de Josafá, no Vale do Megido, no Vale da decisão, no Armagedom, quando todos se reúnem contra o Senhor. Essa batalha está em Apocalipse 19:11: “11 Então vi o céu aberto; e eis um cavalo branco, e o que o montava se chamava Fiel e Verdadeiro, e com justiça julga e briga. 12 Seus olhos eram como chama de fogo, e havia em sua cabeça muitas diademas; e tinha um nome escrito que ninguém conhecia a não ser ele mesmo. 13 Estava vestido de uma roupa tinta em sangue; (uma roupa tinta em sangue; por que isso? porque Ele pisou no lagar; é o sangue de quem? Dos homens, dos reis, de todos os que se aliaram com o anticristo contra o Cordeiro e seu exército) e seu nome é: O Verbo de Deus. 14 E os exércitos celestiais, vestidos de linho muito fino, branco e limpo, seguiam-lhe em cavalos brancos. 15 De sua boca sai uma espada afiada, para ferir com ela às nações, e ele as regerá com vara de ferro; e ele pisa no lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-poderoso”.

Salmo 2:9. Este precioso Salmo é messiânico; onde o Pai diz ao Filho: “me peça, e te darei por herança as nações”. “9 Os quebrantará com vara de ferro; como vasilha de oleiro os esmiuçará”. Quem? O Filho. O Pai dará as nações ao Filho, e o Filho esmagará, pisará no lagar, destruirá as nações. Então voltemos para Joel, e lá com tudo isto, Joel vai soar muito mais claro; tendo presente, lógico, tudo o que acabamos de ver. Joel 3:9: “9 Proclamai isto entre as nações, proclamem guerra, despertem os valentes, aproximem-se, venham todos os homens de guerra”. É quando as uvas estão sendo jogadas nas cubas.

“12 Despertem-se as nações, e subam ao Vale de Josafá; (todas as uvas da terra sendo postas ali) porque ali me sentarei para julgar todas as nações de ao redor. 13 Lançai a foice, (a primeira parte era a colheita, e aqui aparece a foice) porque a colheita (aí fala da colheita, o aspecto negativo) já está amadurecida. Venham, desçam, porque o lagar está cheio, transbordam as cubas; porque muita é a maldade deles. 14 Muitos povos no vale da decisão; (o que no 12 era o Vale de Josafá) porque próximo está o dia de Jeová no vale da decisão. 15 O sol e a lua se obscurecerão, e as estrelas retrairão seu resplendor”. É em plena grande tribulação, para concluir a grande tribulação com  Armagedom; aqui não mencionou a palavra Armagedom, mas Armagedom tem haver com o Vale do Megido, que é o mesmo Vale de Josafá, que é o mesmo vale da decisão.

Então, irmãos, nestas duas partes do final de Apocalipse 14 se vê o final da história humana; o Senhor colhendo para bem a uns e para mau a outros. Ceifa, e esta ceifa tem dois aspectos: do joio que se semeou no fim do primeiro século, para ser logo atada em feixes; os que causam tropeço são jogados no fogo, mas o trigo é recolhido no celeiro. A vindima; bom, também há uma videira verdadeira que são os do Senhor, mas há outras videiras venenosas, cujo vinho é como veneno de serpentes, que são as nações que abandonaram ao Senhor, quem não encontra fé na terra, somente em uns poucos escolhidos. Ele pisa sozinho no lagar, e suas roupas se tingem de sangue, e o lagar começa de Bozra, mas vai para o Vale do Megido; e entre Bozra e o Vale do Megido há mil e seiscentos estádios, quase trezentos quilômetros. Imaginem, o sangue até os freios dos cavalos. Foi pisado no lagar fora da cidade; não foi em Jerusalém, e sim no Vale de Josafá. E do lagar saiu sangue até os freios dos cavalos por mil e seiscentos estádios. Quantos litros de sangue tem cada pessoa? quantos milhões somente vêm do Oriente? Imaginem muitos morrendo, e derramando seu sangue ali; imaginem que são rios de sangue. Terrível, irmãos! vamos parar então aqui. Vamos dar graças ao Senhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário